Cronologia do Anarquismo

Cronologia do Anarquismo

Cronologia do Anarquismo

cronologia-do-anarquismo

Abaixo, em linhas gerais, traçamos a Cronologia do Anarquismo:

1563 Morre Etienne de la Boétie, autor do Discurso sobre a Servidão Voluntária, um livro clássico do pensamento libertário, em que analisa o conformismo do povo e aponta a desobediência Civil como um instrumento de mudança social e de luta contra os poderosos.
1789 Revolução Francesa, um momento decisivo de derrocada da velha ordem feudal e clerical na Europa. Na Revolução participaram grupos populares radicais que defendiam posições próximas do pensamento libertário. A Revolução Francesa mereceu estudos de anarquistas como Piotr Krópotkin e Daniel Guerin e foi vista pelos movimentos libertários como precursora das revoluções sociais do século XIX e XX.
1792 Mary Wollstonecraft, companheira de William Godwin , precursora libertária e feminista, publica Reividicação dos Direitos da Mulher.
1793 William Godwin,  pensador inglês, precursor do anarquismo, publica o livro Investigação Acerca da Justiça Política.
1837 Morre o socialista utópico Charles Fourrier.
1840 Pierre Joseph Proudhon emprega pela primeira vez, no seu livro O Que é a Propriedade?, a palavra anarquia no sentido de sociedade autogovernada. O engenheiro francês Louis Léger Vauthier vai trabalhar no Brasil, Recife, onde passa a divulgar as idéias de Fourier, influenciando intelectuais como Antonio Pedro Figueiredo.
1841 Inicia-se a tentativa de criar um falanstério no Brasil na região do Saí (São Francisco – Estado de Santa Catarina) por um grupo de franceses encabeçados pelo médico fourierista Benoit Jules Mure.
1842 Marx e Mikhail Bakunin começam a colaborar na revista Anais Alemães de Arnolde Ruge. Neste ano Marx elogia os “trabalhos penetrantes de Proudhon”.
1844 Marx conhece Proudhon, então já um famoso pensador socialista, em Paris. Nesse mesmo ano morre em França a revolucionária socialista, de origem peruana, Flora Tristán, avó do pintor Paul Gauguin.
1845 Benoit Jules Mure edita, no Rio de Janeiro, após se ter frustrado o falanstério do Saí, um dos primeiros jornais socialistas, O Socialista da Província do Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano o pensador anarquista individualista Max Stirner, escreve O Único e a sua Propriedade. Nos Estados Unidos o libertário Josiah Barren funda a colônia Utopia.
1846 Proudhon escreve a Filosofia da Miséria. Marx e Proudhon trocam correspondência. Na última carta o anarquista francês, depois de criticar todo o dogmatismo, adverte Marx: “não nos tornemos os chefes de uma nova intolerância”. É o sinal da irreconciliação entre os dois pensadores.
1847 Marx publica A Miséria da Filosofia tentando refutar a obra de Proudhon. Constituem-se na Colômbia as sociedades democráticas, influenciadas pelo pensamento de Proudhon.
1848 Kar Marx e Friederich Engels publicam o Manifesto Comunista. No Brasil dá-se a Revolução Praieira, no Recife, onde participam intelectuais influenciados pelo socialismo utópico. Agitações revolucionárias em vários países da Europa, a mais importante das quais foi a chamada Revolução de 1848 em França.
1849 David Thoreau publica o clássico libertário americano Desobediência Civil. Bakúnin é preso, após ter participado em várias rebeliões, só vindo a escapar em 1861 da Sibéria.
1850 José Maria Chávez tenta criar em Aguascalientes, no México, um falanstério. No Chile, em março, foi criada a “Sociedad de la Igualdad”, por Ambrosio Larracheda, Manuel Lúcares, Cecilio Cerda e Rudecindo Rojas, uma das primeiras associações operárias e socialistas.
1852 Primeira viagem aos Estados Unidos de Victor Considérant, discípulo de Fourier, para criar um falanstério.
1855 José Inácio Abreu Lima, o brasileiro general de Bolivar, publica o livro O Socialismo.
1856 Morre precocemente Max Stirner.
1861 O emigrante grego Plotino Rhodakanaty publica no México a Cartilha Socialista e edita o jornal El Falanstério. Bakúnin foge para o ocidente, indo viver na Inglaterra e posteriormente na Suiça.
1862 Operários franceses e ingleses reunem-se em Londres durante a Exposição Internacional e decidem constituir uma organização internacional, que viria a ser fundada oficialmente em 1864, a AIT.
1863 Proudhon publica um de seus principais livros O Príncipio Federativo.
1864 É criada em Londres a Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT) e Bakúnin funda Aliança Internacional da Democracia Socialista.
1865 Morre Proudhon, considerado o primeiro anarquista moderno. Conferência de Londres da AIT. Em Habana é fundado o jornal La Aurora, de idéias proudhonianas. No relatório sobre a Conferência de Londres da AIT Charles Limousin e Fribourg escreveram que “se tomaram medidas para estabelecer correspondência com Rio de Janeiro e com as colônias francesas de Guadalupe e Martinica”.
1866 No Chile, o socialista utópico Ramón Picarte tenta criar um falanstério em Chillán.
1867 Marx publica o primeiro volume do Capital. Congresso de Lausanne da AIT.
1868 Bakúnin ingressa na AIT e os núcleos de partidários da Aliança Socialista passam a ser seções da Primeira Internacional. As idéias internacionalistas chegam a Portugal e Espanha através do companheiro de Bakúnin, o italiano Giuseppe Fanelli. O socialista espanhol partidário de Proudhon, Pi y Margall publica o livro Las Nacionalidades. Congresso de Bruxelas da AIT. Os socialistas proudhonianos mexicanos criam Gran Circulo de Obreros.
1869 É fundada a União Cooperativa Inglesa. Congresso de Basileia da AIT.
1870 É formado o Gran Círculo de Obreros de México, de orientação proudoniana. Em Barcelona é criada a Federação Regional Espanhola, aderente à AIT. Morre o pensador russo Aleksandr Herzen, um federalista amigo de Bakúnin e um dos mais influentes intelectuais russos do século XIX.
1871 Os trabalhadores de Paris declaram a Comuna, mas as tropas do governo invadem Paris em maio desencadeando um massacre. Bakúnin publica um dos seus principais livros Deus e Estado. Os internacionalistas espanhóis Anselmo Lorenzo, Morago e Mora refugiam-se em Lisboa e fazem contatos para criar uma seção portuguesa da AIT.  O poeta português Antero de Quental,  partidário da AIT, publica o folheto O Que é a Internacional? Conferência da AIT em Londres.
1872 O Congresso de Haia da AIT, expulsa os anarquistas por proposta de Marx e transfere a sede a internacional para Nova York. Este foi o último congresso da AIT, a partir daí dissolveu-se a Primeira Internacional. Os anti-autoritários reúnem-se em Saint Imier na tentativa de preservar a internacional. Em Portugal , em fevereveiro, sai o jornal O Pensamento Social ligado aos internacionalistas. No México são editados os jornais El Obrero Internacional e La Comuna.
1873 O médico Eduardo Maia, membro da seção portuguesa da AIT e um dos primeiros anarquistas do país, publica  A Internacional, sua História, sua Organização e seus Fins.
1874 É publicada em Portugal a tradução Do Princípio da Federação de Proudhon. O anarquista francês era lido há vários anos em francês pelos intelectuais e trabalhadores socialistas.
1875 Constitui-se no Uruguai a Federación Regional de la República Oriental del Uruguay, mais tarde transformada em Federación Obrera Regional Uruguaya. Reúne-se no México o Congreso General Obrero.
1876 Morre  na Suíça o agitador e pensador anarquista russo Mikhail Bakúnin. No México as idéias socialistas são discutidas no Primeiro Congresso Operário. A ala marxista da AIT declara oficialmente, em Filadélfia, o fim da Primeira Internacional. É publicado no México o livro de Prouhdon Idea General de la Revolución en el Siglo XIX. Desencadeiam-se várias greves operárias com participação de trabalhadores anarquistas.
1877 Sublevações camponesas, de inspiração socialista e libertária, no México, nos Planes de la Barranca e Sierra Gorda. Levante de Benevento, um grupo de anarquistas, entre os quais Carlo Cafiero e Errico Malatesta precorrem aldeias do sul de Itália, queimam os arquivos, distribuem armas e apelam aos camponeses para declarar o comunismo libertário.
1878 Quatro anarquistas são enforcados em Chicago em conseqüência das manifestações pelas 8 horas de trabalho. Este acontecimento iria passar a marcar as comemorações do 1. de maio. No México é fundado o primeiro Partido Comunista Mexicano, de idéias anarquistas. Em Montevideu começa a publicar-se o jornal El Internacional.
1879 Aparecem na Rússia vários grupos revolucionários de tendência populista e anarquista, que se dedicam a desencadear a ação direta contra o czarismo. Começa a publicar-se na Suíça o jornal anarquista Le Revolté, sob direção de Piotr Kropotkin. Publica-se em Cuba o jornal anarquista El Obrero.
1880 Engels publica Socialismo Utópico e Socialismo Científico. Chega aos Estados Unidos o militante anarquista alemão Johann Most.
1882 Anarquistas celebram em Montevideo o aniversário da Comuna de Paris.
1883 É criada na Suiça a Emancipação do Trabalho, primeira organização marxista russa. Morre Karl Marx. É fundado em Buenos Aires o Circulo Comunista Anarquista.
1884 Elisée Reclus visita a Colômbia para pesquisar para a sua Nova Geografia Universal, tendo proposto ao governo a criação de uma comunidade agrícola, a que chamou República Idílica, em Sierra Nevada de Santa Marta.
1885 Malatesta chega à Argentina onde residirá por cinco anos.
1886 Começa a publicar-se em Londres o jornal Freedom, por um grupo anarquista reunido em torno de Kropótkin. Reúne-se em Habana o Congreso Obrero Local. Em Buenos Aires, o militante anarquista Mattei edita El Socialista.
1887 É publicado o primeiro livro de Krópotkin em Portugal, A Anarchia na Evolução Socialista. Formam-se os grupos anarco-comunistas do Porto e de Lisboa. Trabalhadores anarquistas fundam, em Buenos Aires, o Circulo Socialista Internacional. Em Habana começa a se publicar o jornal anarquista El Productor.
1888 É fundada em França a organização Bolsas do Trabalho, de tendência libertária. Kropótkin publica um dos seus mais famosos, e traduzidos, livros, A Conquista do Pão.
1889 É fundada em Paris a Segunda Internacional. Em Santos, Silvério Fontes cria o Centro Socialista, um dos primeiros grupos dedicados à divulgação das idéias socialistas no Brasil.
1890 Generalizam-se as manifestações e comemorações do Primeiro de Maio na Europa. Embarcam para o Brasil o primeiro grupo de anarquistas que vai fundar a Colônia Cecília no Paraná. Oscar Wilde edita A Alma do Homem sob o Socialismo, um livro de inspiração libertária. No Chile greve promovida por trabalhadores anarquistas termina com uma violenta repressão. Em Buenos Aires começa a se publicar um dos primeiros jornais anarquistas El Perseguido. Em Nova York, o militante anarquista Pedro Esteve, começa a publicar El Despertar um dos mais duradouros jornais anarquistas, em língua castelhana, dos Estados Unidos.
1891 É fundada na Argentina a Federación Obrera Argentina (FOA). Que depois de um período de estagnação volta a ser reorganizada em 1901, sob uma linha anarco-sindicalista.
1892 É publicado, por emigrantes italianos, Gli Schiavi Bianchi, um dos primeiros jornais anarquistas brasileiros. Ravachol, o mais famoso dos anarquistas partidário da ação direta, é guilhotinado em França. Morre Carlos Cafiero um dos militantes  socialistas que contribuiu para o desenvolvimento do anarquismo em Itália. No Chile é criado o primeiro centro de estudos sociais anarquista.
1893 Giovanni Rossi, médico veterinário e anarquista idealizador da Colônia Cecília publica na Itália , Cecilia, Uma Comunidade Anarquista Experimental. É criada na Holanda a National Arbeids Sekretariat (NAS), sindicalista revolucionária, onde teve um papel importante o anarquista Christian Cornelissen. Chega a Cuba o tipógrafo catalão Pedro Esteve, que seria um dos principais militantes anarquistas do país. Nesse mesmo ano os trabalhadores cubanos fundam a Sociedad General de Trabajadores. Levantamento de trabalhadores em Bogotá, com influência anarquista. No Chile é publicado El Oprimido, considerado o primeiro jornal anarquista do país.
1895 É fundada a Confederação Geral do Trabalho (CGT) francesa que viria a inspirar o anarco-sindicalismo em todo o mundo. A Carta de Amiens, aprovada em 1906, é o documento que define as linhas do sindicalismo revolucionário libertário.
1896 No Congresso de Londres os anarquistas são expulsos da Internacional Socialista. Em Portugal é publicado o importante estudo de Silva Mendes, O Socialismo Libertário ou Anarquismo. Morre William Morris importante militante socialista inglês. Reúne-se em Lima o Primero Congreso Obrero. No Chile é criado o Centro Social Obrero reunindo os principais militantes anarquistas que publicam também o jornal El Grito del Pueblo.
1897 É fundado em Buenos Aires La Protesta Humana, o mais importante jornal anarquista latino-americano.
1898 Realiza-se no Brasil, no Rio Grande Sul, o primeiro congresso que reúne organizações operárias a nível estadual. Chega a Buenos Aires, o advogado italiano e intelectual anarquista Pietro Gori.
1899 Na Colômbia Jacinto Albarracín, anarquista indígena, perseguido funda na floresta uma comuna libertária.
1900 É publicado no Rio de Janeiro o livro Estados Unidos do Brasil, o capítulo da Geografia Universal de Elisée Reclus, referente ao Brasil. O anarquista mexicano Ricardo Flores Magón funda o jornal La Regeneración.
1901 Morre Fernand Pelloutier operário e anarquista francês criador das Bolsas de Trabalho e idealizador do sindicalismo revolucionário, que influenciou o anarco-sindicalismo à escala mundial. É fundada na Argentina a Federación Obrera Argentina (FOA) e os trabalhadores de Rosário declaram greve geral. Chega a São Paulo o advogado e militante anarquista Neno Vasco.
1902 É editado o livro Apoio Mútuo de Kropótkin, uma crítica do darwinismo social e a defesa do princípio da cooperação como fundamento da evolução das sociedades. A FOA declara greve geral na Argentina. No Chile, a greve dos tipógrafos marca o desenvolvimento do sindicalismo revolucionário no país. Neste mesmo ano reuniu-se o Primeiro Congresso Social Operário, com participação de sociedades operárias, cooperativas e centros de cultura social.
1903 O escritor e militante anarquista Fábio Luz publica o primeiro romance brasileiro de inspiração libertária, O Ideólogo. Foma-se na Argentina a Unión General de Trabajadores (UGT), reformista, mas onde virá a surgir mais tarde uma tendência próxima do sindicalismo revolucionário. No Chile foi criada na capital uma comunidade anarco-comunista, tendo sido criado, pouco depois, no interior uma comunidade influenciada pelas idéias de Liev Tolstói. Em Valparaíso, em abril, os trabalhadores portuários influenciados pelo sindicalismo revolucionário desencadeiam uma greve, que acaba se generalizando, no Primeiro de Maio Anarquista, em fortes conflitos de rua na cidade, obrigando o governo a enviar tropas para a cidade. Calcula-se que morreram mais de cem trabalhadores e houve milhares de feridos e presos.
1904 No Quarto Congresso Sindical Argentino é criada a Federação Operária Regional Argentina (FORA) a mais importante e combativa organização anarco-sindicalista da América Latina. Realiza-se em Amsterdã o Congresso Antimilitarista organizado pelo anarquista e pacifista Ferdinand Nieuwenhuis.
1905 Desencadeia-se a revolução russa que derruba o czarismo autocrático, iniciando uma abertura liberal. Nos Estados Unidos foi criada a Industrial Workers of the World (IWW) a mais importante organização sindicalista revolucionário americana, que influenciou a criação de organizações semelhantes no Chile, Nova Zelândia e Austrália. Morre Élisée Reclus destacado geógrafo e militante anarquista. É criada a Federación Obrera de la Regional Uruguaya (FORU) de linha anarco-sindicalista, herdeira da linha libertária dos internacionalistas do século XIX. Morre em França, Louise Michel, famosa militante anarquista que participou da Comuna de Paris. No Chile realiza-se a Primera Convención Nacional de las Mancomunales, considerado o primeiro congresso operário.
1906 Primeiro Congresso Operário Brasileiro, aprova uma linha de atuação anarco-sindicalista e cria a Confederação Operária Brasileira (COB). Greve de mineiros no México deixa centenas de mortos. O agitador anarquista colombiano Biófilo Panclasta chega a Buenos Aires. No Chile foi criada a Federación de Trabajadores de Chile (FTCH), considerada a primeira federação operária sindicalista revolucionária.
1907 Congresso Anarquista Internacional em Amsterdã de que participou o colombiano Biófilo Panclasta representando os trabalhadores argentinos. No Brasil desencadeiam-se lutas pelas 8 horas de trabalho. Congresso dos anarquistas alemães reúne-se clandestinamente.
1908 Começa a se publicar, no Rio de Janeiro, A Voz do Trabalhador, órgão da Confederação Operária Brasileira, principal jornal anarco-sindicalista do Brasil. É fundada na Bolivia a Federación Obrera Local (FOL), que será recriada em 1926, após ter desaparecido por vários anos. É fundada pelo operário Hilário Marques a revista Sementeira, a mais importante publicação anarquista portuguesa. Morre em Paris o agitador anarquista individualista Albert Libertad. Revoltas camponesas no México com o apoio de anarquistas.
1909 Semana Trágica de Barcelona. Greve revolucionária agita Barcelona, provocando uma repressão feroz. O educador anarquista Francisco Ferrer Guardia é fuzilado acusado de ser responsável pela agitação revolucionária, mesmo que na época dos acontecimentos estivesse em Londres. Manifestações de indignação por todo o mundo contra o governo espanhol. Começa, em Portugal, o Congresso Operário Nacional , que encerra em 1910.
1910 Morre o famoso escritor russo e defensor de um cristianismo igualitário, com afinidades anarquistas, Liev Tólstoi, que influenciou grupos anarco-cristãos em vários países, principalmente na Holanda e Estados Unidos. Em Barcelona foi fundada a Confederação Nacional do Trabalho (CNT), anarco-sindicalista. Revolução Republicana em Portugal com participação de trabalhadores e militantes anarquistas. Revolução Mexicana, com participação de camponeses e intelectuais libertários influenciados pelas idéias do militante anarquista Flores Magón. Os trabalhadores suecos criam a Sveriges Arbetares Central (SAC) de tendência sindicalista revolucionária.
1911 Primeiro Congresso Anarquista português e fundação Federação Anarquista da Região Sul. São enforcados no Japão os anarquistas Denjiro Kotuku e sua companheira Yugetsu Sugo Kanno. Greve geral no Peru promovida pelos anarco-sindicalistas. São editados os livros de Rafael Barrett, anarquista espanhol que atuou no Paraguai, El Dolor Paraguayo e Cuentos Breves. O ativo militante e jornalista anarquista Neno Vasco parte para Portugal, onde continuará sua militância. Chega a Buenos Aires, José de Brito, que se tornará um ativo militante anarquista na Argentina e, posteriormente em Portugal. No Panamá começa a publicar-se El Unico, Publicação Individualista, um dos raros jornais anarquistas individualistas da América Latina.
1912 Constitui-se em Portugal a Federação Anarquista da Região Norte. Tranbalhadores anarco-sindicalistas bolivianos criam a Federación Obrera Internacional (FOI). Morre Voltairine de Clayre, agitadora anarquista americana. É criada em Itália a União Sindical Italiana (USI), anarco-sindicalista. Morre em tiroteio com a polícia Jules Bonnot, ilegalista e anarquista francês. No Chile é editado o jornal La Batalla, um dos mais importantes periódicos anarquistas do país.
1913 Segundo Congresso Operário Brasileiro mantém a linha sindicalista revolucionária. Em Portugal formam-se as Juventudes Sindicalistas. Em Lisboa edita-se o importante jornal anarquista Terra Livre, dirigido pelo luso-brasileiro Pinto Quartim. Criação da Unión Obrera de Colombia.
1914 Começa a Primeira Guerra Mundial dividindo o movimento socialista (inclusive os anarquistas) sobre a posição a tomar. Começa a se publicar, no Rio de Janeiro, A Vida, a principal revista anarquista do começo do século. Reúne-se em São Paulo a Conferência Libertária. Semana Vermelha em Itália, onda de greves e agitações, desencadeada pela USI, paraliza o país.
1915 Tentativa de formar uma confederação anarco-sindicalista no México, resulta infrutífera pela violenta repressão desencadeada no ano seguinte. Congresso Internacional da Paz, realiza-se no Rio de Janeiro, com representações de vários estados brasileiros e delegados da Argentina. Realiza-se em Ferrol (Espanha) o Congresso Mundial Contra a Guerra, com delegados de vários países. Realiza-se no Rio de Janeiro o Congresso Anarquista Sul-americano, reunindo delegados do Brasil, Argentina e Uruguai.
1916 Morre James Guillaume o mais conhecido militante anarquista suiço, miliante da AIT e fundador da Federação do Jura, que seria o centro difusor do anarquismo do século XIX. Esta Federação recebeu e apoiou militantes anarquistas de todo o mundo. Realiza-se no México um Congreso Obrero Nacional que cria a Federación del Trabajo de la Región Mexicana, anarco-sindicalista. O revolucionário anarquista mexicano Flores Magón é condenado, nos Estados Unidos, a 20 anos de prisão.
1917 Explode a Revolução Soviética. O Partido Social Democrata Russo, de Lenin, desencadeia ações militares que lhe dão o poder. Inicia-se a publicação de A Plebe, o mais importante jornal anarquista brasileiro. No Chile é criada a IWW, organização sindicalista revolucionária.
1918 Inicia-se no Rio de Janeiro a greve geral revolucionária que ficou conhecida por Insurreição Anarquista de 1918 do Rio de Janeiro. Publica-se, no Porto, Portugal, A Comuna, um dos mais destacados títulos da imprensa anarquista. No Brasil os anarquistas criam os Comitês Populares contra a Carestia de Vida. Chega à Argentina Diego Abad Santillán um dos mais importantes militantes e intelectual anarquista do nosso século, autor de uma vasta obra que inclui livros sobre o anarquismo e sindicalismo na Argentina.
1919 O anarquista português Manuel Ribeiro funda a Federação Maximalista Portuguesa, a primeira organização a defender o leninismo no país e que viria a dar origem ao Partido Comunista. No mesmo ano no Brasil é fundado o chamado Partido Comunista do Rio de Janeiro, que mistura anarquismo e maximalismo. Em Portugal, em Coimbra, no Segundo Congresso Operário Nacional, foi fundada a Confederação Geral do Trabalho (CGT), anarco-sindicalista e inicia-se a publicação do jornal A Batalha, o mais importante jornal anarco-sindicalista português. Semana Trágica em Buenos Aires, greve geral violentamente reprimida, com centenas de mortos. É criada no Chile a IWW, central sindical de afinidade anarco-sindicalista. É morto após a derrota da Revolução Alemã, o pensador anarquista Gustav Landauer. É fundada a organização anarco-sindicalista alemã Freie Arbeiter Union (FAU). É criada em Moscou, a Internacional Comunista, conhecida por Terceira Internacional.
1920 Realizam-se, em Portugal, inúmeras greves, incluindo duas greves gerais. Morre precocemente em Portugal, Neno Vasco, um dos mais importantes militantes anarquistas de Portugal e do Brasil. Realiza-se o Terceiro Congresso Operário Brasileiro. Kropótkin escreve várias cartas a Lenin criticando a evolução autoritária da Revolução Russa. É fundado em Milão o diário anarquista Umanità Nuova. No Chile começa a publicar-se Claridad, a mais importante revista ácrata. Neste último país, durante a vaga repressiva deste ano, morreu na prisão o poeta libertário Gómez Rojas.
1921 Morre na Rússia o pensador anarquista Piotr Krópotkin, depois de um longo exílio na Europa. O seu funeral foi a última grande manifestação livre dos anarquistas russos. Violenta repressão, na União Soviética, contra o soviete de Kronstadt e contra o movimento maknovista, abre caminho à violência autoritário do Partido Comunista. É criado em Moscou a Internacional Sindical Vermelha (PROFINTERN) tendo por objetivo ampliar a influência dos partidos comunistas sob o movimento operário. As tropas argentinas massacram os trabalhadores anarco-sindicalistas da Patagônia.
1922 Morre o importante escritor Lima Barreto autor de livros como Triste Fim de Policarpo Quaresma, colaborador da imprensa operária e simpatizante anarquista. Terceiro Congresso Operário Nacional em Portugal reafirma o sindicalismo revolucionário. Fundação do Partido Comunista do Brasil, aderente à Terceira Internacional, entre os fundadores estão vários ex-anarquistas. Marcha sobre Roma dos fascistas italianos, leva Mussolini ao poder, desencadeando a repressão sobre o movimento operário e socialista. Em Salvador é fundada a Unión Obrera Salvadoreña, de tendência anarco-sindicalista e em Cuba a Federación Obrera de la Habana (FOH). Nos Estados Unidos morre, de forma suspeita, na prisão o anarquista mexicano Flores Magón. No Chile é fundada uma nova organização anarco-sindicalista, Federación Obrera Regional de Chile (que desaparece em 1927) e vai coexistir com a IWW também sindicalista revolucionária.
1923 É publicado um dos mais importantes livros anarquistas em língua portuguesa, A Concepção Anarquista de Sindicalismo, de Neno Vasco. Em Portugal greve geral de solidariedade com os mineiros. Realiza-se em Alenquer (Portugal) uma Conferência Anarquista que decide a criação da União Anarquista Portuguesa (UAP). No México é fundada a Alianza Local Mexicana Anarquista (ALMA). No Peru anarco-sindicalistas criam a Federación Regional de Obreros Indios. O anarquista Kurt Wilckens mata na Argentina o coronel Varela, que comandou o massacre da Patagônia.
1924 Manifestações em vários países, incluindo Portugal e Brasil de solidariedade com os anarquistas Sacco e Vanzetti. Criação, em Bogotá, do Grupo Sindicalista Antorcha Libertária, no ano seguinte seria criada a Federación Obrera del Litoral Atlântico (FOLA), anarco-sindicalista. É fundado por anarco-sindicalistas, no Panamá, o Sindicato General de Trabajadores. O anarquista colombiano Biófilo Panclasta participa de lutas operárias em São Paulo o que leva à sua prisão de deportação para o campo de concentração da Clevelândia, de onde veio a fugir. Chega à Argentina o militante anarquista francês Pierre Piller (Gaston Leval). No Chile a adoção do Código Trabalhista e de uma política de integração dos sindicatos no Estado, dá um rude golpe no sindicalismo autônomo.
1925 É fundada em Cuba a Confederación Nacional Obrera de Cuba, anarco-sindicalista. Realiza-se na Colômbia o Segundo Congresso Operário que decide criar a Confederación Obrera Nacional.
1926 Golpe Militar em Portugal abre o caminho à ditadura fascista, visando responder ao crescimento das lutas operárias. Chega ao México o escritor e militante anarquista de origem polaca Ret Marut, que passou a assinar seus livros como Bruno Traven. Formação do primeiro grupo anarquista da Guatemala.
1927 Em Valência foi fundada a Federação Anarquista Ibérica (FAI) reunindo as organizações anarquistas das várias nacionalidades da península ibérica. Junto com a CNT, seriam as organizações que tiveram o papel decisivo na Revolução Espanhola de 1936. São mortos nos Estados Unidos Nicola Sacco e Bartolomeu Vanzetti, trabalhadores anarquistas italianos, num processo judicial fraudulento, que provocou a indignação do movimento operário internacional. Greve na Colômbia marca o momento mais alto do sindicalismo revolucionário no país.
1930 Golpe militar no Brasil prepara o caminho para a ditadura de Getúlio Vargas. Golpe militar do general Uriburu impõe uma ditadura a que seguirá uma outra de Perón, que destruirá o sindicalismo autônoma na Argentina.
1931 É fundada no Chile a Federación General de Trabajadores (CGT) anarco-sindicalista, com uma estrutura semelhante à FORA argentina. Morre o anarquista francês Emile Pouget que, junto com Fernand Pelloutier, desenvolveu as idéias centrais do sindicalismo revolucionário. Greves em Cuba promovidas pelos anarco-sindicalistas duram vários meses.
1932 Morre em Itália, sob liberdade vigiada, Errico Malatesta, o principal agitador e pensador anarquista italiano, que atuou em vários países, inclusive na Argentina.
1933 Os nazistas chegam ao poder na Alemanha desencadeando uma onda de repressão sobre as organizações operárias e socialistas. Morre o poeta alemão John Henry Mackay, grande divulgador do pensamento de Max Stirner.
1934 A CGT portuguesa, anarco-sindicalista, desencadeia uma greve geral revolucionária em 18 de janeiro. A repressão que se seguiu, destruiu o sindicalismo revolucionário e institui o sindicalismo corporativista fascista. Começa-se a publicar em França por iniciativa de Sebastian Faure a Enciclopédia Anarquista. Diego Abad Santillán parte para Espanha onde teria um papel importante no contexto revolucionário.
1935 Morre em Paris o anarquista ucraniano, Nestor Mackhno, que teve de se refugiar no ocidente após ser perseguido pelo governo russo. Morre, no Uruguai, o militante anarquista italiano Luigi Fabbri, companheiro de Malatesta que desenvolveu intensa atividade na Europa e no Uruguai. Os anarquistas cubanos participam da luta contra a ditadura de Batista. É fundada clandestinamente na Argentina a Federación Anarco-Comunista Argentina (FACA)
1936 Como resposta ao golpe fascista do general Francisco Franco, os trabalhadores, sindicalistas e anarquistas assaltam os quartéis desencadeando um processo revolucionário libertário que teve de se confrontar com os fascistas de Franco, apoiados por Hitler, Mussoluni e Salazar e, internamente, com os estalinistas. O revolucionário Victor Serge, ex-anarquista, que se tornou militante do Partido Comunista da União Soviética, consegue exilar-se no ocidente, após um movimento internacional de solidariedade, vindo a denunciar os crimes do estalinismo. É morto a tiro em Madrid, em condições nunca esclarecidas, Buenaventura Durruti, o mais famoso revolucionário anarquista do nosso século.
1937 Realizam-se vários atentados em Portugal contra objetivos ligados aos fascistas espanhóis e alguns militantes anarquistas e comunistas executam um atentado contra o ditador Salazar, que consegue escapar com vida. Militantes operários, incluindo anarquistas e comunistas são deportados para o campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde. É implantada no Brasil a ditadura de Getúlio Vargas, adotando uma constituição de tipo fascista, passando a desencadear a sistemática repressão contra o movimento operário e particularmente sobre os anarquistas. É morto por estalinistas em Espanha o militante anarquista italiano Camilo Berneri. É criada em Portugal a Federação Anarquista da Região Portuguesa (FARP).
1939 As tropas de Franco derrotam as forças anti-fascistas, seguindo-se uma violenta repressão e o exílio de centenas de milhares de operários e anarquistas, que se refugiam em França, vindo alguns mais tarde para a América Latina. Franco e Salazar estabelecem o Pacto Ibérico, fundamentalmente destinado a articular a repressão contra o movimento operário. Começa a Segunda Guerra Mundial desencadeando-se a expansão nazi-fascista. Morre em Monte Carlo, Benjamin Tucker um dos mais destacados pensadores libertários americanos.
1940 Morre Emma Goldman militante anarquista de origem russa, que teve uma importância central no anarquismo dos EUA. Expulsa em 1919 para a Rússia teve de deixar o país pelas suas críticas à evolução autoritária da Revolução Soviética. Foi uma das primeiras vozes a se levantar contra o autoritarismo comunista.

Bibliografia: Arquivo de História Social Edgar Rodrigues (2010)

Leia tbm: Calendário Revolucionário – Datas Revolucionárias

4 comments on “Cronologia do Anarquismo
  1. Pingback: Resumo conceitual de Capitalismo, Socialismo, Comunismo e Anarquismo

  2. Pingback: História do Anarquismo

  3. Pingback: Biblioteca Virtual Anarquista

  4. Pingback: Cronologia do Anarquismo Russo

Deixe uma resposta