Anarquismo e Religião

Os adeptos do anarquismo tradicionalmente têm sido contra as religiões organizadas e institucionalizadas, que os anarquistas vêem como, em sua maioria, hierárquicas e estreitamente alinhadas com estruturas contemporâneas de poder como o Estado e o domínio do capital. No entanto, isto não significa que sejam opostos à sistemas de crenças pessoais ou coletivos, que nem sempre estão relacionados ao autoritarismo das religiões mais institucionalizadas. O anti-autoritarismo é um tema central entre alguns grupos religiosos.

Alguns anarquistas notáveis foram religiosos, como Leo Tolstoi e Ammon Hennacy, ambos crentes fiéis dos princípios da não-violência e do anarquismo cristão.

Durante a Revolução Espanhola muitos anarquistas espanhóis eram também espíritas conseguindo estabelecer paralelos entre o anarquismo e o espiritismo. Outros anarquistas como Gary Snyder e Diane di Prima encontraram fortes ligações entre o pensamento e ação anarquista nos preceitos do budismo. Muitos no entanto, se consideram deístas, agnósticos ou mesmo ateus. Também a lista de anarquistas judeus é vasta.

O movimento anarquista não advoga em favor do ateísmo ou agnosticismo, mas em muitas ocasiões sua luta anti-autoritária se estendeu ao anti-clericalismo. O problema, portanto, está na consolidação em forma institucional da fé religiosa, tornando-se um instrumento de exploração dos homens.
Desta forma, o que os anarquistas negam é a instituição “Igreja” em todas as suas formas, e não a Igreja enquanto templo de fé, pelos seguintes fatores:
– A sua conivência, conciliação e apoio à dominação capitalista – em especial, pela defesa da propriedade privada;
– Pela sua estrutura completamente vertical, a qual segrega o corpo religioso e toda a humanidade de forma a selecionar os beneficiados e os dignos dos poderes espirituais;
– Pelas intervenções em campos não espirituais, criando, por meio da doutrina fundamentalista, uma série de empecilhos ao desenvolvimento social e humano como um todo;
– Pelo processo de alienação do ser humano em relação à sua realidade, fazendo o indivíduo, muitas vezes, delegar a entes imaginários, espirituais, as transformações humanas que, na verdade, cabem a ele mesmo ajudar a promover.
Por fim, os anarquistas acreditam que o que cada um pensa ou crê, não importa ao próximo, desde que a Liberdade e todos os demais princípios anarquistas não sejam ofuscados de forma alguma.

Religião ≠ Religiosidade

A religiosidade transcende em foro íntimo, sem coerção, manipulação ou qualquer tipo de interesse.

A religião faz 3 coisas com bastante eficiência:

– Divide as pessoas
– Controla as pessoas
– Engana as pessoas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *