Polícia da tropa de choque invadiu o complexo do velho museu índio e tirou dezenas de povos indígenas, que durante meses resistiram a desocupação do prédio ao lado do lendário estádio de futebol, o Maracanã.

A tropa de choque da polícia invadiram um complexo museológico do velho índio e tirou dezenas de povos indígenas, que durante meses resistiram a desocupação do prédio, que serão arrasadas, como parte dos preparativos da Copa do Mundo ao lado do lendário estádio de futebol Maracanã.
Alguns dos invasores retiraram-se pacificamente. Outros foram algemados e arrastado do edifício. Eles foram transportados para habitação temporária fornecida pelo governo. Funcionários disseram que vão construir um centro cultural indiano novo que poderia fornecer habitação, mas que não estará pronta em menos de 18 meses.
Como os índios foram expulsos, um grande grupo de seus partidários entraram em confronto com a polícia, que em seguida usaram -covardemente- balas de borracha, spray de pimenta, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, e até uma arma sônica instalada no alto de um blindado da PM.


Polícia Militar chegar com veículos blindados e Arma sônica em frente ao estádio do Maracanã na sexta-feira
 
Veja no vídeo a arma sônica

 
 
Ação Covarde: Policiais utilizaram gás lacrimogêneo contra os manifestantes fora do Maracanã
 

Cerca de meia hora depois de a polícia entrou no museu, todos os índios foram expulsos para fora do prédio e os manifestantes em sua maioria dispensada com muito gás lacrimogênio e gás de pimenta. O museu tem estado no centro de uma batalha arrastado legal entre os invasores e as autoridades estaduais e locais, que querem destruir o complexo como parte de reformas antes da Copa do Mundo de 2014. O Maracanã também sediará as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos.
Funcionários não disseram o que exatamente irá substituir o museu, mas eles disseram que a área poderá ser um novo estacionamento, centro comercial e saídas do estádio expandidas.

Mulher discute com um policial revolta contra a desocupação do antigo Museu Indígena
 
 
                   O grupo indígena incluía homens e mulheres de cerca de 10 etnias, a maioria Guarani, Pataxó, Kaingangue e Guajajara, que viveu por anos em 10 casas que construíram no local de um museu indígena abandonada desde 1977.

Gabriel guajajás, um estudante de direito de 23 anos de idade, vestindo uma máscara de anônimo e brandindo uma bandeira do Brasil, disse que saiu para apoiar os índios escondidos no museu.
” Tem sido 500 anos que os homens brancos vêm explorando os povos indígenas deste continente “, disse guajajás. “O governo local quer destruir até mesmo um pouco esse pouco da cultura indiana que temos aqui na cidade. É vergonhoso. “


Um homem indígena resiste a retirada/expulsão de seu povo do Museu Indígena
 
 

Guerreiro Indígena preparando-se para lutar por suas terras, de direito. Arco e Flecha X Armas sônicas e armamento pesado, injusto né??

Ruas arruinadas ao redor do estádio também se tornarão shopping e centro de entretenimento esportivo. Mais de uma favela vizinha, a cerca de 500 metros do museu, foi demolida para dar lugar ao novo desenvolvimento.
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse em uma coletiva de imprensa em outubro que o prédio está arrasado é necessário para sediar a Copa do Mundo.

Um defensor da comunidade indígena chuta uma bomba de gás lacrimogêneo
 
 
 
Um ativista Femen é levado pela polícia enquanto protestavam contra o despejo
 
 

“O Museu do Índio perto do Maracanã será demolido”, Cabral disse então. “Ele está sendo exigido pela FIFA e pelo Comitê Organizador Copa do Mundo. Viva a democracia, mas o edifício não tem valor histórico. Nós vamos derrubá-lo. “No entanto, uma carta do escritório da FIFA no Brasil ao escritório do defensor público federal, publicado em janeiro pelo Jornal do Brasil, disse que o a FIFA ‘nunca pediu a demolição do antigo Museu indiano no Rio de Janeiro “.Os indígenas acreditavam que por sua história, teriam a lei do seu lado. A mansão em ruínas com tetos altos que abrigava o museu foi doado por um brasileiro rico para o governo em 1847 para servir como um centro para o estudo das tradições indígenas. Após o museu fechar, mais de três décadas atrás, índios de várias etnias começaram a usá-lo como um lugar seguro para ficar, quando vieram ao Rio para buscar uma educação, vender bugigangas nas ruas ou receber tratamento médico. 

 
Veja como foi a invasão dos policiais no velho museu índio:
 
 
Fonte: http://www.dailymail.co.uk
, , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *