Anarquistas contra o Estado

Eis uma breve análise de alguns dos grandes precursores do Anarquismo sobre a instituição “Estado”

AnarquistasXEstado

NATUREZA DO ESTADO.
(Gaston Leval, anarco-sindicalista)

Bakunin é inimigo do estado, Max também, em teoria, ao menos. Todavia, Max considera que o estado proletário, ou socialista, pode agir a serviço do povo, enquanto seu adversário não diferencia o Estado, dito proletário, do estado monárquico ou republicano. Para ele, essencialmente, o estado não pode ter outro objetivo ou dar outros resultados senão a opressão e a exploração das massas populares, seja defendendo os proprietários, os patrões, os capitalistas, seja se tornando ele próprio proprietário, patrão, capitalista.
Mesmo quando ele serve os privilegiados, a grande razão de sua existência é antes de tudo ele mesmo, sua vontade de durar, de estender seu poder politico e econômico, o segundo dependente do primeiro, em detrimento, se necessário, daqueles que ele “ protege”. ”

O Estado : seu papel histórico
Petr Kropotkin, anarco-comunista.

“Quando a gente analisar de perto os fatos decorrentes da atividade dos Estados modernos , entendemos até que ponto toda a vida das nossas sociedades civilizadas não depende de fatos da evolução econômica nos países , mas na maneira pela qual , na realidade , os Estados modernos são especialmente constituído para estabelecer privilégios em favor dos ricos, em detrimento dos pobres. As grandes casas financeiras de cada nação sempre estabelecer a lei em todas as questões políticas de importância … É a aprovação ou desaprovação de financistas que faz e desfaz Ministérios em toda a Europa ….
Afinal, como um Ministro , mas é um homem que se aferra ao seu escritório , o seu poder , e as possibilidades de enriquecimento que o cargo oferece a ele e aos seus apoiantes , segue-se necessariamente que a questão das relações internacionais é hoje , finalmente, reduzida a saber se os monopolistas favorecidas de um determinado Estado vai tomar tal ou tal atitude para com os favoritos do mesmo calibre em outro Estado .
Assim, o estado das forças econômicas trazidas na ação é determinada pelo desenvolvimento técnico de diversas nações em um determinado momento de sua história , mas o uso que será feito dessas forças depende inteiramente do grau de servidão para com o seu Governo para que as populações se permitiram ser reduzidos.
As forças econômicas que poderiam produzir harmonia e bem -estar , e dar um novo impulso à civilização libertário se tivessem folga na sociedade, – essas forças, sendo dirigidos pelo Estado , isto é , por uma organização , especialmente desenvolvido para enriquecer os ricos e para absorver todo o progresso moderno , a fim de beneficiar as classes privilegiadas – essas mesmas forças tornar-se um instrumento de opressão , de monopolistas e guerras intermináveis . Eles aceleram o enriquecimento do favorecido , e aumentar a miséria ea enthralment dos pobres.
É por isso que os economistas que continuam a considerar as forças econômicas por si só , sem analisar os limites dentro dos quais a ação é circunscrita nos dias de hoje – sem levar em conta a ideologia do Estado , ou as forças que cada Estado necessariamente coloca a serviço dos ricos , de modo a favorecer o seu enriquecimento às custas dos pobres – é por isso que esses economistas permanecem completamente fora das realidades do mundo econômico e social ” .

A NEGAÇÃO DO ESTADO E AUTORIDADE.
(Nestor Makhno, anarco-comunista ucraniano)

As ideologias da burguesia definem o Estado como o órgão que regulariza as complexas relações políticas, civis e sociais entre os homens na sociedade moderna, e protege a ordem e leis destes. Os anarquistas estão em perfeito acordo com esta definição, mas eles a completam afirmando que a base desta ordem e destas leis é a escravidão da grande maioria das pessoas pela minoria insignificante, e que é precisamente este propósito que é servido pelo Estado.

O Estado é simultaneamente a violência organizada da burguesia contra os trabalhadores e o sistema de seus órgãos executivos.

Os socialistas de esquerda, e em particular os bolchevistas também consideram o Estado e a Autoridade burgueses como empregados do capital. Mas eles mantêm que esta Autoridade e o Estado pode tornar-se, nas mãos de partidos socialistas, uma arma poderosa na luta pela emancipação do proletariado. Por esta razão, estes partidos são a favor de uma Autoridade socialista e um Estado proletário. Alguns querem conquistar poder através de meios parlamentares pacíficos (o social democrático), outros por meios revolucionários (os bolchevistas, os ‘sócio-revolucionários’ de esquerda).

O anarquismo considera estes dois fundamentalmente errados, desastrosos no trabalho pela emancipação dos trabalhadores.

A Autoridade sempre depende da exploração e escravidão da massa de pessoas. Ela nasce desta exploração, ou é criada dentro dos interesses desta exploração. A Autoridade sem violência e sem exploração perde toda razão de ser (raison detre).

O Estado e a Autoridade tiram toda iniciativa das massas, matam o espírito de criação e atividade livre, cultivam nelas a psicologia servil de submissão, de expectativa, de esperança de escalar a escada social, de confiança cega em seus líderes, de ilusão de compartilhamento em autoridade.

O ESTADO SOCIALISTA
(Errico Malatesta, anarquista italiano)
Os socialistas democratas declaram querer apoderar-se do Estado para destruí-lo, mas, sem dúvida nenhuma, estas declarações são, na realidade, artifícios condenáveis de polêmica, ou ainda, se elas são sinceras, é porque foram proferidas por anarquistas que estão se formando e que ainda se consideram democratas.
Os verdadeiros socialistas democratas fazem uma idéia bem diferente da “conquista dos poderes públicos”. No Congresso de Londres (1896), para citar apenas uma declaração recente e solene, eles disseram claramente que é necessário conquistar os poderes públicos “para legislar e administrar a nova sociedade”. E, no último número do La Critica Sociale, pode-se ler que “é um erro acreditar que, uma vez no poder, o partido socialista poderá ou desejará diminuir os impostos. Ao contrário, o Estado deverá, através de um aumento gradual dos impostos, absorver gradualmente a riqueza privada para pôr em obra as grandes reformas que o socialismo se propõe (criação de Caixas para os velhos, inválidos, acidentados do trabalho; sistema escolar digno dos países civilizados; indenização dos grandes capitais etc.)”. Ele se encaminhará assim, para “o objetivo longínquo do perfeito comunismo, onde tudo se tornará um serviço público e onde a riqueza privada e a riqueza da sociedade serão uma única e mesma coisa”.
É, portanto, exatamente um governo que os socialistas democratas nos prometem; um governo com seu cortejo de fiscais, coletores, oficiais de justiça (para os contribuintes retardatários), policiais e guardas de prisão (para quem expulsar o oficial de justiça pela janela), juízes, administradores dos fundos públicos, com seus programas escolares e ensinamentos oficiais; com sua administração da dívida pública para pagar os juros dos capitais indenizados etc. etc; e, naturalmente, com seu corpo legislativo, que faz as leis e estabelece os impostos e ministros de todos os tipos que fazem aplicar e executar as leis.
Poderão existir diferenças em relação a isso: modalidades diferentes, tendências mais ou menos centralizadoras, métodos mais ou menos ditatoriais ou democráticos, procedimentos mais ou menos rápidos ou graduais. Mas no fundo, estão todos de acordo, porque aí está a própria substância de seu programa.

Veja também: Como o Estado atua e oprime as liberdades dos indivíduos

Deixe uma resposta