Crass – banda anarco-punk inglesa

Crass - banda anarco-punk inglesa
Crass – banda anarco-punk inglesa

Crass foi uma banda anarco-punk inglesa formada em 1977 que promoveu o anarquismo como uma ideologia política, maneira de viver e como um movimento de resistência. Crass popularizou o movimento anarco-punk seminal do movimento punk, defendeu a ação direta, os direitos dos animais e o ambientalismo. A banda utilizou e defendeu uma abordagem “DIY” (faça-você-mesmo), produziu colagens de som, gráficos, discos e filmes (Christ: The Movie) por conta própria sem apoio de outras gravadoras. Crass também criticaram e tentaram subverter a cultura dominante, com o promovimento do feminismo, anti-racismo, antiguerra e antiglobalização.
Praticaram sua filosofia de “ação direta” em grafitagens feitas com tinta de spray em torno do sistema de metrô de Londres e em cartazes de publicidade, coordenando squats e organizando a ação política. A banda também expressou seus ideais vestindo-se de preto, o excesso de roupas de estilo militar e a utilização de um “backdrop” que amalgamou vários “ícones da autoridade” (incluindo a cruz cristã, a suástica e a bandeira da União) e um ouroboros.
A banda foi crítica do movimento punk em si, bem como a cultura mais ampla da juventude em geral. Crass promoveu o tipo de anarco-pacifismo que se tornou mais comum na cena da música punk. Eles também são considerados parte do gênero art punk, devido ao seu uso de colagens de fita, gráficos, lançamentos de palavras faladas, a poesia e a improvisação.
Eles influenciaram o movimento anarquista no Reino Unido, Estados Unidos e vários outros países ao redor do mundo. Com o crescimento do anarco-punk veio novas gerações de pessoas que se interessaram por idéias anarquistas. A filosofia e a estética do Crass influênciou inúmeras bandas punks da década de 1980, mesmo que poucas dessas bandas os imitavam pois cada uma tinha sua sonoridade própria (como em Yes Sir, I Will e sua última gravação, 10 Notes on a Summer’s Day ).
A banda já declarou que seus antecedentes e influências musicais raramente foram extraídas do rock, mas sim da música clássica (em particular, Benjamin Britten, em cuja obra, afirma Rimbaud, alguns riffs do Crass é baseado diretamente, Dada e avant-garde, como John Cage, bem como as performance da tradição da arte.
Sua pintura artística das capas dos discos produzidas por Gee Vaucher em preto e branco se tornou um modelo de assinatura estética e pode ser vista como uma influência sobre os artistas posteriores, como Banksy (Banksy e Vaucher, ultimamente tinha colaborado) e o movimento subvertising. Em 2007, Jeffrey Lewis que é um cantor e compositor de antifolk e autor de quadrinhos lançou 12 músicas da banda em uma coleção de versões covers.

, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *