Chega de bordões como “O gigante acordou” ou “nós mudamos o Brasil”

Chega de bordões como O gigante acordou ou nós mudamos o Brasil

Stirner, Proudhon, Bakunin e Zapata já alertavam sobre não misturar os conceitos de “Revolução” com “Rebelião”. Revolução e Rebelião não tem o mesmo significado! Rebelião e Revolução não são sinônimos!
A primeira quer o Estado, seja ele democrático ou socialista. Qualquer arranjo que perpetue a falsa liberdade, com a “soma” (Admirável Mundo Novo – Aldous Huxley) que dá ao dito revolucionário a visão de que ele é a salvação do mundo, colocando nele a audácia de dizer “sou superior perante ao povo”. Aquele que vislumbra utopias em seus devaneios, e ao menos é consciente de quão arbitrarias elas são, pois mudar a realidade a “sua imagem” é o mesmo que todos os tiranos, em todos os arranjos artificiais (Estado) tentaram fazer. A segunda, é um curso de água suja, que ao longo de seu levante diário vai purificando com sua consciência desperta. Um “anarquista inconsciente” como diria Roberto Freire. Ele tira do Estado (políticos ou reis) a poder de decisão. Retira também das instituições e movimentos as lideranças. Pois no consenso não há votação, e sim o total desenvolvimento de toda a comunidade, a partir da comunhão dos meios e dos produtos.
Nada de créditos ou classes. Nem rei, nem deuses, estarão acima da rebelião.

Atualmente a mídia brasileira tem chamado de vândalos os que se rebelam contra o Estado. Afinal é ela a “instituição” que comanda os movimentos que apoiam o Estado.

Sabe o significado de Vândalo? Segundo a Wiki, Os Vândalos eram uma tribo germânica oriental que penetrou no Império Romano durante o século V e criou um estado no norte da África ocupando a cidade de Cartago, antiga cidade fenícia que fora ocupada pelos romanos desde o fim das Guerras Púnicas. A localização de Cartago às margens do Mediterrâneo era estratégica para os Vândalos. Ali centralizaram seu Estado, e logo após se estabelecerem, saquearam Roma no ano de 455 -como forma de protesto a superioridade Romana- destruindo muitas obras primas de arte que se perderam para sempre.

Quando ouvir, onde for, que vândalos tentaram invadir a prefeitura ou foram pra cima dos policiais, lembre-se: Há quase quatro mil anos a “revolução” perpetua a miséria no mundo.

“Se a educação não for usada a serviço da liberdade, o sonho do oprimido é ser um dia o opressor” – Paulo Freire, pedagogo brasileiro.

Texto original de: Soy Tu Hermano

One comment on “Chega de bordões como “O gigante acordou” ou “nós mudamos o Brasil”
  1. Pingback: hypomnemata 202 (junho de 2018) – Nu-Sol

Deixe uma resposta