Violência Policial em protestos, como enfrentá-la?

2 - Protestos 31-05-2013 Turquia

Violência Policial em protestos, como enfrentá-la?

Violência Policial em protestos, como enfrentá-la?

“Durante o conflito e imediatamente após o combate, os operários, antes de tudo e tanto quanto possível, têm de agir contra a pacificação burguesa e obrigar os democratas a executar as suas frases terroristas. Têm de trabalhar então para que a imediata efervescência revolucionária não seja de novo logo reprimida após a vitória. Pelo contrário, têm de mantê-la viva por tanto tempo quanto possível. Longe de opor-se aos chamados excessos, aos exemplos de vingança popular sobre indivíduos odiados ou edifícios públicos aos quais só se ligam recordações odiosas, não só há que tolerar estes exemplos mas tomar em mão a sua própria direcção.” (Karl Marx/Friedrich Engels – Mensagem da Direcção Central à Liga dos Comunistas)

Nos últimos anos, muitos protestos populares foram sufocados pela ação truculenta da polícia militar, principalmente com sua tropa especial serviçal das classes dominantes, o Bope. Será que contra a polícia armada, pode-se fazer alguma coisa?

O Estado brasileiro, essa ditadura civil burguesa-latifundiária, mascarada de democracia, sabe muito bem que nos últimos anos vêm crescendo o protesto popular em todos os cantos do país. Em bairros pobres, morros e favelas, moradores se erguem com pedras, fogos e coquetéis molotovs (granadas incendiárias) contra a violência natural dos aparelhos de repressão. Basta citar alguns exemplos nos quais o POVO se rebelou contra as injustiças cometidas pelas classes opressoras: Cururupu, Maranhão; Heliópolis e Paraisópolis, São Paulo. Matriz do Camaragibe, Alagoas; Ibatiba, Espírito Santo; Paragominas, Pará; Morro da Providência, Rio de Janeiro etc. Em todas estas revoltas o povo se levantou com uma legítima fúria contra a polícia militar.

Esse tipo de protesto violento é um dos únicos caminhos que educam as massas na necessidade de aplicar a violência revolucionária contra o estado. É preciso difundir para as massas o novo tipo de protesto, o tipo violento contra a opressão e as injustiças. Isso permite que fagulhas sejam criadas pelo país. É a violência revolucionária sendo desenvolvida nas mentes das massas.

Aqui surge uma pergunta: O que fazer quando a PM interfere em protestos com violência, com a famosa truculência? A resposta é: Deve-se atacar a repressão! Atacar a opressão não é atacar necessariamente a tropa, mas atacar tudo aquilo que represente ou que seja protegido pelo estado repressivo.

Vandalismo X Baderna

Se as forças populares forem insuficientes para um confronto direto com a PM, deve-se recuar, mas não fugir. Deve-se transformar o recuo em ataque. Como? Destruído tudo o que represente o estado!Apedrejar bancos, carros do governo, ônibus etc. Destruir tudo o que represente o governo… podemos chamar esta tática de enfrentamento de “Vandalismo“.

O que diferencia a tática do quebra-quebra do vandalismo é o seu alvo: o quebra-quebra tem como alvo pessoas inocentes. O “vandalismo” que responda à violência policial deve ser aquele que somente ataca os símbolos burgueses e latifundiários.(Somos contra violência e a favor da resistência)

Saudações! Desenvolver o protesto popular!
Contra o Estado Burguês, rebelar-se é justo!

ESCRITO POR JUAN PABLO CHANG

Se o camarada estiver precisando de um suporte teórico mais eficiente e aprofundado recomendamos enfaticamente o “Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano” (Carlos Marighella).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *