Rafael Barrett

Rafael-Barrett

Rafael Barrett, nome completo Rafael Angel Jorge Julián Barrett y Álvarez de Toledo, (Torrelavega, espanhol,7 de Janeiro , 1876 – Arcachon, França, 17 de Dezembro, 1910) foi escritor espanhol, filósofo e jornalista, que desenvolveu a maior parte de sua produção literária no Paraguai, tornando-se uma figura importante da literatura paraguaia durante o século XX. É particularmente conhecido por seus contos e ensaios com conteúdo filosófico profundo, que expôs um vitalismo que o existencialismo, de alguma forma antecipada. Suas declarações filosóficas e políticas em favor do anarquismo são também conhecidas.

Juventude

Barrett nasceu em Torrelavega no ano de 1876, com o nome de Rafael Ángel Jorge Julián Barrett y Álvarez de Toledo, no seio de uma família rica Spanish-English ,com seus pais George Barret Clarke, natural de Coventry (Inglaterra) e Maria del Carmen Álvarez de Toledo y Torano, natural de Villafranca del Bierzo, província de León. Com vinte anos de idade mudou-se para Madrid, para estudar engenharia, lá ele se tornou amigo de Valle-Inclán, Ramiro de Maeztu e outros membros da geração de 98. Em Madrid, viveu como menino rebelde, indo de casino para casino e de mulher para mulher, alternando com as visitas a importantes encontros literários em Paris e Madri.

Seus constantes ataques de ira o levou um confronto com um membro da nobreza, o Duque de Arion, que concordaram em uma briga no meio de uma função de Circo do Pari. O Duque de Arion foi presidente do Tribunal de Honra, que o desqualifica para um duelo com o advogado José María Azopardo, que o caluniou. Tudo isso fez um grande escândalo em apenas seis meses.

Obras

O trabalho de Rafael Barret não são muito conhecido. Curta e não sistemática, que foi publicada quase integralmente em jornais do Paraguai, Uruguai e Argentina. No entanto, seu pensamento influenciou notadamente na América Latina e especialmente na zona de Rio de la Plata. Embora esta influência não tenha sido tão profunda, foi o suficiente para ser mencionada por Ramiro de Maeztu como uma “figura na história da América”.

Últimos anos

Foi no novo continente, mais especificamente, no Paraguai, onde ele fez a si mesmo como um escritor, descobriu o verdadeiro amor e da paternidade.

A relevância de Barret

Três dos maiores escritores da América do Sul manifestaram a sua profunda admiração pelo trabalho de Barrett e sua influência sobre eles.

Na Argentina, Jorge Luís Borges diz em uma carta de 1917 a seu amigo, Roberto Godel:

Agora que estamos a falar de assuntos literários eu pergunto se você conhece um grande escritor, Rafael Barret, com um espírito livre e ousado. With tears in my eyes and on my knees I beg you that when you have a national or two to spend, go straight to Mendesky’s, or any other library- and ask for a copy of “Looking the life” of this author. I think that it was published in Montevideo. Is a great book, and reading it soothed me from the foolishness of Giusti, Soiza, O’Reilly and my cousin Alvarito Melián Lafinur.

In Uruguay, José Enrique Rodó was amazed by his press articles. He wrote:

[…] It’s been a long time since that when I step out with someone I could ask about this kind of things, whether is or not the subject, I ask: Do you read La Razón? Have you noticed some articles signed by Rafael Barret?

–> O trabalho de barret, além do compromisso singular com seu tempo e circunstância, contém uma beleza e um excepcional valor estético. No Paraguai se que Barret começa desde a concepção do realismo crítico, na visão da questão da narrativa, e seus contos revelam grande parte do seu dom notável para estética na construção do conto. O autor que, através de seu trabalho, com habilidade, sensibilidade e beleza, dá a exuberância de seu trabalho não esquece a ironia e o paradoxo, essencialmente, de recursos intelectuais.

Meu anarquismo

Os pensamentos sociais e políticos das experiências de Rafael Barret, no decorrer de seus sete anos de expressão, teve uma transformação clara que vai de um individualismo que converge características vitalistas Nietzschianas , a um anarquismo mútuo plenamente assumido.

É de 1908, que Barret começa a se auto-definir como anarquista em seu famoso panfleto My Anarchism.

O sentido etimológico da “ausência de governo” é suficiente para mim. Temos de destruir o espírito de autoridade e o prestígio das leis. Isso mesmo!. Esse seria o trabalho do exame gratuito. Os tolos pensam que anarquia é a desordem e que sem o governo, a sociedade sempre acaba em caos. Eles não concebem outra ordem que a imposta do exterior pelo terror das armas.

, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *