George Woodcock

George Woodcock (8 de Maio de 1912 – 28 de janeiro de 1995) foi um prolífico escritor canadense de poesia, ensaios, críticas, biografias e obras históricas. Ele também foi o fundador (em 1959) do jornal Canadian Literature (Literatura Canadense) – o primeiro jornal dedicado à escrita canadense. Em outras partes do mundo, ele provavelmente é mais lembrado por ter escrito Anarchism: A History of Libertarian Ideas and Movements (1962), uma das grandes sinopses do anarquismo.

Vida

Woodcock nasceu em Winnipeg, Manitoba, mas se mudou com seus pais para a Inglaterra ainda jovem. Embora sua família fosse muito pobre, Woodcock teve a oportunidade de ir para a Universidade de Oxford, com uma bolsa de estudos. No entanto, ele rejeitou a possibilidade, já que ele teria de aderir ao clero. Ao invés disso, ele assumiu um cargo como um caixeiro na Great Western Railway e foi aí que ele se interessou pelo anarquismo (especificamente socialismo libertário). Ele iria continuar a ser um anarquista pelo resto de sua vida, escrevendo vários livros sobre o assunto, incluindo Anarchism, a antologia The Anarchist Reader (1977), e biografias de Pierre Joseph Proudhon, William Godwin, Oscar Wilde e Piotr Kropotkin.

Foi durante estes anos que ele conheceu várias figuras proeminentes da literatuda mundial, incluindo T. S. Eliot e Aldous Huxley. Ele chegou a conhecer George Orwell, após os dois terem um desacordo público nas páginas do Partisan Review. Orwell escreveu que, no contexto de uma guerra contra o fascismo, pacifismo foi “objetivamente pró-fascista”. Como um pacifista próprio, Woodcock tomou exceção a esta. Apesar desta diferença, os dois se reuniram e se tornaram bons amigos. Woodcock mais tarde escreveu The Crystal Spirit (1966), um estudo crítico de Orwell e o seu trabalho, que ganhou um Governor General’s Award.

Woodcock passou a Segunda Guerra Mundial trabalhando em uma fazenda, como um objetor de consciência. Após a guerra, ele voltou para o Canadá, eventualmente ficando em Vancouver, Colúmbia Britânica. Em 1955, ele assumiu um cargo no Departamento de Inglês na Universidade de Colúmbia Britânica, onde permaneceu até a década de 1970. Durante este tempo, ele começou a escrever mais poesias, a produção de vários livros de viagem e coleções de poesia, bem como os trabalhos sobre anarquismo pelo qual ele é mais conhecido.

Quase no final de sua vida, Woodcock se tornou cada vez mais interessado no que ele viu como a situação dos tibetanos. Ele viajou para a Índia, estudou budismo, tornou-se amigo do Dalai Lama e estabeleceu o Tibetan Refugee Aid Society (Sociedade de Ajuda aos Refugiados Tibetanos).

Reconhecimento

Woodcock foi honrado com vários prêmios, incluindo um da Sociedade Real do Canadá, em 1968, a Medalha UBC para Biografia Popular em 1973 e 1976, bem como o Prêmio Molson em 1973. No entanto, ele só aceitou prêmios dados por seus amigos, recusando vários prêmios dados pelo estado canadense, incluindo a Ordem do Canadá. A única exceção foi o prêmio da Liberdade da cidade de Vancouver, que ele aceitou, em 1994.

Ele é o tema de uma biografia, The Gentle Anarchist: A Life of George Woodcock, por George Fetherling (1998).

“Na verdade, o anarquismo é a um só tempo diversificado e inconstante e, à perspectiva histórica, apresenta a aparência, não de um curso d’água cada vez mais forte, correndo em direção ao mar do seu destino (uma imagem que bem poderia ser aplicada ao marxismo), mas de um fio de água filtrando-se através do solo poroso formando aqui uma corrente subterrânea, ali um poço turbulento, escorrendo pelas fendas, desaparecendo de vista para surgir onde as rachaduras da estrutura social possam lhe oferecer uma oportunidade de fluir. Como doutrina, muda constantemente, como movimento, cresce e se desintegra, em permanente flutuação, mas jamais se acaba”.
– George Woodcock

Bibliografia selecionada (em Inglês)

Anarchy or Chaos – 1944
The Incomparable Aphra – 1948
Ravens and Prophets – 1952
Anarchism: A History of Libertarian Ideas and Movements – 1962
Faces of India: A Travel Narrative – 1964
The Crystal Spirit: A Study of George Orwell – 1966
The Doukhobors – 1968 (com Ivan Avakumovic)
The Hudson’s Bay Company – 1970
The Anarchist Prince: A Biographical Study of Peter Kropotkin – 1971 (com Ivan Avakumovic)
Into Tibet: The Early British Explorers – 1971
Victoria – 1971
Dawn and the Darkest Hour: A Study of Aldous Huxley – 1972
Rejection of Politics and Other Essays on Canada, Canadians, Anarchism and the World – 1972
Canada and the Canadians – 1973
Who Killed the British Empire?: An Inquest – 1974
Amor de Cosmos: Journalist and Reformer – 1975
Gabriel Dumont: The Métis Chief and his Lost World – 1975
South Sea Journey – 1976
Peoples of the Coast: The Indians of the Pacific Northest – 1977
The Anarchist Reader – 1977 (editor)
Anima, or, Swann Grown Old: A Cycle of Poems – 1977
Two Plays – 1977
The World of Canadian Writing: Critiques and Recollections – 1980
100 Great Canadians – 1980
Confederation Betrayed! – 1981
The Meeting of Time and Space: Regionalism in Canadian Literature – 1981
Taking it to the Letter – 1981
The University of British Columbia: A Souvenir – 1986 (com Tim Fitzharris)
Northern Spring: The Flowering of Canadian Literature in English – 1987
Pierre-Joseph Proudhon: A Biography – 1987
Caves in the Desert: Travels in China – 1988
The Purdy-Woodcock Letters: Selected Correspondence, 1964-1984 – 1988
William Godwin: A Biographical Study – 1989
A Social History of Canada – 1989
Powers of Observation – 1989
The Century that Made Us: Canada 1814–1914 – 1989
British Columbia: A History of the Province – 1990
Tolstoy at Yasnaya Polyana & Other Poems – 1991
Anarchism and Anarchists: Essays – 1992
The Cherry Tree on Cherry Street: And Other Poems – 1994

, , ,
One comment to “George Woodcock”
  1. Pingback: Frases Anarquistas

Deixe uma resposta