App permite saber quais marcas de roupa brasileiras já exploraram o trabalho escravo

App permite saber quais marcas de roupa brasileiras já exploraram o trabalho escravo

A ONG Repórter Brasil, sob a coordenação do jornalista Leonardo Sakamoto, lançou na última semana o aplicativo para celular “Moda Livre”. Resultado da compilação de reportagens feitas pelo site da ONG, o app avalia as principais varejistas de roupa do país e também empresas que, mesmo não sendo as maiores, já foram flagradas pelos fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em casos de trabalho escravo.

A função principal é educar o consumidor (e leitor), mostrando a postura das marcas em relação ao assunto e as classificando de acordo com as respostas dadas a um questionário enviado pela ONG à essas empresas – 22, inicialmente. O questionário contempla 4 indicadores: Políticas (compromissos assumidos por elas para combater o trabalho escravo em sua cadeia de fornecimento), Monitoramento (medidas adotadas para fiscalizar os fornecedores) e Transparência (ações tomadas para comunicar aos clientes o que vêm fazendo nesse sentido) e o histórico de cada uma sobre envolvimento com a escravidão de trabalhadores.

Posteriormente as empresas foram classificadas em três categorias sinalizadas com as cores verde, amarelo e vermelho, sendo que as que não responderam ao questionário (enviado e solicitado o preenchimento inúmeras vezes) foram incluídas automaticamente na categoria vermelha.

2 3 4 5

 O aplicativo tem ainda uma seção com notícias sobre o trabalho escravo, que será atualizada sempre que algum novo caso for investigado pelo MTE. O app pode ser baixado tanto na Apple Store quanto no Google Play.

Iniciativas como essa são um grande passo no processo de aumento da melhoria da informação que chega até nós consumidores, onde sempre os grandes vilões são os altos impostos (é um fator, mas não o único problema) ou a falta de discernimento na hora de consumir. Mas que fique claro que o intuito do app não é fazer com que não compremos de determinadas marcas, mas nos ajudar a entender sua postura diante deste assunto, para que possamos tomar decisões de compras mais conscientes. É um ótimo começo, mesmo o app tendo alguns itens podem ser mais bem resolvidos, como o fato de classificar da mesma forma (com a cor vermelha) uma empresa que já esteve envolvida com o trabalho escravo a uma empresa que se recusou a responder o questionário.

Comente abaixo sua opinião sobre o assunto!

Via

,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *