Rei Leopoldo II da Bélgica – Assassinou de mais de 10 milhões de pessoas no Congo

Dê uma olhada nesta foto. Sabe quem é? A maioria das pessoas não ouviu falar dele.

Mas deveria. Quando você vê seu rosto ou ouve seu nome, você deveria sentir embrulhos no estômago tanto quanto quando leu sobre Mussolini ou Hitler. Saiba você, ele matou mais de 10 milhões de pessoas no Congo.

O nome dele é o rei Leopoldo II da Bélgica.

Ele “possuía” o Congo durante seu reinado como o monarca constitucional da Bélgica. Depois de várias tentativas coloniais fracassadas na Ásia e na África, ele estabeleceu-se no Congo. Ele “comprou” e escravizou seu povo, transformando todo o país em sua própria plantação de escravos pessoais. Ele disfarçou suas transações comerciais como esforços “filantrópicos” e “científicos” sob a bandeira da Sociedade Africana Internacional. Ele usou seu trabalho escravizado para extrair recursos e serviços congoleses. Seu reinado foi cumprido através de campos de trabalho, mutilações corporais, execuções, tortura e seu exército particular.

A maioria de nós – eu ainda não sei uma porcentagem aproximada, mas receio que seja extremamente alta – não é ensinada sobre ele na escola. Nós não ouvimos falar dele na mídia. Ele não faz parte da narrativa amplamente repetida de opressão (que inclui coisas como o Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial). Ele faz parte de uma longa história de colonialismo, imperialismo, escravidão e genocídio na África que colidirão com a construção social da narrativa da supremacia branca em nossas escolas. Não se encaixa perfeitamente em um currículo capitalista. Fazer observações abertamente racistas (às vezes) são mal vistos na sociedade educada, mas é bastante bom não falar de genocídios na África perpetrados por monarcas capitalistas europeus.

Mark Twain escreveu uma sátira sobre Leopold chamada ” Soliloquio do rei Leopold”; uma defesa de sua regra do Congo”, Onde ele zombou da defesa do rei de seu reinado de terror, em grande parte através das próprias palavras de Leopold. Tem 49 páginas. Mark Twain é um autor popular para escolas públicas americanas. Mas, como a maioria dos autores políticos, muitas vezes lemos alguns dos seus menos escritos políticos ou lemos-os sem saber por que o autor os escreveu (como A Revolução dos Bichos de Orwell, por exemplo, serve para reforçar a propaganda americana anti-socialista, mas Orwell era um anti-capitalista revolucionário de um tipo diferente – isso nunca é apontado). Podemos ler sobre Huck Finn e Tom Sawyer, mas o Soliloquio do rei Leopold não está na lista de leitura. Isso não é por acaso. As listas de leitura são criadas por conselhos de educação, a fim de preparar os alunos para seguir as ordens e suportar bem o tédio. Do ponto de vista do Departamento de Educação, os africanos não têm história.

Quando aprendemos sobre a África, nós aprendemos sobre um Egito caricaturizado, sobre a epidemia de HIV (mas nunca suas causas), sobre os efeitos do comércio de escravos no nível superficial e talvez sobre o Apartheid sul-africano. Também vemos muitas imagens de crianças famintas em comerciais do Ministério cristão, vemos safaris em shows de animais e vemos imagens de desertos em filmes e documentários. Mas não aprendemos sobre a Grande Guerra Africana ou o Reinado do Terror de Leopold durante o Genocídio congolês. Nem aprendemos sobre o que os Estados Unidos fizeram no Iraque e no Afeganistão, potencialmente matando mais de 5 a 7 milhões de pessoas com bombas, sanções, doenças e fome. As contagens de corpos são importantes. E não contamos afegãos, iraquianos ou congoleses.

Há uma página da Wikipedia chamada “Genocídios na História”. O genocídio congolês não está incluído. Contudo, o Congo é mencionado. O que agora é chamado de República Democrática do Congo é listado em referência à Segunda Guerra do Congo (também chamada Guerra Mundial de África e a Grande Guerra da África), onde ambos os lados do conflito multinacional caçaram Bambenga e os comeram. O canibalismo e a escravidão são males horríveis que devem ser inseridos na história e falaram com certeza, mas não pude deixar de pensar cujos interesses foram atendidos quando a única menção do Congo na página estava em referência a incidentes multinacionais onde uma pequena minoria de pessoas estava comendo umas às outras (totalmente desprovidas das condições que criaram menos conflito). Histórias que apoiam a narrativa da supremacia branca sobre a sub-humanidade das pessoas na África podem ser inscritas nos registros da história. O homem branco que transformou o Congo em seu próprio planalto pessoal, meio-campo de concentração, ministério parte-cristão e matou 10 a 15 milhões de pessoas Conglese no processo não faz a corte.

Você vê, quando mata dez milhões de africanos, você não é comparado a ‘Hitler’. Ou seja, seu nome não vem simbolizar a encarnação viva do mal. Seu nome e sua imagem não produzem medo, ódio e tristeza. Suas vítimas não são faladas e seu nome não é lembrado.

Leopold era apenas uma parte de milhares de coisas que ajudaram a construir a supremacia branca como uma narrativa ideológica e uma realidade material. Claro que não quero fingir que no Congo ele foi a fonte de todo mal. Ele tinha generais, soldados de infantaria e gerentes que faziam suas ordens e aplicavam suas leis. Era um sistema. Mas isso não anula a necessidade de falar sobre os indivíduos simbólicos do sistema. Mas nem sequer conseguimos isso. E como não se fala sobre o que o capitalismo fez na África, todos os privilégios que os brancos ricos obtêm do genocídio congolês estão escondidos. As vítimas do imperialismo são feitas, como costumam ser, invisíveis.

Esse é Nsala, um congolês que vivia no Estado Livre do Congo, no fim do século XIX. Apesar do nome, o Congo não era um Estado nem era livre. Era propriedade pessoal de Leopoldo II, o rei da Bélgica. Leopoldo II promoveu um regime cruel e genocida que escravizou a população para coletar marfim e borracha. Essa foto foi tirada por Alice Seeley Harris, uma missionária inglesa que visitava o país tentando mostrar à comunidade internacional o que acontecia lá (Leopoldo II alegava que fazia um trabalho humanitário protegendo a população). Enquanto Alice estava nessa vila, Nsala se aproximou com um saco e despejou seu conteúdo no chão. Eram as mãos e pés de sua filha de 5 anos, que foi mutilada por funcionários do governo porque ele fora incapaz de coletar a cota mínima diária de borracha.

 

Texto traduzido de Films For Action

, , ,

Deixe uma resposta