Internacionalizando a podridão

A cidadania brasileira, em nome do patriotismo, dos bons costumes, da ética e da moral, faz questão de mostrar aos demais povos do mundo livre que o Brasil, há dez anos, encontra-se nas mãos de uma MEGA QUADRILHA, que dia a dia mais se enraíza no poder, adotando os meios mais sujos para esse fim. Nacionalmente a maioria dos veículos de comunicação estão a serviço dessa quadrilha que usa o dinheiro público para comprar corações e mentes, enganando e comprando as classes cultural e economicamente menos favorecidas.

O governo se alia aos banqueiros e mega empresários esmagando a classe média, que hoje trabalha para pagar impostos e enriquecer bandidos. Milhões foram roubados dos cofres públicos e usados na exportação de uma imagem fantasiosa e mentirosa desse crápula chamado Luiz Inácio Lula da Silva, que nos governou por oito anos e que através de um estelionato eleitoral e compra indiscriminada de votos, através de falsos programas de inclusão social, ainda conseguiu eleger como substituto uma mulher sem personalidade, sem capacidade administrativa e que hoje não passa de um ventríloco na mão de um partido repleto de corruptos e de corruptores. Sempre achei muito estranho que a imprensa internacional, séria, nunca tivesse desconfiado desse engodo. Isso para não falar da Universidade de Coimbra que concedeu a esse analfabeto o título de doutor honoris causa o que provavelmente fez o grande Luiz de Camões se revirar no túmulo. Aconselho a todos os jornalistas, que se ligam em assuntos internos do Brasil, que acompanhem o julgamento que ora se realiza na suprema corte do país e que já está mostrando com irrefutável clareza todo o podre esquema de corrupção utilizado pelos Partido dos Trabalhadores e dos outros grupelhos que, juntos, formam a maior organização criminosa já surgida na face da terra.

Internacionalizando a podridão – Texto enviado aos PRINCIPAIS JORNAIS DO MUNDO
Humberto de Luna Freire Filho, médico

, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *