Frases Anarquistas

Frases Anarquistas

Frases Anarquistas

“Olhos anárquicos que me desgovernam”
- Anarquista.net

EXERCER O PODER CORROMPE, SUBMETER-SE AO PODER DEGRADA.
- BAKUNIN

“Os ricos farão de tudo pelos pobres, menos descer de suas costas.”
- Leon Tolstoi

“Se organizaram em coletivos? Não esperem mais. Ocupem as terras! Organizem-se de forma que não haja chefes nem parasitas entre vocês. Se não o fizerem, é inútil que continuemos avançando. Precisamos criar um mundo novo, diferente do que estamos destruindo. Levamos um mundo novo em nossos corações: esse mundo está crescendo neste instante.”
— Buenaventura Durruti

“O ideal da condição de não violência será uma anarquia ordenada. O estado que melhor governa é o que menos governa.”
— Mohandas Karamchand Gandhi, O Baú de Sabedoria de Gandhi (1942)

“Tenho sido um anarquista por toda minha vida. Espero permanecer assim. (…) Acredito, como sempre acreditei na liberdade. Liberdade que jaz no senso de responsabilidade. Considero a disciplina indispensável, mas precisa ser a disciplina interior, motivada por um propósito comum e um forte sentimento de camaradagem.”
- Buenaventura Durruti
“As revoluções não são um jogo de crianças, nem um debate acadêmico em que as vaidades se matam umas às outras, nem um torneio literário onde só se derrama tinta. A revolução é guerra, e quem diz guerra diz destruição dos homens e das coisas. Sem dúvida que é uma pena que a humanidade ainda não tenha inventado um meio mais pacífico de progresso, mas até hoje qualquer passo novo na história só foi realizado na realidade depois de ter recebido o batismo de sangue.”
- Mikhail Bakunin
Reprimir a desobediência civil é tentar encarcerar a consciência.
- MAHATMA GANDHI

O nosso objetivo é criar uma coletividade revolucionária forte,mas sempre invisível,uma coletividade que deve preparar a revolução e dirigi-la,deixando ao movimento revolucionário de massas o seu desenvolvimento total e a sua organização social a mais completa liberdade,mas vigiando sempre para que este movimento e esta organização nunca possam reconstituir autoridades,governos,estado,e combatendo todas as ambições, tanto coletivas(no gênero das de Marx) como individuais,por influência natural,nunca oficial,de todos os membros de nossa Aliança,disseminados em todos os países,e cuja força vem unicamente de sua ação solidária da unidade de programa e de objetivos que deve existir sempre entre eles.
- Mikhail Bakunin. (Carta a Pablo na Espanha-1872)

“Policiais não são trabalhadores, Opressão não é emprego!”
- Desconhecido
Tudo que emancipa os homens, tudo que, ao fazê-los voltar a si mesmos, suscita neles o princípio da sua vida própria, da sua atividade original e realmente independente, tudo o que lhes dá força para serem eles mesmos, é verdade; tudo o resto é falso, liberticida, absurdo. Emancipar o homem, esta é a única influência legítima e bem-feitora.Abaixo todos os dogmas religiosos e filosóficos – que não são mais que mentiras; a verdade não é uma teoria, mas sim um facto; a vida é a comunidade de homens livres e independentes, é a santa unidade do amor que brota das profundidades misteriosas e infinitas da liberdade individual.
- Mikhail Alexandrovich Bakunin
Anarquia é a extinção da opressão do Estado e da exploração pelo trabalho. Na anarquia o trabalho serve para atender as carências e não para gerar lucro.
- Desconhecido
“O Brasil é o único país onde o mesmo órgão que fiscaliza as eleições, também controla, cria e julga as próprias leis.”
- EuSouVcEmMimNós
————————
“Não há revolução sem destruição profunda e apaixonada, destruição salvadora e fecunda, justo porque dela, é só por ela, criam-se e nascem os novos mundos.” – Mikhail Bakunin, em “Estatismo e Anarquia”
“Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada”.
- Ayn Rand
————————

“Anarquismo significa que você deveria ser livre; que ninguém deveria te escravizar, te chefiar, te roubar, ou se impor sobre você. Significa que você deveria ser livre para fazer as coisas que deseja fazer; e que não deveria ser forçado a fazer o que não deseja. (…) Assim, não mais haveria guerra, nem violência empregada por alguns homens contra outros, não haveria monopólio nem pobreza, não haveria opressão e ninguém tentaria tirar vantagem de seus semelhantes. Para resumir, Anarquismo significa uma condição ou sociedade onde todos os homens e mulheres são livres, e onde todos aproveitam igualmente os benefícios de uma vida sensível e ordenada.”
- Alexander Berkman, “A anarquia é possível?”, em ABC do Anarquismo (1927)

“Um ato vale mais que 1000 panfletos.”
- Kropotkin

“A anarquia é a mais alta expressão da ordem.
- Elisée Reclus

A organização sem lideres é como os cardumes, simplesmente o ser humano se desenvolve de forma de atuar em “REDE” todos numa mente coletiva.
- Desconhecido

Gosto de imaginar uma sociedade anarquista, ou seja, desprovida de qualquer forma de governo compulsório, e, consequentemente, alheia a qualquer forma de coerção social, cuja ordem se manteria a partir do desenvolvimento da educação, que seria o alicerce da coexistência harmoniosa, onde questões e divergências individuais e coletivas se resolveriam com base no diálogo pacífico e racional.
- Saulo R. Lemos

“O pseudo-Estado popular nada mais será do que o governo despótico das massas proletárias por uma nova e muito restrita aristocracia de verdadeiros ou pretensos doutos. Não tendo o povo a ciência, ele será de todo libertado das preocupações governamentais e integrado por inteiro no rebanho dos governados. Bela libertação!
Os marxistas dão-se conta desta contradição e, ainda que admitindo que a direção governamental dos doutos, a mais pesada, a mais vexatória e a mais desprezível que possa existir, será, quaisquer que possam ser as formas democráticas, uma verdadeira ditadura, consolam-se com a idéia de que esta ditadura será temporária e de curta duração. Eles sustentam que sua única preocupação e seu único objetivo será dar instrução ao povo, elevá-lo, tanto econômica quanto politicamente, a um tal nível que todo governo não tardará a se tornar inútil; e o Estado, após ter perdido seu caráter político, isto é, autoritário, transformar-se-á por si mesmo em organização de todo livre dos interesses econômicos e das comunas.
Eis aí uma flagrante contradição. Se seu Estado é de fato um Estado popular, por que motivos dever-se-ia suprimi-lo? E se, por outro lado, sua supressão é necessária para a emancipação real do povo, como se poderia qualificá-lo de Estado popular? Ao polemizar com eles, nós os levamos a reconhecer que a liberdade, ou a anarquia, isto é, a livre organização das massas operárias, de baixo para cima, é o último objetivo da evolução social, e que todo Estado, inclusive seu Estado popular, é um jugo, o que significa que, por um lado, engendra o despotismo e, por outro, a escravidão.
Segundo eles, este jugo estatista, esta ditadura é uma fase de transição necessária para chegar à emancipação total do povo: sendo a anarquia ou a liberdade, o objetivo, e o meio, O Estado ou a ditadura. Assim, portanto, para libertar as massas populares, dever-se-ia começar por subjugá-las.
No momento, nossa polêmica parou nesta contradição. Os marxistas sustentam que só a ditadura, evidentemente a deles, pode criar a liberdade do povo; a isso respondemos que nenhuma ditadura pode ter outro objetivo senão o de durar o máximo de tempo possível e que ela é capaz apenas de engendrar a escravidão no povo que a sofre e educar este último nesta escravidão; a liberdade só pode ser criada pela liberdade, isto é, pela insurreição de todo o povo e pela livre organização das massas trabalhadoras de baixo para cima. ”
- Bakunin(Estatismo e Anarquia)

“Não se trata de substituir um partido por um outro a fim de que ele controle o governo, nem de camuflar um regime autocrático sob slogans proletários, nem mascarar a ditadura de uma nova classe sobre uma classe mais antiga, nem se entregar a manobras quaisquer nos bastidores do teatro político.Trata-se sim, de suprimir completamente todos os princípios autoritários para servir a revolução.”
-Emma Goldman

“O urbanismo é a tomada do meio ambiente natural e humano pelo capitalismo que, ao desenvolver-se em sua lógica de dominação absoluta, refaz a totalidade do espaço como seu próprio cenário.”
- Guy Debord, A sociedade do espetáculo

“Os anarquistas o repetiram milhares de vezes, e toda a História o confirma: a propriedade individual e o poder político são dois elos de uma mesma corrente que esmaga a humanidade; são como dois fios da lâmina do punhal de um assassino. É impossível libertar-se de um se não se liberta também do outro. Se abolirem a propriedade individual sem abolir o Estado, ao que ela se reconstituirá graças aos governos. Se abolirem o governo sem abolir a propriedade individual, os proprietários reconstituirão o governo.”
- Errico Malatesta

A anarquia, é um estado revolucionário permanente que prima na sua essência pelo respeito não coercivo da liberdade do outro. O Anarquismo é um Apocalipse Constante!
- EuSouVcEmMimNós

“A anarquia é a mãe da ordem”
- Kropótkin

“Se eu mereci a condenação à morte? De acordo com as leis, pelo que eu pude compreender da explicação de meu advogado, sim. Segundo a minha consciência, não. As leis estão raramente de acordo com a história e permanecem quase sempre atrás dela. Eis porque há agitações sobre a terra e sempre haverá. Eu agi segundo minha melhor convicção e nada busquei para mim mesmo. Fracassei como tantos outros, e alguns melhores, antes de mim, mas o que quis não pode perecer, não porque eu o quis, mas porque aquilo que eu quis é necessário, inevitável. Cedo ou tarde, com maior ou menor sacrifício, isso virá, no sentido de seu direito, de sua realização. Este é o meu consolo, minha força e minha fé.”
- Mikhail Bakunin

O ser humano vivência a si mesmo, seus pensamentos como algo separado do resto do universo – numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza. Ninguém conseguirá alcançar completamente esse objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior.
- Albert Einstein

Liberalismo é a ‘Liberdade’ do rico explorar o pobre, que é pobre porque é explorado.
- Xavier

“O que é bom para a classe dominante deve ser bom para a sociedade, com a qual a classe dominante se identifica. Quanto mais progride a civilização, mais se vê obrigada a encobrir os males que traz necessariamente consigo, ocultando-os com o manto da caridade, enfeitando-os ou simplesmente negando-os. Em uma palavra: elabora-se uma hipocrisia convencional, desconhecida pelas primitivas formas de sociedade e pelos primeiros estágios da civilização, que culmina com a declaração de que a classe opressora explora a classe oprimida exclusiva e unicamente para o próprio benefício desta. E, se a classe oprimida não o reconhece, e até se rebela, isso, além do mais, revela sua mais negra ingratidão para com seus benfeitores, os exploradores.”
- Engels

A compreensão leva o pêndulo ao centro, transformando o homem em um ser justo, respeitoso, que aceita a perfeição de qualquer situação mesmo as mais difíceis e dolorosas pois produzem compreensão em quem as vive.
O mau se converte em bom, o bom em justo e por último o Justo em Sábio, neste momento chega a iluminação representada pela LUZ que vem do alto, quando renasce a partir do espírito, terminando a onda de reencarnações desta escala do universo para continuar o caminho do aperfeiçoamento numa hierarquia mais elevada.

O homem que nasce na carne renasce no espirito, assim termina sua transformação da animalidade original a espiritualidade eterna, da consciência temporária a consciência permanente, da mortalidade a imortalidade. O amor permanece em pensamento, palavra e obra, fruto destes entendimentos faz com que o EGO desapareça para sempre e com ele o ciclo de reencarnações…
- Textos Egípcios

“Sou um poeta. Um anarquista espiritual. Não sou um patriota. Sou amoral, sou artista.”
- Charles Chaplin

A Guerra Civil Espanhola talvez seja o caso mais importante, ainda que devamos lembrar que a revolução anarquista que conquistou boa parte da Espanha em 1936, preparada através de muitas décadas de educação, organização, esforço, derrota e algumas vezes vitórias. Isso foi muito significante. O suficiente para despertar a ira de todos os maiores sistemas de poder: stalinismo, fascismo, liberalismo ocidental, a maioria das correntes intelectuais e suas instituições doutrinárias – todos combinados para condenar e destruir a revolução anarquista, assim como fizeram; um sinal de sua importância, na minha opinião.
- Noam Chomsky

Anarquia não é um governo sem ordem. É ordem sem governo.
- Desconhecido

Um homem que abomina a violência pode tomar parte no governo de um país?
KRISHNAMURTI: Ora, que é governo? Afinal de contas, um governo é, um governo representa o que nós somos. Na chamada democracia, seja qual for a sua significação, nós elegemos, para nos representar, aqueles que são iguais a nós, aqueles de quem gostamos, que têm a voz mais forte, a mente mais inteligente, ou o que quer que seja. Assim, evidentemente, o governo é o que nós somos, não achais? E que somos nós? Somos uma massa de reações condicionadas — violência, avidez, aquisicionismo, inveja, volúpia de poder, etc. Naturalmente o governo é o que nós somos, isto é, a violência sob diferentes formas; e como pode um homem em cujo ser realmente não existe a violência, pertencer, quer em nome, quer de fato, a uma estrutura que é violenta? Pode a realidade coexistir com a violência, que é o que chamamos governo? Pode um homem que busca ou que experimenta a realidade ter qualquer coisa em comum com os governos soberanos, com o nacionalismo, com uma ideologia, com a política de partidos, com um sistema de poder? O homem pacífico pensa que, aderindo a um governo, estará habilitado a prestar algum serviço útil. Que acontece, quando ingressa no governo? A estrutura é tão poderosa que o absorve, e ele muito pouco pode fazer. Senhor, isso é um fato, a que assistimos hoje no mundo. Quando uma pessoa ingressa num partido, ou se candidata a uma eleição para o parlamento, ou que quer que seja, tem de aceitar o programa do partido. Por conseguinte, deixa de pensar. E como pode um homem que se entregou a um outro — a um partido, a um governo, ou a um guru — achar a realidade? E como pode aquele que busca a verdade ter qualquer relação com a política das potências?
- Krishnamurti

“Se depois da revolução as massas só puderem contar com frases, se elas não reconhecerem, através de fatos concretos que a situação mudou em seu benefício, se a derrubada do governo tiver resultado apenas numa mudança de pessoas e de fórmulas, nada terá sido feito… Para que a revolução seja algo mais do que uma simples palavra, para que a reação não nos leve amanhã à mesma situação de ontem, é preciso que a conquista de hoje seja algo que mereça ser defendido; os pobres de ontem não devem ser os pobres de hoje.”
- Kropotkin, O espírito da revolta

- Em outras palavras, é preciso que a revolução seja capaz de assegurar imediatamente pelo menos duas coisas: a primeira, a frustração de qualquer tentativa de que seja criada aquela anomalia que se chama “governo revolucionário”; a segunda, que haja um avanço substancial em direção à igualdade social. O gradualismo é fatal, pois todos os aspectos da vida econômica e social estão de tal forma interligados, que nada menos do que uma completa e imediata transformação da sociedade poderá proporcionar a garantia efetiva contra os vários tipos de retrocesso que sempre acompanharam as revoluções do passado.
- George Woodcock, História das ideias e movimentos anarquistas

“O que chamamos atualmente de educação não é educação. Os professores os preparam para serem aprovados nos exames, mas não falam sobre como viver.”
- Jiddu Krishnamurti

Anarquia no sistema é o oposto de anarquia no anarquismo!
- Henrique Xavier

“As letras e a ciência só tomarão o seu verdadeiro lugar na obra do desenvolvimento humano no dia em que, livres de toda a servidão mercenária, forem exclusivamente cultivadas pelos que as amam e para os que as amam”.
- Piotr Kropotkin - A Conquista do Pão

“Confiemos no eterno espírito que destrói e aniquila apenas porque é a inexplorada e eternamente criativa origem de toda a vida. A ânsia de destruir é também uma ânsia criativa.”
- Mikhail Bakunin

“Porque o Estado quer ser a todo custo o animal mais importante da terra. E consegue fazer o povo acreditar que o seja.”
- Nietzsche

Sem FAMÍLIA, sem fronteiras, e sem religião. As religiões dos mercadores dos templos encerram os homens e as mulheres numa corrente de dogmas estéreis, amarram a sua razão., sufocam os seus corações no limite odioso do fanatismo, da ignorância e da mentira.
- Jesus, o maior de todos os anarquistas

“A revolução fechou-se, mas a possibilidade do levante está aberta. Por ora, concentramos nossas forças em irrupções temporárias evitando enredamentos com soluções permanentes…”
- Hakim Bey

A anarquia só terá força se o povo for anarquista, pois não se força anarquia. Não pode forçar um povo a ser livre, isso é um paradoxo. Por isso eu falei em conscientização como início, batalha como meio e liberdade como fim.
- Autor desconhecido

A anarquia natural da vida só é percebida quando o homem consciente do momento abdica de arranjos artificiais. Nem reis, muito menos representantes. A liberdade é uma benção.
- AA

“Educação é uma ação compulsória e forçada de uma pessoa sobre a outra… Cultura é a relação livre entre pessoas. A diferença entre educação e cultura está apenas na coerção, a qual a educação se julga no direito de exercer. Educação é cultura sob limitação. Cultura é livre.”
- Leon Tostói

Vejo o Socialismo como um estágio “educativo”, há uma conciliação de valores. Desafiador viver com liberdades individuais sem ferir valores coletivos.
- Desconhecido

A primeira fase da dominação da economia sobre a vida social levou, na definição de toda a realização humana, a uma evidente degradação do ser em ter. A fase presente da ocupação total da vida social em busca da acumulação de resultados económicos conduz a uma busca generalizada do ter e do parecer, de forma que todo o «ter» efectivo perde o seu prestígio imediato e a sua função última. Assim, toda a realidade individual tornou-se social e diretamente dependente do poderio social obtido.
(…) O espectáculo é o herdeiro de toda a fraqueza do projecto filosófico ocidental, que foi uma compreensão da actividade dominada pelas categorias do ver; assim como se baseia no incessante alargamento da racionalidade técnica precisa, proveniente deste pensamento. Ele não realiza a filosofia, ele filosofa a realidade. É a vida concreta de todos que se degradou em universo especulativo.
A filosofia, enquanto poder do pensamento separado, e pensamento do poder separado, nunca pode por si própria superar a teologia. O espectáculo é a reconstrução material da ilusão religiosa. A técnica espectacular não dissipou as nuvens religiosas onde os homens tinham colocado os seus próprios poderes desligados de si: ela ligou-os somente a uma base terrestre. Assim, é a mais terrestre das vidas que se torna opaca e irrespirável. Ela já não reenvia para o céu, mas alberga em si a sua recusa absoluta, o seu falaccioso paraíso. O espectáculo é a realização técnica do exílio dos poderes humanos num além; a cisão acabada no interior do homem.
- Guy Debord, in ‘A Sociedade do Espectáculo’

“O ‘Anarquismo’ como se encontra hoje, é uma ideologia muito esquerdista, a qual nós devemos ir além. Em contraste, a “anarquia” é uma experiência sem forma, fluída e orgânica que abraça visões multifacetadas de libertação tanto pessoal quanto coletiva e sempre aberta. Como anarquistas nós não nos interessamos em formar uma nova estrutura ou conjunto de regras para viver e seguir, por mais “ética” ou “discreta” que pareça ser. Os anarquistas não podem oferecer um outro mundo para as pessoas, mas nós podemos levantar questões e ideias, tentar destruir toda dominação que impede nossas vidas e nossos sonhos e vivermos diretamente conectados com nossos desejos.”
- Desconhecido

Guy Fawkes NÃO ERA UM ANARQUISTA. Ele era um católico que queria matar o rei da Inglaterra por insatisfação com o protestantismo.
- Auto desconhecido

“Mas não basta desejar uma coisa: se se quer obtê-la, é preciso, sem dúvida, empregar os meios adaptativos à sua realização. E esses meios não são arbitrários: derivam necessariamente dos fins a que nos propomos e das circunstâncias nas quais lutamos. Enganando-nos na escolha dos meios, não alcançamos o objetivo contemplado, mas, ao contrário, afastamo-nos dele rumo a realidades frequentes opostas, e que são a consequência natural e necessária aos métodos que empregamos. Quem se opõe a caminho e se engana de estrada, não vai aonde quer, mas aonde o conduz o caminho tomado. É preciso dizer, portanto, quais são os meios que, segundo nossa opinião, conduzem ao nosso ideal, e que intencionamos empregar. Nosso ideal não é daqueles cuja plena realização depende do indivíduo considerado de modo isolado. Trata-se de mudar o modo de viver em sociedade: estabelecer entre os homens relações de amor e solidariedade, realizar a plenitude do desenvolvimento material, moral e intelectual, não para o indivíduo isolado, não para os membros de certa classe ou de certo partido, mas para todos os seres humanos. Esta transformação não é medida que se possa impor pela força; deve surgir da consciência esclarecida de cada um, para se manifestar, de fato, pelo livre consentimento de todos. É necessário atrair a atenção dos homens para os males que sofrem, e para a possibilidade de destruí-los. É preciso que suscitemos em cada um a simpatia pelos sofrimentos alheios, e o vivo desejo pelo bem de todos. A quem tem fome e frio, mostraremos que seria possível e fácil assegurar a todos a satisfação das necessidades materiais. A quem é oprimido e desprezado, diremos como se pode viver de modo feliz em uma sociedade de livres e iguais. A quem é atormentado pelo ódio e pelo rancor, indicaremos o caminho para encontrar o amor por seus semelhantes, a paz e a alegria do coração. E quando tivermos obtido êxito em disseminar na alma dos homens o sentimento da revolta contra os males injustos e inevitáveis, dos quais se sofre na sociedade atual, e em fazer compreender quais são suas causas e como depende da vontade humana eliminá-las; quando tivermos inspirado o desejo vivo e ardente de transformar a sociedade para o bem de todos, então os convictos, por impulso próprio e pela persuasão daqueles que os precederam na convicção, se unirão, desejarão e poderão por em prática o ideal comum. Seria – já o dissemos – absurdo e em contradição com nosso objetivo querer impor a liberdade, o amor entre os homens, o desenvolvimento integral de todas as faculdades humanas pela força. É preciso contar com a livre vontade dos outros, e a única coisa que podemos fazer é provocar a formação e a manifestação desta vontade. Mas seria da mesma forma absurdo e em contradição com nosso objetivo admitir que aqueles que não pensam como nós impedem-nos de realizar nossa vontade, visto que não os privamos do direito a uma liberdade igual à nossa. Liberdade, portanto, para todos, de propagar e experimentar suas próprias ideias, sem outros limites senão os que resultam naturalmente da igual liberdade de todos.”
- Errico Malatesta

“Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância.”
- Simone de Beauvoir

“O slogan [Revolução!] transformou-se de sinal de alerta em toxina, uma maligna e pseudo gnóstica armadilha do destino, um pesadelo no qual não importa o quanto lutamos, nunca nos livramos do maligno ciclo infinito que incuba o Estado, um Estado após o outro, cada paraíso governado por outro anjo ainda mais cruel.”
- Hakim Bey, TAZ

A humanidade evoluiu muito desde a época em que lutava para sobreviver na idade da pedra, até os dias atuais em que a agricultura obtém colheitas prodigiosas e a indústria e a mineração tornaram-se muito produtivas. A humanidade já pode permitir-se uma existência de riqueza e luxo. Mas, apesar disso, como se explica tanta miséria ao nosso redor? Porque tudo o
que é necessário à produção foi usurpado por alguns. Milhões de seres humanos trabalharam para tornar possível esta civilização de que nos orgulhamos; milhões ainda trabalham para mantê-la. Mas, devido à organização elaborada pelas minorias que monopolizam as riquezas, o filho do trabalhador é mais pobre do que um selvagem. Disso resulta que a empresa não se preocupa com as necessidades da sociedade, mas sim em aumentar os benefícios para seu proprietário. A busca por mercados e a competição com outros Estados resultam em guerras que massacram a população. Kropotkin exclama que *tudo é de todos!*, e sendo os meios de produção obra da coletividade humana, a ela devem retornar. Conquanto cada um colabore com sua parcela de trabalho, terá sua parte no bem-estar produzido por todos. Mas, para que o bem-estar seja uma realidade, é preciso que o trabalhador vise a atender às necessidades sociais, e não mais a aumentar o lucro dos patrões. É preciso que o capital deixe de ser considerado propriedade privada; é preciso uma expropriação. Esse problema só poderá ser resolvido pela revolução social. Cada um, seja quem for, possui o direito de viver e de ter parte nos meios de que a sociedade dispõe. Que
tudo seja de todos e que a revolução cuide mais das necessidades do povo do que dos seus deveres. A revolução social é o direito ao bem-estar. Por enquanto, nenhum povo está moralmente preparado para viver a anarquia. As virtudes necessárias devem ser aprendidas pelo ensino e pelo exemplo. A liberdade de um só a restringi-la a liberdade dos outros. A primeira obrigação da revolução será realizar o comunismo anarquista, ou seja, sem governo. O anarquismo, porém, não trará a liberdade do crime, pois o povo se reunirá, julgará os crimes e executará suas sentenças. A expropriação deve recair sobre tudo aquilo que permite apropriar-se do trabalho alheio. Será feito um esforço para que não falte nada a ninguém, e que ninguém seja forçado a vender os braços seus ou os dos seus filhos. É condição da revolução social que os donos das terras sejam expropriados e que as fábricas sejam entregues aos trabalhadores. Mas se deixarem a terra ao senhor, o dinheiro ao banqueiro, e deixarem os intermediários especuladores, a reação virá terrível. É impossível reformar algo sem derrubar o conjunto. A característica predominante do sistema capitalista é o trabalho salariado. O capitalista paga ao trabalhador um valor fixo e embolsa o excedente a pretexto de se indenizar da administração do negócio, dos riscos assumidos ou da flutuação dos preços. A próxima revolução deverá tornar o salariado impossível, situação na qual se imporá o comunismo como negação do salariado. Kropotkin, a seguir, analisa as dificuldades prováveis de uma revolução social. Pondera que a reorganização da indústria não se dará em poucos dias. O povo deverá tomar posse dos celeiros, dos matadouros, dos armazéns, e inventariar todos os gêneros disponíveis. Mas em que bases fazer essa reorganização? Há só um meio: tomar livremente o que se possui em abundância, e racionar aquilo que for escasso. Mas como prover a subsistência de uma cidade em plena revolução social? Se a Europa se lançasse em revolução de uma só vez, isso seria simples. Mas se somente algumas comunas ensaiassem o comunismo, seria mais complicado. Podemos concluir que a revolução será diferente em cada nação, e o nível atingido de socialização não será o mesmo. Na cidade sublevada, onde encontrar os meios necessários de subsistência, se no resto da nação ainda não se  estabeleceu o comunismo? Um governo autoritário não será desejável. É preciso oferecer ao camponês a mercadoria de que ele necessita, a máquina, a roupa, a lâmpada, o petróleo. Que a cidade mande às aldeias amigos e irmãos, oferecendo-lhes produtos manufaturados. Na cidade, grupos de voluntários farão levantamento das habitações vazias ou demasiado espaçosas e das vivendas insalubres e atulhadas de famílias numerosas. A revolução repartirá as moradias. Cada um reclamará segundo a sua necessidade. *Não será isto mais justo do que deixar a mãe e os cinco pequenos jazer no cubículo e o senhor engordar no castelo?* Adiante, os
pedreiros construirão moradias mais arejadas e saudáveis para todos. Mas o homem não vive apenas para comer, beber e procurar abrigo. Satisfeitas suas necessidades básicas, seus desejos por luxo serão mais intensos. Os gostos serão os mais variados. A força da Anarquia compreende todas as faculdades humanas. Concebe-se uma sociedade onde todos sejam produtores e tenham tempo livre para cultivar as ciências e as artes. A literatura, a ciência e as artes devem ser servidas por voluntários, pois somente assim se livrarão do jugo do capital, do Estado e da mediocridade burguesa. Depois de terem se desobrigado com a sociedade, os investigadores irão trabalhar nas oficinas e laboratórios. Após detalhar algumas características da sociedade libertária, Kropotkin considera as possíveis objeções opostas ao comunismo. A ideia de uma sociedade sem Estado atrairá argumentos contrários, pois fomos educados a crer no governo e no Estado-providência. Os livros de ciências sociais retratam o Estado com uma importância tão grande que chegamos a acreditar que não há nada fora dele. Afora o comunismo autoritário, que é afastado, o autor refere-se à sociedade comunista-anarquista. Como primeira objeção, aponta que se a subsistência de todos é garantida e se ninguém se obrigará a trabalhar por um salário, ninguém trabalhará. Ocorre que os escravagistas estadunidenses, antes da abolição, acreditavam que sem chicote os negros não trabalhariam, e os senhores russos também pensavam que os servos, antes da libertação, deixariam os campos incultos caso estivessem livres. Porém, todos passaram a trabalhar mais do que antes. O autor cita vários exemplos de trabalho comunal entre os pioneiros dos EUA, e nas aldeias da Suíça, Alemanha e Rússia. Uma sociedade que visa ao bem-estar de todos e a possibilidade de todos gozarem a vida em todas as suas manifestações, fornecerá um trabalho voluntário muito mais produtivo do que a escravidão e o salariado. A indústria atual é caracterizada por um imenso desperdício de forças humanas. A regra dos trabalhadores salariados é não fazer tudo o de que são capazes. Porque os trabalhadores sabem que, se intensificam o trabalho para atender a uma demanda urgente, logo esse trabalho intenso ser-lhe-á exigido como regra. Com a abolição do salariado, o trabalho já não será visto como uma maldição da sorte, mas sim como o livre exercício de todas as faculdades do homem. Outra objeção apresenta-se contra os possíveis ociosos que não desejarão trabalhar. Não é por causa dos preguiçosos que uma comunidade será dissolvida; o negligente seria orientado a procurar seus camaradas que se acomodem à sua negligência. Uma sociedade comunista, se for suficientemente rica para não recusar o necessário, terá prazer em dá-lo aos preguiçosos. Mas haverá um ressentimento, e o preguiçoso seria orientado a procurar outras condições, ou constituir algum grupo conforme os seus princípios.  A abolição do salariado poria fim à distinção entre o trabalho manual e o intelectual. Tal distinção mantém todas as desigualdades da sociedade atual. Equivale a dividir a sociedade em duas classes: a aristocracia do saber e a plebe que a serve. Uma sociedade anarquista que proclama a igualdade e propõe que todos tenham direito à riqueza social (seja qual for sua contribuição para criá-la) irá abandonar o salariado. Sobre a ideia de se dividir a riqueza segundo o lema *a cada um conforme a sua necessidade*, o autor afirma que é impossível medir o trabalho pelos resultados ou pelas horas trabalhadas. Resta colocar as necessidades acima das obras e reconhecer a todos o direito à vida e ao bem-estar. Mais adiante, critica a divisão do trabalho, dando o exemplo do operário que dedica sua vida a fabricar bicos de alfinetes, e diz que tal situação é nociva à sociedade, e faz com que o homem perca o gosto pelo trabalho. Da mesma forma, a divisão por especialidades econômicas entre as nações. Kropotkin conclui falando sobre o desenvolvimento da indústria e da agricultura na Europa e suas implicações para o consumo, e cita exemplos de que a produção é suficiente para atender às necessidades de todos, mas sem os sacrifícios que o Estado e a burguesia impõem aos trabalhadores. 
Kropotkin – Resenha sobre a “Conquista do Pão”

“Aquelas pessoas que são contra o fascismo sem serem contra o capitalismo, que lamentam a barbárie que vem desse barbarismo, são como pessoas que querem comer sua carne de vitela sem matar o bezerro. Elas estão preparadas para comer a vitela, mas não gostam de ver o sangue. Elas facilmente se satisfazem se quem matou o bezerro lava suas mãos antes de pesar a carne. Elas não são contra as relações de propriedade que produzem a barbárie; elas somente são contra a barbárie em si. Elas levantam suas vozes contra a barbárie, e o fazem em países onde exatamente as mesmas relações de propriedade prevalecem, mas onde quem matou os bezerros novamente lava suas mãos antes de pesar a carne.”
- Bertolt Brecht

“O estado representa a violência de forma concentrada e organizada. O indivíduo tem uma alma, mas, o estado, sendo uma maquina sem alma, não poderá jamais renunciar a violência a qual se deve a sua existência”.
- Mahatma Gandhi

“Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.”
— Eça de Queirós

Não tome lados, somos todos UM. Não permita que suas opiniões e percepções da realidade te afastem da família humana.
- Liberte-se do Sistema

“Se não há justiça para o povo, que não haja paz para os governos”.
- Errico Malatesta

Sobre o Estado:
O Estado morre no momento em que as classes sociais morrem. No instante em que o poder político perde seu conteúdo de classe, então ele deixa de existir enquanto tal. Consequentemente o Estado deixa de existir enquanto tal, enquanto organismo de conciliação das classes (por coerção jurídica ou repressão policial) em favor de uma classe dominante. A regulação da produção perde seu caráter político em favor de seu caráter social: ao invés de servir a interesses partidários de classes particulares, serve às necessidades da comunidade democraticamente estabelecida. São os produtores associados entre si em cooperativas de produção que controlam o que é produzido, segundo um plano previamente estabelecido de acordo com suas necessidades e as necessidades dos outros produtores organizados com quem trocam. O plano econômico é a expressão final de uma democracia evoluída, de propriedade coletiva, baseada na livre-associação e não na servidão compulsória ao capital. Por isso a missão da ditadura do proletariado é aniquilar todas as condições sociais que dão ensejo à hegemonia de classe, cristalizadas na propriedade privada. O Estado proletário deve ser a última forma que o Estado assume antes de desaparecer. O fim do Estado não dá margem para o retorno ao liberalismo. Ao contrário, é sua manutenção que inicia a marcha para o liberalismo! E o primeiro sintoma de decadência da ditadura do proletariado é seu retrocesso ao capitalismo de Estado (como na China atual). No momento em que a ditadura do proletariado decai em capitalismo de Estado então ela já perdeu seu caráter socialista e o retorno ao liberalismo é questão de tempo, pois as relações capitalistas de produção, chamadas capital, abrem caminho ao seu pleno desenvolvimento, passando por cima de qualquer força política. O Estado proletário, que visa à planificação econômica e bem-estar do trabalhador, é incompatível com as relações sociais do capital. Estas só podem se expandir e atingir seu pleno desenvolvimento sob o liberalismo, caso contrário freiam o desenvolvimento das forças produtivas. As empresas se tornam pouco produtivas, pouco competitivas no mercado e tendem para a estagnação. Neste caso ou o Estado proletário aniquila as relações sociais do capital ou o capital aniquiliará o Estado. Não existe meio termo. Foi o que aconteceu nos regimes do socialismo real. Ao custo das desigualdades e da exploração vil o capital busca qualquer brecha para se desenvolver.
- Autor desconhecido

A diferença clave entre comunismo e anarquismo é que o primeiro passa por uma ditadura do proletário e o segundo não. Marx falava que depois do socialismo chegaria o comunismo, e este se daria sem estado.
- Desconhecido

“Se devo morrer por aquela fé, por aquele nobre e sublime ideal de justiça, fraternidade e liberdade social que abracei espontaneamente, que defendi e propaguei sempre por todas as partes, educando-me e instruindo-me, posso gritar bem alto que morro altivo e orgulhoso.”
- Nicolas Sacco

“A Ditadura perfeita terá aparências de democracia… uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão sequer com a fuga. Um sistema de escravidão onde, graças ao consumo e divertimento os escravos terão amor à escravidão do trabalho”
- Aldous Huxley

“Que bosta, uma geração inteira enchendo tanques de gasolina, servindo mesas, ou escravos dos colarinhos brancos. Os anúncios nos fazem comprar carros e roupas, trabalhar em empregos que odiamos para comprar as porcarias que não precisamos. Somos uma geração sem peso na história, cara. Sem propósito ou lugar. Nós não temos uma Grande Guerra. Nem uma Grande Depressão.
Nossa Grande Guerra é a guerra espiritual… Nossa Grande Depressão é nossas vidas.  Todos nós fomos criados vendo televisão para acreditar que um dia seríamos milionários, deuses do cinema, estrelas do rock… Mas nós não somos. Aos poucos vamos tomando consciência disso. E estamos ficando revoltados…”
- Tyler Durden

“A única igreja que ilumina é a que queima.”
- Priotr Kropotkin

 “Eu me utilizo de todos os meios da Sociedade de consumo, penetro no Sistema, mas como um veneno.”
- Raul Seixas

“Não nasci para ser forçado a nada. Respirarei a meu próprio modo.”O Anarquismo, apesar de suas muitas variantes nada mais é do que um sistema de filosofia social, que sugere mudanças básicas na estrutura da sociedade e, principalmente – pois esse é o elemento comum a todas as formas de anarquismo – , a substituição do estado autoritário por alguma forma de cooperação
não-governamental entre indivíduos livres.
Henry Thoreau

“Os seres humanos devem reunir-se não para impor, mas para questionar. A verdade dispensa o auxílio de multidões comandadas.
- William Godwin

“Se esperança houvesse, devia estar nos proles, porque só neles, naquela massa desdenhada, formigante, 85% da população da Oceania, podia se gerar força suficiente para destruir o Partido. O Partido não poderia ser derrubado de dentro. Seus inimigos, se é que tinha inimigos, não tinham modo de se reunir, nem mesmo de se identificar. Mesmo que existisse a legendária Fraternidade, como era possível que existisse, era inconcebível que os seus membros pudessem jamais se reunir em grupos maiores que dois ou três. A rebelião revelava-se num olhar, numa inflexão da voz; no máximo, num cochicho ocasional. Mas os proles, se de algum modo adquirissem consciência do seu poderio, não precisariam conspirar. Bastava-lhes levantarem-se e sacudir-se, como um cavalo sacode as moscas. Se o quisessem, poderiam demolir o Partido no dia seguinte.”
- George Orwell

Elogio da Dialética
“A injustiça passeia pelas ruas com passos seguros.
Os dominadores se estabelecem por dez mil anos.
Só a força os garante.
Tudo ficará como está.
Nenhuma voz se levanta além da voz dos dominadores.
No mercado da exploração se diz em voz alta:
Agora acaba de começar:
E entre os oprimidos muitos dizem:
Não se realizará jamais o que queremos!
O que ainda vive não diga: jamais!
O seguro não é seguro. Como está não ficará.
Quando os dominadores falarem
falarão também os dominados.
Quem se atreve a dizer: jamais?
De quem depende a continuação desse domínio?
De quem depende a sua destruição?
Igualmente de nós.
Os caídos que se levantem!
Os que estão perdidos que lutem!
Quem reconhece a situação como pode calar-se?
Os vencidos de agora serão os vencedores de amanhã.
E o “hoje” nascerá do “jamais”.”
- Bertolt Brecht

“Acreditamos que todas as religiões passadas e presentes foram tanto revelações progressivas e historicamente necessárias não da Divindade, mas da própria Humanidade, das próprias consciência e inteligência humanas. Nestes tempos remotos onde a inteligência ainda pouco desenvolvida do homem agia muito mais como imaginação que como razão, ele não atingia a compreensão sucessiva da terra e de si próprio a não ser por uma teologia fictícia. Cada povo e cada época criaram um Deus à sua imagem. Tal Deus, e tal tempo, e tal povo. Deus era e ainda é o homem refletindo-se na sua mais pura essência, no seu ideal: é a reverberação da humanidade num céu imaginário. Cada nova religião foi, assim, ao mesmo tempo um ato de força e de fraqueza, um progresso e uma estagnação. Alargando o seu ideal, sua representação de si própria através e sob a forma de uma nova religião, aperfeiçoando seu Deus, a humanidade fazia prova de potência. Mas ela revelava ao mesmo tempo sua fraqueza, transportando para fora de si, para as regiões celestes, este Deus, sua própria criação. Ela não ousava ainda reconhecer-se e apropriar-se de seu próprio bem e de sua obra. Ela divinizava sua própria natureza, sua própria essência e, prosternando-se frente a si própria no céu, desprezava-se sobre a terra. Suas próprias virtudes, suas próprias claridades e potência, ela as dava ao seu Deus, reservando para si somente a impotência, a ignorância e a miséria: incapaz de conduzir-se por si próprio, carente da tutela divina e condenado, por conseguinte, a uma infância e a uma dependência eternas nesta terra.”

-M. Bakunin

No reino da fábula, todos os jardins maravilhosos, todos os palácios encantados, são guardados por dragões ferozes. O dragão que está à porta do palácio da anarquia nada tem de terrível: é apenas uma palavra.
- Elisée Reclus

QUEM FOI CHE???
Com bases cientificas históricas. 
Bom creio ser errado pensar num aspecto MANIQUEISTA sobre a figura de Che. Ele – como todo mundo – apresenta dois lados(ou mais lados): 
- IDEALISTA: nesse aspecto podemos perceber que ele larga sua vida de classe media alta na Argentina para lutar em prol de uma causa: acabar com a miséria na América Latina. Essa miséria era atribuída por Che ao IMPERIALISMO NORTE AMERICANO, então ele lutou contra isso e por uma CAUSA EM QUE ACREDITAVA. É de se louvar alguém que sai da poltrona confortável de sua casa e vai em luta de um ideal. 
- ASSASSINO A SANGUE FRIO: pois bem, como todo ser humano, Che deixou-se levar pela empolgação e acabou por SE TRANSFORMAR NO QUE MAIS ODIAVA. Ele sempre foi contra figuras opressoras e lutava a favor da liberdade, porém ele acabou -em nome da revolução- tornando-se um ditador. Sempre que desconfiava de alguém, MATAVA, SENDO ELE O ADVOGADO, JUIZ E EXECUTOR da pena. Nisso ele matou mais de 200 pessoas nos primeiros meses pós revolução cubana. Acostumou-se e perdeu seu rumo…Como ADMINISTRADOR FOI UM FRACASSO TOTAL, ele recebeu de Fidel a incumbência de cuidar das finanças de Cuba e arrebentou-a devido a maus planejamentos e cuba ficou dependente da mesada da URSS até a década de 90. Ainda por cima tem o fator de que ele acabou se enfiando em tudo que é revolução, e todas demais foram fracassadas, inclusive, em sua ultima na Bolívia ELE FOI ENTREGUE PELOS PRÓPRIOS COMPANHEIROS, visto que eles não gostavam do jeito autoritário de Che, assim o entregaram ao exercito inimigo, pelos qual foi morto. Ele se perdeu no sentido de “o que é uma revolução.”
-HOJE: bom, hoje ele deve estar se retorcendo no túmulo, afinal se tornou um ÍCONE POP, para jovens que buscam uma ideologia, não a tem, não sabem bem o que querem da vida, mas se dizem rebeldes (sem causa, mas rebeldes rsrsr) e ai vem o pior…CONTRIBUEM PARA O CAPITALISMO AS CUSTAS DA IMAGEM DE GUEVARA COMPRANDO AS CLÁSSICAS CAMISAS COM SEU ROSTO…rsrsrsrs, como a História é interessante, curiosa e por muitas vezes engraçada. Ainda por cima, esses jovenzinhos que se dizem “fãs dele’” sequer estudam para saber o minimo da vida e da historia do Guevara. 
Eu, particularmente, o admiro por sua perspicácia, idealismo, revolucionário e libertário que foi! Poucos tiveram sua coragem!
- EuSouVcEmMimNós

O Anarquismo, apesar de suas muitas variantes nada mais é do que um sistema de filosofia social, que sugere mudanças básicas na estrutura da sociedade e, principalmente – pois esse é o elemento comum a todas as formas de anarquismo, a substituição do estado autoritário por alguma forma de cooperação não-governamental entre indivíduos livres.
Autor desconhecido

“Esta é só a terra do Faça-como-Queira. Anarquia significa “sem líderes”, não “sem ordem”. Com a anarquia vem uma idade de Ordung, de verdadeira ordem, ou seja, ordem voluntária. Esta idade de Ordung começará quando o louco e incoertente ciclo de Verwirrung que estes boletins revelam tenha terminado seu curso. Isso é caos.”
— Alan Moore, V de Vingança (1983)

O que diferencia a tática do quebra-quebra do vandalismo é o seu alvo: o vandalismo tem como alvo pessoas inocentes. O quebra-quebra que responda à violência policial deve ser aquele que somente ataca os símbolos burgueses e latifundiários.  Saudações! Desenvolver o protesto popular! Contra o Estado Burguês, rebelar-se é justo!
- Xavier

É muito estranha esta nossa adoração dos exemplos, modelos, dos ídolos. Não queremos o que é puro, verdadeiro em si mesmo; queremos intérpretes, exemplos, mestres, gurus, para, por seu intermédio, alcançarmos alguma coisa – e tudo isso é puro absurdo, um meio de explorar a outros. Se cada um de nós fosse capaz de pensar claramente desde o começo, ou de reeducar-se para pensar claramente, todos esses exemplos, mestres, gurus, sistemas, se tornariam completamente desnecessários, como realmente são.
- J.Krishnamurti

Reconhecimento ou mérito(meritocracia)
Não há declaração mais errônea do que “Esta ideia é minha.” Tais noções são subprodutos de uma cultura materialista, reforçada pela busca de recompensas(geralmente financeiras), em troca da ilusão da “posse de criações. Há, constantemente, o reforço do “ego” e de vaidades, em frequentes reivindicações por “prestígio” e “crédito”.
- Desconhecido

“E dizer que há entre nós democratas que pretendem que o governo prevaleça; socialistas que sustentam esta ignomínia em nome da liberdade, da igualdade e da fraternidade; proletários que admitem sua candidatura à presidência! Hipocrisia!…”
- Pierre Joseph Proudhon

“Vocês podem ter enforcado em Chicago, decapitado na Alemanha, garroteado em Jerez, fuzilado em Barcelona, guilhotinado em Montbrison e Paris, mas nunca conseguirão acabar com o anarquismo. Suas raízes são demasiadamente profundas, ele nasceu no coração de uma sociedade que está apodrecendo e se desintegrando. Representa todas as aspirações libertárias e igualitárias que se levantam contra a autoridade. Está em toda parte, o que faz que seja impossível controlá-lo. Acabará por matá-los a todos!”
-Emile Henry, in A Gazeta dos Tribunais, 27-28 de Abril de 1894.

“A anarquia é a abolição do roubo e da opressão do homem pelo homem, quer dizer, a abolição da propriedade individual e do governo; a anarquia é a destruição da miséria, da superstição e do ódio. Portanto, cada golpe desferido nas instituições da propriedade individual e do governo, é um passo rumo à anarquia, assim como cada mentira desvelada, cada parcela de atividade humana subtraída ao controle da autoridade, cada esforço tendendo a elevar a consciência popular e a aumentar o espírito de solidariedade e de iniciativa, assim como a igualar as condições.”
Errico Malatesta

A desobediência civil é um direito intrínseco do cidadão. Não ouse renunciar,se não quer deixar de ser homem. A desobediência civil nunca é seguida pela anarquia. Só a desobediência criminal com a força. Reprimir a desobediência civil é tentar encarcerar a consciência.
- MAHATMA GANDHI

“O AnarcoCapitalismo está para o Anarquismo assim como Emo está para Punk.”
- Henrique Xavier

“Nenhum Estado e nenhuma república, por mais vermelha que seja pintada, poderá dar ao povo o que ele mais precisa: a liberdade. Todos os Estados, inclusive o Estado socialista que tu falas, são baseados, todos eles, na força.”
- Mikhail Bakunin (para Karl Marx, em diálogo imaginário)

Não somos anarquistas, nem comunistas. Não somos ateus, nem cristãos, espiritas e etc. Não somos brasileiros, gaúchos, cariocas, ou paulistas, mineiros… Nós simplesmente somos, e nada mais. Rotular é limitar o que simplesmente É. Simplesmente seja, não se aprisione em conceitos e rótulos pré estipulados. As palavras servem apenas para o bem da expressão de um significado. O que quero destacar é que não é a palavra que importa, mas o significado. Nós somos o que somos. Somos vários e somos diferentes, mas também somos UM e somos iguais.
Tudo depende de por onde você está olhando. Por esse motivo, busque o significado, e não o rótulo.
- Liberte-se do Sistema

A anarquia surge dentro do não-cotidiano. Fora das rédeas da identificação nominal ou até mesmo subjetiva (meu nome; alternativo; revolução). Ela já é real, dentro e fora de cada organismo vivo, presente em todo o cosmos. Para percebe-la, mesmo que por um instante, você terá que ser capaz de não ser você. Tornando-se testemunha da silenciosa não-forma anarquista presente na vida. Estrelas, gravidade, substancias químicas regidas por uma energia cósmica consciente? Isto é além de divino, harmonioso. E tudo o que “É”, por si só, é além da doutrina, do subjetivo, da expectativa. Todas as coisas que formam este presente, são de certa forma anti-autoritárias. Em suma, a nossa presença como “indivíduos” nos torna autoritários. Aprendemos desde o nosso nascimento, neste planeta, coisas que precisamos por um instante, deixar de lado, principalmente o nome, escolhas, passado, e tudo o que está presente como “identificação”. É neste instante que a anarquia, para além da palavra, é percebida.
- Alberto André

“Votar significa abrir mão do próprio poder.
Eleger um senhor, ou muitos senhores, seja por longo ou curto prazo, significa entregar a outra pessoa a própria liberdade. Chamado monarca absoluto, rei constitucional ou simplesmente primeiro ministro, o candidato que levamos ao trono, ao gabinete ou ao parlamento sempre será o nosso senhor. São pessoas que colocamos “acima” de todas as leis, já que são elas que as fazem, cabendo-lhes, nesta condição, a tarefa de verificar se estão sendo obedecidas. Votar é tão tolo quanto acreditar que os homens comuns como nós, sejam capazes, de uma hora para outra, num piscar de olhos, de adquirir todo o conhecimento e a compreensão a respeito de tudo. E é exatamente isso que acontece. As pessoas que elegemos são obrigadas a legislar a respeito de tudo o que se passa na face da terra: como uma caixa de fósforos deve ou não ser feita, ou mesmo se o país deve ou não guerrear; como melhorar a agricultura, ou qual deve ser a melhor maneira para exterminar um povoamento de indígenas ou de negros. É muito provável que se acredite que a inteligência destas pessoas cresça na mesma proporção em que aumenta a variedade dos assuntos com os quais elas são obrigadas a tratar. Porém, a história e a experiência mostram-nos o contrário. O poder exerce uma influência enlouquecedora sobre quem o detém e os parlamentos só disseminam a infelicidade. Nas assembleias acaba sempre prevalecendo fatalmente a mediocridade. Votar significa formar traidores, fomentar o pior tipo de deslealdade. Certamente os eleitores acreditam na honestidade dos candidatos e isto perdura enquanto durar o fervor e a paixão pela disputa. Todo dia tem seu amanhã. Da mesma forma que as condições se modificam, o homem também se modifica. Hoje seu candidato se curva à sua presença; amanhã ele o esnoba. Aquele que vivia pedindo votos transforma-se em seu senhor. Como pode um trabalhador, que você colocou na classe dirigente, ser o mesmo que era antes já que agora ele fala de igual para igual com os opressores? Repare na subserviência tão evidente em cada um deles depois que visitam um importante industrial, ou mesmo o Rei em sua ante-sala na corte! A atmosfera do governo não é de harmonia, mas de corrupção. Se um de nós for enviado para um lugar tão sujo, não será surpreendente regressarmos em condições deploráveis. Por isso, não abandone sua liberdade. Em vez de incumbir os outros pela defesa de seus próprios interesses, decida-se: Não vote, aja! Em vez de tentar escolher mentores que guiem suas ações futuras, seja seu próprio condutor. E faça isso agora! Homens convictos não esperam muito por uma oportunidade. Colocar nos ombros dos outros a responsabilidade pelas suas ações é covardia.”
- Élisée Reclus.

capacidade de lembrar-se e raciocinar corretamente não sofre redução perceptível; (2) as percepções visuais tornam-se grandemente intensificadas, deslingando-se o percebido (senso) descrição conceptual automática, reduzindo-se também o interesse por exploração do espaço; (3) reduz-se a inquietação e a atividade motora voluntária; (4) Ocorrem percepções sucessivas e simultâneas do exterior / interior insenta de angústias.
- Aldous Huxley sobre a Mescalina(alucinógeno natural extraível do cacto peiote)

“O único tirano que aceito neste mundo é a voz interior, suave e serena. ”
- Mahatma Gandhi

“A única igreja que ilumina é a que queima.”
— Priotr Kropotkin

“Marx assinalou que, entre o domínio do capitalismo e a organização final de uma humanidade livre, haveria um período de transição no qual o proletariado seria dono da sociedade, mas a burguesia ainda não teria desaparecido. Ele denominava esse período ditadura do proletariado. Na sua época esta palavra ainda não tinha a repercussão sinistra que lhe deram os modernos sistemas de despotismo, e não podia ser utilizada equivocadamente para designar a ditadura de um partido no poder, como ocorreu na Rússia. Significava apenas que o poder dominante sobre a
sociedade passava da classe capitalista à proletária. Posteriormente, pessoas imbuídas da concepção do parlamentarismo tentaram materializar esta ideia suprimindo o direito das classes possuidoras de formar grupos políticos. É evidente que esta violação do sentimento instintivo da igualdade de direitos entrava em contradição com a democracia. Vemos hoje que a organização dos conselhos põe em prática o que Marx antecipou em teoria e que, naquela época, ainda não podia ser concebida na prática. Quando os próprios produtores organizam a produção, a antiga classe exploradora fica automaticamente excluída da participação nas decisões, sem necessidade de processo nem julgamento. A concepção marxiana da ditadura do proletariado se mostra idêntica a democracia proletária da organização dos conselhos.”
- Anton Pannekoek (Conselhos Operários, 1934)

“Esta é só a terra do Faça-como-Queira. Anarquia significa “sem líderes”, não “sem ordem”. Com a anarquia vem uma idade de Ordung, de verdadeira ordem, ou seja, ordem voluntária. Esta idade de Ordung começará quando o louco e incoertente ciclo de Verwirrung que estes boletins revelam tenha terminado seu curso. Isso é caos.”
— Alan Moore, V de Vingança (1983)

“Religião é um insulto à dignidade humana. Com ou sem ela teríamos pessoas boas fazendo o bem e pessoas más fazendo o mal. Mas para pessoas boas fazerem coisas más é necessária a religião.”
- Steven Weinberg (físico ganhador do Prêmio Nobel)

“Para o Estado, é indispensável que ninguém tenha uma vontade própria. Se alguns a possuíssem, seria preciso excluí-los, prendê-los ou bani-los. Se todos a possuíssem, o Estado acabaria.”
Max Stirner - O ego e o que a ele pertence

“De todas as teorias, a Anarquia é a única a proclamar que a sociedade deve estar ao serviço do homem e não o homem ao serviço da sociedade. O único fim legítimo da sociedade é o de acudir ás necessidades do indivíduo e de o ajudar a realizar os seus projetos. Só então ela se justifica e participa no progresso da civilização e da cultura. Eu sei que os representantes dos partidos políticos e os homens que lutam selvaticamente pelo poder me classificarão de anacronismo incorrigível. Pois bem, eu aceito alegremente esta acusação. É para mim um conforto saber que a sua histeria é falha de paciência e que os seus elogios são sempre temporários. O homem deseja libertar-se de todas as formas de autoridade e de poder e não serão os discursos fragorosos que o impedirão de quebrar sempre as suas grilhetas. Os esforços do homem devem prosseguir e prosseguir-se-ão.”
- Emma Goldman

”Exceto o louco, todo homem é capaz de razão e de vontade. Mas muitos não escutam mais que suas paixões e não têm mais que caprichos. Entre eles se encontram os que têm a pretensão de mandar.”
— Han Ryner

“Os anarquistas [...] sempre acreditaram que o controle sobre a própria vida produtiva é a condição sine qua non de toda libertação humana verdadeira, de fato de toda prática democrática significativa. Portanto, enquanto houverem cidadãos estando obrigados a alugarem a si próprios no mercado de mão de obra para quem interesse empregá-los em seus negócios, enquanto a função do produtor estiver limitada a ser utensílio subordinado, existirão elementos coercitivos e de opressão francamente escandalosos, condições tais que não permitem nem sequer falar em democracia, se é que há sentido em fazê-lo todavia.”
- Noam Chomsky

“Fascismo deveria ser chamado corporatismo, porque é a fusão entre o estado e o poder corporativo.”
- Benito Mussolini

“os anarquistas almejam a abolição de todos os monopólios econômicos, e a propriedade coletiva da terra e de todos os meios de produção, para que estejam a disposição de todos sem distinção; a liberdade pessoal e social é concebível apenas em uma base de igualdade econômica para todos.

Dentro do movimento socialista os anarquistas adotam o ponto de vista de que a guerra contra o capitalismo precisa ser ao mesmo tempo uma guerra contra todas as instituições que representam alguma forma de poder político, pois a história da exploração econômica sempre andou lado a lado com a opressão política e social. A exploração do homem pelo homem e a dominação do homem sobre o homem são inseparáveis, uma não existe sem a outra.”
- RUDOLF ROCKER

Nós fomos “programados” biologicamente, fisicamente, e, também, “programados” mentalmente, intelectualmente. Devemos estar cientes de que fomos programados como um computador. Os computadores são programados por especialistas para produzirem os resultados que eles desejam. O homem foi programado para ser católico, protestante, para ser italiano ou inglês, e assim por diante. Durante séculos ele foi programado – para acreditar para ter fé, para seguir certos rituais, certos dogmas; programado para ser nacionalista e ir à guerra. Desse modo, o seu cérebro tornou-se tal como um computador, embora não tão capaz, porque o seu pensamento é limitado. Perceba o que isso significa: isso significa que você não é mais um indivíduo. Isso é muito duro de aceitar, porque nós fomos programados religiosamente para pensar que temos almas separadas de todos os demais. Sendo programado, o nosso cérebro trabalha do mesmo modo há muitos séculos. Temos que aprender a ver as coisas como elas são na realidade – não como fomos programados para olhar!!!
- Krishnamurti ****Desprograme-se****

“A minha pátria é o mundo, e a minha religião a prática do bem”
- Thomas Paine

“”A única alternativa é a utopia ou o caos. (…) os sintomas do desmonte da civilização podem ser vistos por todas as partes e são bem mais agudos que os que se perceberam nos últimos anos do império romano. Por outro lado, nem todos estes sintomas são necessariamente patológicos. O mundo contemporâneo se vê afetado por duas tendências opostas: uma que tende a sua destruição social, outra que anuncia o nascimento de uma nova sociedade”
— Kenneth Rexroth

“Detesto o comunismo porque trata-se da negação da liberdade e eu não posso conceber nada humano sem a liberdade. Não sou comunista ainda porque o comunismo concentra e absorve todas as forças da sociedade nas mãos do Estado, enquanto eu quero a abolição do Estado – a extirpação radical da autoridade e da tutela do Estado, que, sob o pretexto de moralizar e civilizar os homens, até hoje só os aviltou, oprimiu, explorou e depravou. Quero a organização da sociedade e da propriedade coletiva ou social de baixo para cima, pelo caminho da livre associação, e não de cima para baixo, por meio de qualquer autoridade seja ela qual for. É nesse sentido que eu sou coletivista e de nenhuma maneira comunista”.
- Bakunin

“Um grama de ação vale mais do que uma tonelada de teoria.”
― Friedrich Engels

Liberdade é algo físico e abstrato,ao mesmo tempo exterior e interior.Há prisões de concreto e de pensamentos/sentimentos.Os filósofos costumam dizer que ter a mente livre é tomar como duvidoso e mutável tudo o que assim parece ser,e tomar como verdadeiro apenas o que evidentemente não pode ser contestado.E na nossa liberdade física,moldada pelo Estado,há muito o que cobrar e contestar.
- Desconhecido

“Os anarquistas estão certos , na negação da ordem existente,. Erram somente em pensar que a anarquia possa ser instituída por uma revolução. Ela vai ser instituída somente quando houver mais e mais pessoas que não exigem a proteção do poder público . Só poderá haver uma revolução permanente se esta for uma revolução moral: a regeneração do homem interior.”
- Leon Tolstoi

“Como nunca fue genial, no tuvo enemigos”
- Oscar Wilde

“Eu tendo a idéia anarquista (…), que devemos nos unir e pensarmos, como nos preocupar com todos através do trabalho em equipe.”
— Richard Stallman

“Todas as tiranias exercem o controle através da força e da mentira, mas quando a mentira é exposta, eles dependem exclusivamente da força.”
- George Orwell

Todos os partidos são variantes do absolutismo. Não fundaremos mais partidos; o Estado é o seu estado de espírito.
- Raul Seixas

“Uma defensa do Estado argumenta que o homem é um “animal social”, que deve viver em sociedade, e que individualistas e libertários crêem na existência de “indivíduos atomizados” sem influenciar e sim manter relação com seus semelhantes. No entanto, os libertários nunca celebraram indivíduos isolados como os átomos, pelo contrário, todos os libertários têm reconhecido a necessidade e as enormes vantagens da vida em sociedade, de participar na divisão social do trabalho. O grande equívoco cometido pelos defensores do Estado, incluídos os filósofos aristotélicos e tomistas clássicos, é saltar da necessidade da sociedade para a necessidade do Estado.”
— Murray Rothbard

“O melhor governo é o que não governa em absoluto.”
— Henry David Thoreau

“Os grandes só nos parecem grandes porque estamos de joelhos. Levantemo-nos.”
― Pierre-Joseph Proudhon

“Queres fazer impossível que alguém oprima a seu semelhante? Então te assegura que ninguém possua o poder.”
— Gregori Maximoff

“É melhor morrer de pé do que viver de joelhos.”
— Emiliano Zapata

“A virtude pode florescer somente entre os iguais.”
— Mary Wollstonecraft, Reivindicação dos direitos dos homens (1790)

“Nossa Pátria é o mundo inteiro, nossa Lei é a Liberdade.”
Pietro Gori, Canção anarquista de fins do século XIX

“Ao menino de 1918 chamavam anarquista. Porém meu ódio é o melhor de mim. Com ele me salvo e dou a poucos uma esperança mínima.”
— Carlos Drummond de Andrade, A flor e a náusea (1945)

“Não é porque imaginamos os homens melhores do que são, que falamos de comunismo e anarquia. Se existissem anjos entre nós, poderíamos confiar-lhes a tarefa de nor organizar. E ainda assim os chifres cresceriam neles muito rápido! Mas é precisamente porque vemos os homens tais como são, que concluímos: “Não confiai-lhes a responsabilidade de vos governar. Tal ministro abjeto seria, talvez, um excelente homem se não lhe tivessem dado o poder. O único meio de chegar à harmonia dos interesses é a sociedade sem exploradores, sem governantes. Precisamente porque não existem anjos entre os homens, dizemos: fazei de tal modo que cada homem veja seu interesse nos interesses dos outros, então, não tereis mais a temer suas más paixões.”
-Piotr Kropotkin

“Estamos usando nosso cérebro de maneira excessivamente disciplinada, pensando só o que é preciso pensar, o que se nos permite pensar.”
— José Saramago, Palestra “Literatura e poder. Luzes e sombras”, Universidade Carlos III, Madrid, Espanha (2004)

“Me tornei um anarquista apenas recentemente. Não o era até a metade de 1891 quando me lancei no movimento revolucionário. Antes, eu vivi nos meios sociais que estavam permeados com a moralidade vigente. Me acostumei a respeitar e mesmo compartilhar dos princípios de nação, família, autoridade e propriedade. Mas aqueles que estão educando a geração atual, quase todos se esqueceram de uma coisa – que a vida é indiscreta com suas lutas e conflitos, suas injustiças e desigualdades, vejo que é assim que a venda é removida dos olhos do ignorante (…) A mim, me foi dito que essa vida era fácil e amplamente aberta às pessoas inteligentes, e a experiência me mostrou que só os cínicos e os lacaios podem conseguir um bom assento no banquete.”
— Émile Henry, A defesa de um terrorista (1893)

“Somente os anarquistas haverão de saber que somos anarquistas e lhes pediremos que não se chamem assim para que não assustem os imbecis.”
— Ricardo Flores Magón

”A anarquia ostenta duas faces. A de Destruidores e a de Criadores. Os Destruidores derrubam impérios, e com os destroços, os Criadores erguem Mundos Melhores.”“
— Alan Moore, V de Vingança (1983)

“Na casa de um rico não há lugar para se cuspir, a não ser em sua cara.”
— Diógenes de Sínope

“Não devemos perder de vista que a religião era uma das melhores armas nas mãos de nossos tiranos, um de seus dogmas primordiais era: ‘Dai a César o que é de César’. Mas nós derrubamos César do trono e não queremos dar-lhe mais nada.”
— Donatien Alphonse François de Sade

“A única alternativa é a utopia ou o caos. (…) os sintomas do desmoronar da civilização podem ser vistos por todas as partes e são bem mais agudos que aqueles percebidos nos últimos anos do império romano. No entanto, nem todos estes sintomas são necessariamente patológicos. O mundo contemporâneo se vê afetado por duas tendências opostas: uma que tende a sua destrução social, a outra que anuncia o nascimento de uma nova sociedade.”
— Kenneth Rexroth

“Somos anarquistas e defendemos a Anarquia sem adjetivos. Anarquia é um axioma e a questão econômica é algo secundário. Alguns nos dirão que é por causa da questão econômica que a Anarquia é uma verdade; mas acreditamos que ser anarquista significa ser inimigo de toda autoridade e imposição e, por conseqüência, seja qual for o sistema proposto a melhor defesa da anarquia, não desejando impô-la sobre aqueles que não o aceitam.”
— Fernando Tarrida del Mármol, Letter to Le Révolte, 1890.

Socialismo é um termo fundamentado por Orwel e Saint Simon, no qual eles definiram o socialismo como o regime de justiça social sem coerção e com total apreço as valorações individuais e coletivas de um ser. Estes foram chamados de socialistas utópicos Felipe Santana, os anarquismo é um vertente do socialismo que surgiu com Proudhon e Bakunin, Proudhon foi o primeiro a se dizer corajosamente anarquista, onde defendia o mutualismo e o federalismo, que são valorações coletivas e individuais de um ser, que preza o bem social e a justiça social, além de ser aquele que deu forma concreta ao termo “capitalismo” como a exploração da classe trabalhadora. Proudhon é o percursor do pensamento antagônico social do socialismo e capitalismo. Bakunin se baseando nas concepções federalistas de Proudhon foi além e concebeu uma práxis revolucionária anarquista, na qual ele chama de Revolução Social Anarquista ou então Revolução Violenta, donde o mesmo afirma que destruição do Estado servirá para a implantação de um socialismo de liberdade igualdade e justiça. O socialismo no qual vocês estão criticando é aclamado como marxismo-leninismo ou então bolchevismo, que se baseia em uam teoria partidaria revolucionária hierárquica. O que existe é uma hegemonia do termo socialismo para somente essa vertente do pensamento revolucionário social, mas a verdade é que o anarquismo é fundamentado em práticas socialistas, e as práticas socialistas como um todo não são hegemonia leninista. O socialismo não é uma práxis revolucionária, é um pensamento social de “costas largas”, tentei explicar isso fazendo todo um resgate histórico do socialismo e do anarquismo. No entanto se quiserem continuar a estudar lhes recomendo livros do Felipe Correa ou do Wan der Vaart. No socialismo hegemônico, aquele difundido pela mídia como o “único” socialismo tem estado e hierarquia. O anarquismo é um socialismo. Pertencente a corrente socialista libertária.
- Guilherme Wagner

“Liberdade! Salve a Liberdade e a Liberdade salvará tudo mais!”
— Victor Hugo

“Nunca sacrificou o homem voluntariamente sua liberdade em benefício público! A natureza não criou nem servo, nem senhor! Jamais quis dar ou aceitar leis! Com suas mãos trançaria as entranhas de um padre tal qual corda para estrangular reis.”
— Denis Diderot, “Les Éleuthéromanes”, em Poésies Diverses (1875)

“O anarquismo é realmente um sinônimo de socialismo. O anarquista é primeiramente um socialista cujo objetivo é a abolição da exploração do homem pelo homem. Em vez da “planificação central”, os anarquistas advogam pela livre associação e se opõem ao socialismo “de estado” como uma forma de capitalismo “de estado”“
— Daniel Guérin

“Anarquismo não é uma fábula romântica mas a realização consciente, baseada em cinco mil anos de experiência, de que não podemos confiar o gerenciamento de nossas vidas à reis, padres, políticos, generais e executivos”
— Edward Abbey, A Voice Crying in the Wilderness (1989)

“É a democracia, tal como a conhecemos, a melhor possibilidade em matéria de governo? Não é possível dar um passo mais em direção ao reconhecimento e a organização dos direitos do homem? Nunca poderá haver um Estado realmente livre e iluminado até que não se reconheça ao indivíduo como poder superior independente de quem deriva e a quem lhe cabe sua própria autoridade, e, em consequência, lhe de o tratamento correspondente.”
— Henry David Thoreau

“As leis e as constituições que pela violência governam aos povos são falsas. Não são filhas do estudo e do comum ascenso dos homens. São filhas de uma minoria bárbara, que se apoderou da força bruta para satisfazer sua ganância e sua crueldade.”
— Rafael Barrett

“Anarquista é, por definição, aquele que não quer ser oprimido, nem deseja ser opressor; é aquele que deseja o máximo bem-estar, a máxima liberdade, o máximo desenvolvimento possível para todos os seres humanos.”
— Errico Malatesta

“O mundo não é. O mundo está sendo. Como subjetividade curiosa, inteligente, interferidora na objetividade com que dialeticamente me relaciono, meu papel no mundo não é só o de quem constata o que ocorre, mas também o de quem intervém como sujeito de ocorrências. Não sou apenas objeto da História, mas seu sujeito igualmente. No mundo da História, da cultura, da política, constato não para me adaptar, mas para mudar”.
- Paulo Freire

“Alguns dizem que o Anarquismo não é socialismo. Isto é um erro. O anarquismo é socialismo voluntário. Existem dois tipos de Socialismo: o arquista e o anarquista, o autoritário e o libertário, o ‘de estado’ e o livre.”
— Joseph Labadie

“As revoluções sangrentas são freqüentemente necessárias, graças à estupidez humana, e, no entanto, jamais deixam de ser um erro, um erro monstruoso e um grande desastre, não só para suas vítimas como para a pureza e a perfeição das causas que se propõem defender”.
- Mikhail Bakunin

“Quanto mais o homem se torna consciente, através da reflexão, da sua condição servil, quanto mais ele se indigna com ela, mais o espírito anarquista da liberdade se aviva dentro dele. Esta é uma verdade dentro de cada homem e de cada mulher, mesmo que talvez eles nunca tenham ouvido antes a palavra “anarquismo”.”
— Nestor Makhno, O ABC do Anarquista Revolucionário (1932).

“Uma ideia nova nunca pode caminhar dentro da lei. Pouco importa se esta idéia diz respeito às mudanças políticas ou sociais, ou a qualquer outro domínio de pensamento e expressão humana – a ciência, literatura, música; na realidade, tudo aquilo que se direciona a liberdade, regozijo e à beleza, tem que se negar a caminhar dentro da lei. Como poderia ser diferente? A lei é estacionária, fixa, mecânica, ‘uma roda de biga’ que esmaga tudo pela frente, sem levar em conta a hora, lugar e condições, sem levar em conta causa e efeito, sem nunca entrar nas minúcias da alma humana.”
— Emma Goldman

“Se as gravadoras não levam meu trabalho para as rádios, se ele não toca em nenhum lugar, para que eu faço música? Não tive e nem vou ter nenhum retorno financeiro com minha obra, mas meu prazer, minha alegria, continua sendo tocar. Por isso, as minhas músicas eu quero mais é que sejam pirateadas. Quero mais é que as pessoas toquem, ouçam, a conheçam. E pra mim, quem reclama da pirataria é quem faz música apenas para vender. Meu valor não são as notas de dinheiro. São as notas musicais”
- Hermeto Pascoal

“Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana.”
— Mikail Bakunin

“As ruínas não nos assustam nenhum pouco. Vamos herdar a terra. Não há menor dúvida quanto a isso. A burguesia pode derrubar e converter em ruínas seu próprio mundo antes que abandone a cena da história. Levamos um mundo novo em nossos corações, um mundo que está crescendo neste instante.”
— Buenaventura Durruti

“A luta deles é para segregar, a nossa luta é para unificar. Nossa luta não é a luta do contrapoder: é a luta do antipoder.”
— John Holloway

“A minha pátria é o mundo, e a minha religião a prática do bem. ”
- Thomas Paines

Quem tem Senhor é escravo. O pior tipo de escravidão, que é o mais dissimulado, é a escravidão mental: nela, o escravo, não desconfia que é prisioneiro, pois as correntes são invisíveis. Estes grilhões são os preconceitos e mitos criados em épocas aonde a maior parte das pessoas eram analfabetas e submissas, sem nenhum conhecimento científico nem capacidade de raciocínio autônomo.
- Desconhecido

A propriedade do Estado é a miséria da nação real, do povo; a grandeza e o poderio do Estado resultam da escravidão do povo. O povo é, de resto, o inimigo natural e legítimo do estado; e como ele se submete, o que aliás acontece muitas vezes, às autoridades, todo o poder se lhe torna odioso. O Estado não é Pátria: é a abstração, a ficção metafísica, jurídica, mística e política da Pátria. As massas populares de todos os países amam, profundamente, a sua pátria, mas este amor é natural, real.O patriotismo do povo não é uma idéia mas um fato; o patriotismo político, o amor ao Estado, não é a expressão concreta e adequada deste fato, mas a sua expressão desnaturada por intermédio de uma abstração da qual é de desconfiar e sempre em proveito de uma minoria exploradora. A Pátria, a nacionalidade como individualidade é um fato natural e nacional, fisiológico e histórico simultaneamente e, por isso, não é um princípio abstrato e idealizado; não se pode chamar um princípio humano senão àquilo que é universal e , portanto, comum a todos os homens, mas, neste caso, a nacionalidade separa-os: a pátria não é portanto um princípio. O que é princípio é sim, por outro lado, o respeito que cada um deve ter pelos naturais, reais ou sociais; ora a nacionalidade, é um destes fatos, por ser individualidade e nós devemos respeitá-la.

- Bakunin

“Eh, bem, se os governantes podem usar contra nós rifles, correntes e prisões, nós devemos, nós os anarquistas, para defendermos nossas vidas, devemos nos ater às nossas premissas? Não. Pelo contrário, nossa resposta aos governantes será a dinamite, a bomba, o estilete, o punhal. Em uma palavra, temos que fazer todo o nosso possível para destruir a burguesia e o governo. Vocês que são representantes das companhias burguesas, se vocês querem minha cabeça, venham buscá-la!”
Sante Geronimo Caserio

“A liberdade de eleições permite que você escolha o molho com o qual será devorado.”
— Eduardo Galeano

“Uma vez que se pensava que o governo era necessário e que sem o governo só poderia haver desordem e confusão, é natural e lógico que a anarquia, que significa ausência de governo, deve soar como ausência de ordem”.
- Errico Malatesta

“O primeiro homem que, havendo cercado um pedaço de terra, disse “isso é meu”, e encontrou pessoas tolas o suficiente para acreditarem nas suas palavras, este homem foi o verdadeiro fundador da sociedade civil. Quantos crimes, guerras e assassínios, de quantos horrores e misérias não teria poupado ao gênero humano aquele que, arrancando os marcos, ou tapando os buracos, tivesse gritado aos seus semelhantes: Livrem-se de escutar esse impostor; pois estarão perdidos se esquecerem que os frutos são de todos, e a terra de ninguém!”
— Jean Jacques Rousseau, O contrato social (1762)

“A alma feminina jaz adormecida dentro dos trapos, das jóias, do império da moda – a eterna sultana desse harém de civilizados que ainda compram, vendem, exploram, seduzem, abandonam por imprestável a mesma mulher, cuja posse exclusiva consiste a sua preocupação única. É deprimente a situação da mulher neste meio de cafetismo social em que os homens não sabem olhar uma mulher senão desrespeitando-a.”
— Maria Lacerda de Moura, Religião do amor e da beleza (1926)

“Quem semeia miséria, colhe fúria.”
— Anônimo, Pichação nas ruas de Paris (2006)

“A melhor forma de votar é arrancar as pedras da calçada e lançá-las nas cabeças dos políticos”
— Anônimo, Pichação nas ruas de Paris (2006)

“Entre nós, revolucionários, um fenômeno deve realizar-se; nós devemos conseguir compreender com perfeita retidão e sinceridade todas as idéias daqueles que combatemos; devemos fazê-las nossas, mas para dar-lhes seu verdadeiro sentido. Todos os raciocínios de nossos interlocutores, retardados pelas teorias ultrapassadas, classificam-se naturalmente em seu verdadeiro lugar, no passado, não no futuro. Eles pertencem à filosofia da história.”
— Élisée Reclus

“Anarquismo, para mim, significa não só a negação da autoridade, nem também uma nova economia, mas uma revisão dos princípios de moralidade. Significa o desenvolvimento da individualidade bem como a asserção da invididualidade. Significa auto-responsabilidade, e a não adoração de líderes.”
— Voltairine de Cleyre, Em defesa de Emma Goldman e o direito de expropriação (1893).

“Livrem-se das velhas categorias do negativo (a lei, o limite, as castrações, a falta, a lacuna) que por tanto tempo o pensamento ocidental considerou sagradas, como forma de poder e modo de acesso à realidade. Prefiram o que é positivo e múltiplo, a diferença à uniformidade, os fluxos às unidades, os agenciamentos móveis aos sistemas.”
— Michel Foucault, Introdução de ‘O Antiédipo’

“Ocorre que não é preciso buscar aquilo que já temos. Assim, se pensamos ter o conhecimento, também pensamos não precisar buscá-lo. Daí porque, se estamos iludidos a esse respeito, essa ilusão é o maior bloqueio para a obtenção do conhecimento. Como já disse alguém, não há melhor prisão do que aquela que não se parece com uma prisão.”
— Júlio César Burdzinski

“Se a educação não for usada para libertar, o sonho do oprimido é ser o opressor.”
- Paulo Freire

“Os escravos do século XXI não precisam ser caçados, transportados e leiloados através de complexas e problemáticas redes comerciais de corpos humanos. Existe um monte deles formando filas e implorando por uma oportunidade de trocar suas vidas por um salário de miséria. O “desenvolvimento” capitalista alcançou um tal nível de sofisticação e crueldade que a maioria das pessoas no mundo tem de competir para serem exploradas, prostituídas ou escravizadas.”
— Luther Blissett

“Me pergunto em que tipo de sociedade vivemos, que democracia é essa que temos onde os corruptos vivem na impunidade, e a fome das pessoas é considerada subversiva.”
— Ernesto Sábato, Antes del fin (1999).

“Só serei verdadeiramente livre quando todos os seres humanos que me cercam, homens e mulheres, forem igualmente livres, de modo que quanto mais numerosos forem os homens livres que me rodeiam e quanto mais profunda e maior for a sua liberdade, tanto mais vasta, mais profunda e maior será a minha liberdade.”
— Mikail Bakunin

“Anarquismo luta pela liberação da mente humana do domínio da religião. Pela liberação do corpo humano do domínio da propriedade. Pela liberação das cadeias e restrições governamentais. O anarquismo luta por uma ordem social baseada na livre associação dos indivíduos”
-Emma Goldman

“Respeito à lei, este é o cimento que mantém a estrutura do Estado. A lei é sagrada e aquele que a desafia é um criminoso”. Sem crime não haveria Estado: o mundo da moral – ou seja, o Estado – está cheio de vagabundos, mentirosos, ladrões (…) O objetivo dos estados é sempre o mesmo: limitar o indivíduo, domesticá-lo, subordiná-lo, subjugá-lo.”
— Max Stirner

“Os anarquistas sabem que um longo período de educação precisa preceder qualquer grande mudança fundamental na sociedade, uma vez que não acreditam na miséria do voto, nem em campanhas políticas, mas sim no desenvolvimento de indivíduos com pensamento autonomo.”
Lucy Parsons, Os Princípios do Anarquismo. (1890).

“Será que vivemos nós os proletários, será que vivemos? Será que os fracos remédios que tomamos não seria a doença que nos corrói?”
— Guy Debord(veja tbm A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord – Livro)

“O anarquismo é uma teoria política que defende a criação da anarquia, uma sociedade baseada na máxima -sem soberanos-. Para chegar até lá, os anarquistas consideram que a propriedade privada da terra e o capital que hoje estão em alta, estão condenados a desaparecer: e que todos os meios de produção devem se converter em propriedade comum da sociedade, e serão gestionados em conjunto pelos produtores da riqueza. (…) a meta final da sociedade é a redução das funções do governo ao nada – é dizer, uma sociedade sem governo, a anarquia.”
— Rudolf Rocker

“…Anarquia, este sonho de justiça e de amor entre os homens…”
— Errico Malatesta

“Aquele que botar as mão sobre mim, para me governar, é um usurpador, um tirano. Eu o declaro meu inimigo”
— Pierre-Joseph Proudhon

“Amor livre? Como se o amor pudesse ser de outro modo que não livre!”
- Emma Goldman

“Enforcados em Chicago, decapitados na Alemanha, estrangulados em Xerez, fuzilados em Barcelona, guilhotinados em Montbrison e em Paris, nossos mortos são muitos; mas vocês não foram capazes de destruir a Anarquia. (…) Ela está em todos os lugares. Isso é que a faz indomável, e por fim ela irá derrotá-los e assassiná-los.”
— Émile Henry, A defesa de um terrorista (1893)

“Quem quer, não a liberdade, mas o Estado, não deve brincar de Revolução.”
— Mikail Bakunin

“As liberdades não se concedem, conquistam-se.”
— Priotr Kropotkin

“Mas eles viveram aquelas vidas extraordinárias que nunca serão vividas de novo. E através de suas vidas, eles me deram uma história que é mais profunda, mais apaixonante, e muito mais útil se comparado a tudo que já li no melhor daqueles malditos livros de história.”
— Utah Phillips, Álbum The Long Memory (1996)

“Trabalhadores do mundo acordem. Quebrem suas correntes, exijam seus direitos. Toda a riqueza que produzem é tomada, por parasitas exploradores. Será que vocês deveriam se ajoelhar em profunda submissão do berço ao cemitério? Será que o peso de suas ambições os limitam a serem bons escravos voluntários?”
— Joe Hill, Música “Workers of the World Awaken”

“O Estado é nocivo e desnecessário! Cabe-nos rejeitar a hierarquia institucionalizada e suas táticas contraditórias! Existe ordem na liberdade! Somos capazes de encontrar nossos próprios caminhos.”
— Nina Delfim

“Não se pode matar a Idéia a tiros de canhão, nem tão pouco acorrentá-la.”
— Louise Michel

“Tentar acabar com a corrupção estatal e manter o estado é o mesmo que tentar retirar a toda água de um rio e ainda assim conservá-lo. A acracia se contrapõe ao estado por entendê-lo desde sua origem e por si só onde quer que ele tenha existido, como uma forma de corrupção institucionalizada e naturalizada.”
— Genoino Pravda, Massacre no campo de Golfe (1997)

“Onde quer que um governo assuma para si a tarefa de nos livrar do incômodo de pensarmos por nós mesmos, as únicas conseqüências resultantes são torpor e imbecilidade.”
— William Godwin, An Enquiry Concerning Political Justice (1793)
“Os cordeiros que vão ao matadouro nada dizem e nada esperam. Mas ao menos eles não votam no açougueiro que os matará, e no burguês que os comerá. Mais besta que as bestas, mais ovino que os ovinos, o eleitor elege seu açougueiro e escolhe seu burguês. Revoluções foram feitas pela conquista desse direito.”
Octave Mirbeau, Greve de Eleitores (1888)

A mudança de opiniões em um pensador é o sinal mais evidente de sua vitalidade. Só os imbecis têm opiniões eternamente fixas.
- Sérgio Buarque

“Será o Anarquismo possível? O fracasso das tentativas para alcançar a liberdade não significa que a causa está perdida. Os fatos demonstram que a luta pela liberdade é mais forte e evidente do que jamais fora, hoje existem novas e diferentes condições precedentes para que esta meta seja alcançada, o fato de estarmos mais próximos da Anarquia do que esperávamos pode ser provada no desenvolvimento de um desejo de varrer da face da terra tudo que seja autoritário.”
— Johann Most, Anarco-comunismo (1889)

“Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se olhares durante muito tempo para um abismo, o abismo também olha para dentro de você.”
— Friedrich Nietzsche, Além do Bem e do Mal, Prelúdio a uma Filosofia do Futuro (1886)

“Necessária é também uma inclinação para enfrentar questões que hoje ninguém se atreve a elucidar; inclinação para o proibido; predestinação para o labirinto”..”
— Friedrich Nietzsche, O Anticristo, Praga contra o Cristianismo (1888)

“Necessária é também uma inclinação para enfrentar questões que hoje ninguém se atreve a elucidar; inclinação para o proibido; predestinação para o labirinto”..”
— Friedrich Nietzsche, O Anticristo, Praga contra o Cristianismo (1888)

“A anarquia é o sistema perfeito, onde se age pelo respeito mútuo e com respeito uns aos outros”

“Só haverá Paz quando não mais existir exército”

“Somente quando a última árvore for derrubada, o último peixe morto e o último rio envenenado, que o homem irá perceber que dinheiro não se come”

“Nem guerra entre povos, nem paz entre classes!”

“Não se pode dizer inferior a algo que nunca foi visto, fazendo isso, você está se rebaixando ao nada”

Uma coisa é ser anarquista no capitalismo, a outra é ser anarquista no anarquismo”

“Todo o homem tem em si um ditador e um anarquista.”
-Paul Valéry

, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>