A propriedade é um roubo de Pierre Joseph Proudhon – Livro

A propriedade é um roubo de Pierre Joseph Proudhon – Livro

A-propriedade-e-um-roubo-de-Pierre-Joseph-Proudhon-Livro

Se eu tivesse de responder à seguinte questão:
o que é a escravidão? E a respondesse numa única palavra: é um assassinato, meu pensamento seria logo compreendido. Eu não teria necessidade de um longo discurso para mostrar que o poder de tirar ao homem o pensamento, a vontade, a personalidade é um poder de vida e de morte, e que fazer um homem escravo é assassiná-lo. Por que então a esta outra pergunta: o que é a propriedade? Não posso eu responder da mesma maneira: é um roubo, sem ter a certeza de não ser entendido, embora esta segunda proposição não seja senão a primeira transformada? Eu tento discutir a própria origem de nosso governo e de nossas instituições, a propriedade; estou no meu direito: posso me enganar na conclusão que resultará de minhas pesquisas; agrada-me colocar o último pensamento de meu livro no início; estou sempre no meu direito. Tal autor explica que a propriedade é um direito civil, nascido da ocupação e sancionado pela lei; tal outro sustenta que ela é um direito nacional, tendo sua fonte no trabalho, e estas doutrinas, por mais opostas que pareçam, são estimuladas, aplaudidas.

Trecho:
”A liberdade é igualdade, porque a a liberdade não existe senão no estado social, e fora da igualdade não há sociedade. A sociedade é anarquia, porque ela não admite o governo da vontade, mas somente a autoridade da lei, isto é, da necessidade. A liberdade é variedade infinita, porque ela respeita todas as vontades, nos limites da lei.”

Baixar o livro: A propriedade é um roubo de Pierre Joseph Proudhon – Livro

,
2 comments to “A propriedade é um roubo de Pierre Joseph Proudhon – Livro”
  1. Pingback: Dois séculos atrás, os anarquistas imaginaram um mundo sem chefes, leis ou políticos. Hoje, a tecnologia está tornando esse sonho - ou pesadelo - mais próximo do que você imagina

  2. Pingback: O Que é a Propriedade? Livro de Pierre Joseph Proudhon

Deixe uma resposta