A Ética do Anarquismo

A Ética do Anarquismo

A Ética do Anarquismo

Pode-se entender ética como aquilo referente aos valores morais nas práticas humanas, aquilo que seria certo ou errado como forma de conduta. Considerando que vivemos em uma sociedade capitalista, ou melhor, em uma sociedade fundamentada na lei do egoísmo, do lucro pela desvantagem do próximo, na exploração do homem e degradação do planeta, e, principalmente, na total alienação do indivíduo do controle de seu trabalho, sua vida social, sua educação, sendo utilizado como instrumento, como força social de acordo com o interesse das classes ou grupos dirigentes. Enfim, considerando tudo isso, é fácil identificar que tipos de ética e moral estão presentes em nossa formação: uma moral construída pela burguesia e uma ética coerente com essa moral, tudo isso viciando nossas práticas sociais com a ideologia do patrão, do político, do capitalista, da elite, do militar, de toda a escória que nos educa a servir e obedecer sem questionar, a tratar o próximo como um concorrente ou inimigo. Assim somos educados pelo estado, pelas classes dominantes ou qualquer outro grupo organizado que exerça e impõe sua influência perniciosa sobre a maioria da sociedade, através de sua moral podre e pela repressão de seus empregados, utilizando-se da força e da lei.

O que é Anarquismo e o que o Anarquismo propõe? Existe esta situação em que vivemos, um sistema que nos leva a morte, destruindo as relações sociais em proveito do interesse de uma minoria. Nós, Anarquistas temos uma crítica a este sistema e propomos uma mudança radical, revolucionária, uma ruptura com tal prática de relação social e econômica. Queremos o controle, pela sociedade, de seu trabalho, saúde, educação e tudo mais que lhe diga respeito, e nosso objetivo é estar atuando no meio social, transformando o cotidiano, construindo alternativas, enfim, propagando nosso ideal pela ação, pela prática. O Anarquismo é esse instrumento de transformação, e só é possível construir o Anarquismo praticando-o, vivendo-o.

E onde entra a ética Anarquista nisso? Procurando por em prática o Anarquismo, esse instrumento de luta social, o mesmo tem como base os princípios Anarquistas, aquilo em que acreditamos e pelo qual lutamos, tais como o apoio mútuo, autogestão, internacionalismo, liberdade, princípios que são a essência do movimento e o que caracteriza o pensamento Anarquista. E a ética Anarquista, nossa conduta, deve estar sempre coerente com estes princípios. Se a moral hipócrita burguesa educa para formar escravos egoístas, reprodutores de sua ideologia, nós Anarquistas propomos uma outra educação, aquela que busque criar indivíduos preocupados com o bem estar da sociedade e do meio em que vivem, vendo o próximo com respeito e igualdade. Entendendo-se educação aqui como tudo aquilo que assimilamos e reproduzimos enquanto vivendo em sociedade, essa educação que propomos, essa ética, só virá através da prática, seja em qualquer atuação social, seja em um grupo de estudos, em uma ocupação de terreno, em uma comunidade ou no sindicato, para nós a prática deve estar coerente com nossos princípios.

Acreditamos que a prática determina quem se é e o fim ao qual se vai chegar. O capitalista e o autoritário podem utilizar-se do discurso para enganar, mas suas práticas fazem com que suas máscaras caiam, e levam a fins que conhecemos bem, fins que estão de acordo com suas ações. Acreditamos que ser anarquista não é algo que se possa abdicar em favor de um suposto objetivo ou quando não for do nosso interesse, devemos sê-lo sempre, no trato com as pessoas, nas relações afetivas, na militância, etc. É claro que isso não quer dizer que devemos estar falando de Anarquismo sempre e com todos como um fanático religioso, ou sair por aí espancando os patrões e as autoridades (embora isso dê vontade). Vivemos e crescemos em uma sociedade injusta, desigual e autoritária, muitos de nós temos que alienar nossa força de trabalho para um patrão ou proprietário, e nossas relações muitas vezes são com pessoas que reproduzem a ideologia do capital. Mas, e aí está nosso diferencial, se nós somos Anarquistas e propomos e lutamos por uma sociedade justa, igual e não hierarquizada, nós não podemos ter uma prática, uma ética, na vida política e outra na vida particular, ou então agirmos como canalhas com os companheiros ou manipularmos politicamente as pessoas com base em sofismas e calúnias, tudo em nome de um suposto Anarquismo. Estar na luta é também buscar limpar-se dos vícios do sistema estatal/burguês autoritário, não adianta nada falarmos em Anarquismo e ao mesmo tempo caluniar, ser sexista, tentar coagir, intimidar para exercer influência, etc. Estar na luta é fazer a revolução agora, com cada passo conquistado, tentando mudar a realidade hoje e não por partes, em uma racionalização pobre que tenta desassociar as ações no presente com os resultados no futuro.

Temos que ser um exemplo pelas nossas ações, seja pelo que fazemos e como fazemos. Vamos deixar os rótulos, a individualização, o pragmatismo cego e implacável para o capitalismo, que, em sua conduta, não vê impedimento e passa por cima de tudo e todos para que uma minoria tenha seu poder e seu lucro garantidos. Sejamos Anarquistas, não da boca pra fora, no discurso sedutor, mas atuando socialmente e tendo nossa ética condizente com nossos princípios. Nós Anarquistas lutamos para que a maioria explorada fortaleça-se em relações sociais justas, iguais e não hierarquizadas, para que, organizada, ponha fim à ditadura do egoísmo.

Coletivo de Estudos Anarquistas Domingos Passos

, , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *