Anarco Capitalismo – Anarco-Capitalistas

AnarcoCapitalismo-AnarcoCapitalistas

AnarcoCapitalismo-AnarcoCapitalistas




O Anarco capitalismo é a mais nova mentira da direita neo liberal para a infiltração no anarquismo, e vou mais além, se der certo, eles vão falar que é uma fusão promissora se der errado, culparão o anarquismo.

O termo “anarco-capitalismo/anarco-capitalista/Ancaps“, vem sendo utilizado EQUIVOCADAMENTE para tentar associar-se com a tradição anarquista, usando a palavra “anarco” ou chamando-se “anarquistas” suas idéias são claramente em desacordo com aqueles associados com o anarquismo. Como resultado, quaisquer alegações de que suas idéias são anarquista ou que eles são parte da tradição anarquista ou movimento são falsas.

O Fato é que o ”anarcocapitalismo” é uma ideologia que serve aos interesses das classes possuidoras. Porque deste modo, elas eliminariam toda a estrutura conquistada através do poder político das classes trabalhadoras, na democracia burguesa atual.

“O AnarcoCapitalismo está para o Anarquismo assim como Emo está para Punk.”
– Xavier


Real Economia Libertária: Economia Anarquista – Como seria a economia no Anarquismo?

Como o Estado atua e oprime as liberdades dos indivíduos

Anarco-capitalismo (também conhecido como “anarquismo de mercado“) é uma filosofia política “libertária” que defende a eliminação do Estado em favor da soberania individual num mercado livre. O termo foi criado pelo economista Murray Rothbard. Numa sociedade anarco-capitalista, a aplicação da lei, os tribunais, e todos os outros serviços de segurança seriam prestados por agências de defesa privadas voluntariamente financiadas, e não através da aplicação de taxas e impostos. Segundo os anarco-capitalistas, as atividades pessoais e econômicas seriam reguladas pelas leis naturais do mercado e através de leis privadas em vez de políticas.

Anarquismo de mercado

Para os ancaps o Estado é como um bicho-papão, um ser de outro mundo, uma mistura de Darth Vader com Gargamel que só quer sugar as energias de todos os seres humanos, por isso eles devem se livrar do jugo estatal, sem nenhuma regulação e sem impostos, retornando ao mundo primitivo onde todos tenham liberdade para fazerem oque quiser, até que um dono de terras mais poderoso monte seu próprio Estado e comece tudo de novo. (desciclopedia)

Anarco-capitalismo é uma versão radical do liberalismo clássico que considera que todas as formas de governo são desnecessárias e prejudiciais para o funcionamento dos mercados, incluindo (ou especialmente) as relacionadas com a justiça e a segurança.

Não são libertários, são liberais. São contra o estado, mas não são contra a opressão financeira. Quem defende livre-mercado e propriedade dos meios de produção não é libertário.

Anarco-Capitalismo-Fail-Todinho

Em assuntos econômicos, o anarco-capitalismo defende o capitalismo como a forma de organização mais eficiente e rejeita qualquer tipo de controle governamental, impostos ou regulamentos. Considera que a segurança e a justiça são serviços como quaisquer outros, e que um mercado competitivo pode fornecer esses serviços muito melhor do que um governo monopolista.

O Anarco-Capitalismo é uma forma de capitalismo, radicalmente diferente do anarquismo nos seus objetivos. É no entanto designado pelos seus defensores como um anarquismo da propriedade privada, anarquismo do mercado livre ou anarco-liberalismo.

“É uma ideia tão esdrúxula, mais tão esdrúxula que as grandes, media e até pequenas corporações e empresas torna-se-iam pequenos Estados mais opressivos e totalitários!”

Os anarco-capitalistas defendem uma sociedade baseada no comércio livre de propriedade privada e serviços (incluindo dinheiro, bens consumíveis, terra e bens capitais) de forma a maximizar a liberdade e a prosperidade individual. No entanto, também reconhecem a caridade e os compromissos comunitários como parte da mesma ética voluntária.
Os anarco-capitalistas vêem o capitalismo de livre mercado como a base para uma sociedade livre e próspera. Murray Rothbard descreve a diferença entre o capitalismo de livre mercado e o “capitalismo de estado” como a diferença entre “a troca pacífica e voluntária” e a parceria entre empresas e governo que subvertem o mercado livre. Assim, rejeitam o Estado, baseados na ideia de que os estados são entidades agressivas que roubam a propriedade (através de impostos e expropriações), representam um monopólio do uso da força, usam os seus poderes coercivos para beneficiar alguns negócios e empresas em detrimento de outros, criam monopólios, restringem o comércio, restringem liberdades pessoais através de leis da droga, escolaridade obrigatória, recrutamento, leis de alimentação e moralidade, etc.

Os “Anarco-capitalistas” possuem a pretensão de ser anarquistas, porque eles dizem que se opõem governo. Como observado na seção anterior , eles usam uma definição de dicionário do anarquismo. No entanto, este não consegue compreender que o anarquismo é uma teoria política. Como dicionários são coisas raramente politicamente sofisticados, isso significa que eles não reconhecem que o anarquismo é mais do que oposição ao governo, também está marcada uma oposição ao capitalismo (ou seja, a exploração e a propriedade privada). Assim, a oposição ao governo é uma condição necessária, mas não suficiente para ser um anarquista – você também precisa se opor à exploração e à propriedade privada capitalista. Como “anarco-capitalistas” não consideram juros, aluguéis e lucros (ou seja, o capitalismo) para ser explorador nem se opõem aos direitos de propriedade capitalista, eles não são anarquistas.

A diferença principal entre anarco-socialistas e anarco-capitalistas é a razão porque uns e outros pretendem abolir o Estado: os primeiros pretendem aboli-lo porque este constitui uma forma de autoridade (tal como a propriedade privada, a igreja e a família); os segundos pretendem abolir o Estado porque este é uma forma de autoridade não-consentida, não-voluntária. A diferença, portanto, é a teoria de justiça de uns e de outros.
Um anarco-capitalista é um anarquista que vê o indivíduo como proprietário do seu próprio corpo e da sua própria vontade, como a unidade moral e naturalmente livre, e acredita portanto na justiça de todas as formas de organização voluntárias, reconhecendo ou não qualquer tipo de autoridade, sendo entendidas como as únicas que respeitam a natureza moral e livre do indivíduo. A ênfase subsequente na teoria de apropriação original é derivada dessa teoria moral do voluntarismo individual (por ser a única que, além de consistente com essa teoria moral, serve-lhe de moldura prática), embora a sua justificação concreta como modo de acção possa ser (e normalmente é) puramente utilitária.

VETA TBM: Por que os «anarco»-capitalistas geralmente dão pouco ou nenhum valor à «igualdade», e o que tal termo significa para eles?

Um anarquista-capitalista é portanto um anarquista que aceita certas formas de autoridade e um defensor do capitalismo que aceita certas formas não-capitalistas de organização. Mas então porquê manter a palavra anarco-capitalismo, se ela é enganadora e entendida pela maioria das pessoas como uma combinação de caos (anarquia) e exploração (capitalismo)?

A razão para manter a palavra anarquia é a seguinte: apesar de os primeiros anarquistas terem sido também socialistas, a verdade é que a parte mais visível da sua tradição é a causa de abolir o Estado. Logo, podemos legitimamente utilizar essa definição de anarquia, já que somos efetivamente contra a existência do Estado (porque o reconhecemos como o mais persistente e frequente invasor dos direitos naturais do Homem).

A razão para manter a palavra capitalismo é igualmente simples: capitalismo quer dizer «propriedade privada dos meios de produção», apesar de ser frequentemente associado ao presente sistema do ocidente (o corporativismo, que só é remotamente consistente com a primeira proposição). Desde que exista qualquer actividade económica cooperativa entre pelo menos dois indivíduos, o capitalismo implica uma economia de mercado, sendo esta o total de todas as transacções voluntárias. Tendo como base o Direito Natural, todas as formas de socialismo voluntário têm origem na abdicação da exclusividade de controlo por parte de justos proprietários de determinados recursos em favor do controlo por um determinado colectivo. Logo, o socialismo voluntário faz parte da economia de mercado e é uma organização tão legítima como o capitalismo voluntário que o precedeu.

Parte do problema é que os marxistas, como muitos acadêmicos, também tendem a afirmar que os anarquistas são simplesmente contra o Estado. É significativo que ambos os marxistas “e” anarco-capitalistas tendem a definir o anarquismo como puramente oposição ao governo. Isso não é coincidência, já que ambos procuram excluir o anarquismo de seu lugar no movimento socialista em geral. Isso faz sentido do ponto de vista marxista, uma vez que lhes permite apresentar sua ideologia como o único sério anti-capitalista ao redor (para não mencionar a associar o anarquismo com o “anarco”-capitalismo é uma excelente maneira de desacreditar as nossas ideias do movimento radical maior ). Deve ir sem dizer que esta é uma deturpação evidente e grave da posição anarquista como até mesmo um olhar superficial na teoria anarquista ea história mostra que nenhum anarquista limitavam sua crítica da sociedade simplesmente no estado. Assim, enquanto acadêmicos e marxistas parecem conscientes da oposição anarquista ao estado, eles geralmente não conseguem entender a crítica anarquista se aplica a todas as outras instituições sociais autoritárias e como ele se encaixa na análise anarquista geral e luta. Eles parecem pensar que a condenação anarquista da propriedade privada capitalista, patriarcal e assim por diante são de alguma forma acréscimos supérfluos em vez de uma posição lógica que reflete a essência do anarquismo:

“Os críticos, por vezes, sustentou que pensamento anarquista e teoria anarquista clássica em particular, enfatizou oposição ao Estado, a ponto de negligenciar a verdadeira hegemonia do poder econômico. Esta interpretação surge, talvez, a partir de uma distinção simplista e descoberto entre o foco anarquista na dominação política e o foco marxista sobre a exploração econômica … há evidências abundantes contra essa tese ao longo da história do pensamento anarquista. “[John P. Clark e Camille Martin, Anarchy, Geografia, Modernidade, p. 95]

anarcocapitalismo

anarcocapitalismo

Então Elisée Reclus simplesmente declarou o óbvio, quando escreveu que “a crítica anti-autoritário ao qual o Estado está submetido aplica-se igualmente a todas as instituições sociais”. [Citado por Clark e Martin, op. Cit., P. 140] Proudhon, Bakunin, Kropotkin, Goldman e assim por diante que todos concordamos com isso. Embora todos eles enfatizaram que o anarquismo era contra o estado em que rapidamente mudou-se para apresentar uma crítica à propriedade privada e outras formas de autoridade hierárquica. Assim, enquanto o anarquismo, obviamente, se opõe ao Estado, “sofisticado e desenvolvido anarquistas teoria procede mais. Ele não pára com uma crítica da organização política, mas continua a investigar a natureza autoritária da desigualdade econômica e da propriedade privada, estruturas econômicas hierárquicos, a educação tradicional, a família patriarcal, de classe e discriminação racial, e rígida etários papéis de sexo e, para mencionar apenas alguns dos temas mais importantes. “Para a” essência do anarquismo é, afinal, não é a oposição teórica ao Estado, mas a luta teórica e prática contra a dominação. “[John Clark, The Moment anarquista, p. 128 e p. 70]

Este é também o caso com anarquistas individualistas cuja defesa de certas formas de propriedade fez detê-los criticar aspectos fundamentais de direitos de propriedade capitalistas. Como Jeremy Jennings notas, o “ponto a destacar é que todos os anarquistas, e não apenas aqueles que se dedicam à estirpe do século XX predominante do comunismo anarquista tem sido crítico da propriedade privada, na medida em que era uma fonte de hierarquia e privilégio.” Ele prossegue, afirmando que os anarquistas como Tucker e Spooner “, concordou com a proposição de que a propriedade era legítima na medida em que abraçou há mais do que o produto total do trabalho individual.” [“anarquismo”, ideologias políticas contemporâneas, Roger Eatwell e Anthony Wright (eds.), p. 132] Isto é reconhecido pelos gostos de Rothbard, que tinha de apontar explicitamente como que sua posição sobre esses assuntos era fundamentalmente diferente (ou seja, em desacordo) com anarquismo individualista.

Como tal, seria justo dizer que a maioria dos “anarco-capitalistas” são capitalistas em primeiro lugar. Se aspectos do anarquismo não se encaixam com algum elemento do capitalismo, eles vão rejeitar esse elemento do anarquismo em vez de pergunta capitalismo (apropriação seletiva de Rothbard da tradição anarquista individualista é o exemplo mais óbvio disso). Isso significa que o botão direito do “libertários” anexar o prefixo “anarco” à sua ideologia, porque eles acreditam que ser contra a intervenção do governo é equivalente a ser um anarquista (que desemboca no seu uso da definição de dicionário do anarquismo). Que ignoram a maior parte da tradição anarquista deve provar que não há quase nada anarquista sobre eles em tudo. Eles não são contra a autoridade, a hierarquia ou o estado – eles simplesmente querem privatizá-los.

Ironicamente, esta definição limitada de “anarquismo” assegura que “anarco”-capitalismo é inerentemente auto-refutável. Isto pode ser visto a partir de líder “anarco»-capitalista Murray Rothbard. Ele trovejou contra o mal do Estado, argumentando que “se arroga o monopólio da força, do poder final de decisão, sobre uma determinada área territorial.” Por si só, essa definição é normal. Que algumas pessoas (uma elite de governantes) reivindicar o direito de governar os outros devem fazer parte de qualquer definição sensata de Estado ou governo. No entanto, os problemas começam para Rothbard, quando ele observa que “[o] bviously, em uma sociedade livre, Smith tem o máximo poder de decisão sobre sua propriedade apenas, Jones sobre a dele, etc” [A Ética da Liberdade, p . 170 e p. 173] O contradição lógica nesta posição deveria ser óbvio, mas não com Rothbard. Isso mostra o poder da ideologia, a capacidade de meras palavras (a expressão “propriedade privada”) para transformar o mal (“ultimate poder de decisão sobre uma determinada área”) no bom (“ultimate poder de decisão sobre um determinado área “).

Agora, essa contradição pode ser resolvida de uma única maneira – os usuários do “determinada área” são também seus proprietários. Em outras palavras, um sistema de detenção (ou “ocupação e utilização”) como favorecida por anarquistas. No entanto, Rothbard é um capitalista e apoia a propriedade privada, a renda não-trabalho, o trabalho assalariado, os capitalistas e latifundiários. Isso significa que ele suporta uma divergência entre posse e uso, e isso significa que este “último poder de decisão” se estende para aqueles que usam, mas não possuem tal propriedade, (ou seja, inquilinos e trabalhadores). A natureza estatista da propriedade privada é claramente indicado pelas palavras de Rothbard – o proprietário do imóvel em um “anarco»-capitalista da sociedade possui o “ultimate poder de decisão” sobre uma determinada área, que é também o que o Estado tem atualmente. Rothbard foi, ironicamente, mostrou-se por sua própria definição de que “anarco”-capitalismo não é anarquista.

Claro, seria grosseiro salientar que o nome usual para um sistema político no qual o proprietário de um território também é seu regente é, de fato, a monarquia. O que sugere que enquanto o “anarco”-capitalismo pode ser chamado de “anarco-estatismo“, um termo muito melhor poderia ser “anarco-monarquismo.” Na verdade, alguns “anarco-capitalistas” fizeram explícita esta implicação óbvia do argumento de Rothbard. Hans-Hermann Hoppe é um deles.

AnarcoCapitalismo

Hoppe prefere monarquia para a democracia, considerando que o sistema superior. Ele argumenta que o monarca é o proprietário privado do governo – toda a terra e outros recursos são de propriedade dele. Baseando-se em economia austríaca (what else?) E sua noção de preferência temporal, ele conclui que o monarca vai, portanto, trabalhar para maximizar a renda atual eo valor de capital total de sua propriedade. Supondo que o auto-interesse, o seu horizonte de planejamento será previdente e exploração ser muito mais limitado. Democracia, ao contrário, é um governo de propriedade pública e os governantes eleitos têm uso dos recursos por um curto período e não apenas o seu valor capital. Em outras palavras, eles não possuem o país e por isso vai procurar maximizar os seus interesses de curto prazo (e os interesses daqueles que eles acham que vai elegê-los em escritório). Em contraste, Bakunin salientou que se o anarquismo rejeita a democracia era “dificilmente a fim de revertê-la, mas sim para avançar”, em particular para estendê-lo via “a grande revolução econômica, sem a qual todo o direito, mas é uma frase vazia e um truque. “Ele rejeitou de todo o coração” o campo de reação aristocrática … “. [O Bakunin Basic, p. 87]

No entanto, não é Hoppe monarquista tradicional. Seu sistema ideal é uma das monarquias concorrentes, uma sociedade que é liderada por um “, reconheceu voluntariamente elite ‘natural’ – um nobilitas naturalis” “. Famílias com registros de longa data de realização superior, hipermetropia e conduta pessoal exemplar” composta de Isto porque “alguns indivíduos adquirem rapidamente o status de uma elite” e as suas qualidades inerentes será “mais provável que não [ser] repassado dentro de poucos – nobre -. famílias” O único “problema” com monarquias tradicionais foi “Com o monopólio, e não com as elites ou nobreza”, em outras palavras, o rei monopolizava o papel de juiz e seus súditos não poderiam recorrer a outros membros da classe nobre para os serviços. [“A Economia Política da Monarquia e Democracia ea idéia de uma ordem natural”, pp 94-121, Journal of Libertarian Studies, vol. 11, n. 2, p. 118 e p. 119]

Que simplesmente confirma a crítica anarquista de “anarco”-capitalismo, ou seja, que não é anarquista. Isso se torna ainda mais evidente quando Hoppe prestativamente se expande sobre a realidade da “anarco”-capitalismo:

“Em uma aliança concluída entre proprietário e comunidade inquilinos com a finalidade de proteger a sua propriedade privada, existe tal coisa como o direito de livre expressão (ilimitado) existe, nem mesmo o discurso ilimitado sobre o próprio inquilino propriedade. Pode-se dizer inúmeras coisas e promover praticamente qualquer idéia sob o sol, mas, naturalmente, ninguém está autorizado a defender idéias contrárias ao propósito do pacto de preservar a propriedade privada, como a democracia eo comunismo. Não pode haver tolerância para com os democratas e os comunistas em um contexto social libertária .. fim Eles terão que ser separados fisicamente e expulso da sociedade Da mesma forma, em uma aliança fundada com a finalidade de proteger a família e os parentes, não pode haver tolerância para com aqueles habitualmente promovem estilos de vida incompatíveis com este objetivo que -. os defensores da alternativa , estilos de vida não-familiares e parentes centrado, como, por exemplo, o hedonismo individual, parasitismo, adoração da natureza-ambiente, a homossexualidade, ou o comunismo – terá de ser removido fisicamente da sociedade, também, se é para manter uma ordem libertária . “[Democracia: o Deus que falhou, p. 218]

Assim, o proprietário tem o poder / autoridade sobre seus inquilinos e pode decretar o que eles podem e não podem fazer, sem ninguém a quem eles consideram como sendo subversivo (em os próprios interesses dos inquilinos, é claro). Em outras palavras, os poderes autocráticos do patrão são estendidos em todos os aspectos da sociedade – tudo sob a máscara da defesa da liberdade. Infelizmente, a preservação dos direitos de propriedade destrói a liberdade para muitos (Hoppe afirma claramente que para o “anarco»-capitalista o “resultado natural das transações voluntárias entre vários proprietários privados é decididamente não-igualitário, hierárquico e elitista.” [” A Economia Política da Monarquia e Democracia ea idéia de uma ordem natural “, op. Cit., p. 118]). Sem surpresa, Chomsky argumentou que de direita “libertarianismo” tem “nenhuma objeção à tirania enquanto é tirania privada.” Na verdade ele (como outras ideologias contemporâneas) “reduce [s] à defesa de uma ou outra forma de autoridade ilegítima , muitas vezes verdadeira tirania. “[Chomsky sobre Anarquismo, p. 235 e p. 181] Como tal, é difícil não concluir que “anarco”-capitalismo é pouco mais do que um jogo de palavras. Não é o anarquismo, mas um substituto inteligentemente concebida e formulada para elitista, o conservadorismo autocrático. Também é muito difícil concluir que anarquistas genuínos e libertários (de qualquer tipo) não seriam tolerados nesta chamada “ordem social libertário.”

Alguns “anarco”-capitalistas parecem vagamente consciente deste flagrantemente óbvia contradição. Rothbard, por exemplo, não apresenta uma discussão que poderia ser utilizada para resolver o problema, mas ele falhe completamente. Ele simplesmente ignora o cerne da questão, que o capitalismo é baseado na hierarquia e, portanto, não pode ser anarquista. Ele faz isso com o argumento de que a hierarquia associada ao capitalismo é bom, desde que a propriedade privada que produziu foi adquirido de forma “justa”. No entanto, ao fazê-lo, mais uma vez chama a atenção para as estruturas de autoridade idênticos e as relações sociais do Estado e da propriedade. Como ele diz:

“Se o Estado pode ser dito de possuir adequadamente seu território, então é adequado para ele fazer as regras para todos que se atreve a viver nessa área. Ele pode legitimamente aproveitar ou controlar a propriedade privada, porque não há propriedade privada, na sua área, porque ele realmente é dono de toda a superfície terrestre. Enquanto o Estado permite que seus súditos a deixar seu território, então, pode-se dizer a agir como qualquer outro proprietário que define as regras para as pessoas que vivem em sua propriedade. “[op. Cit., P. 170]

Obviamente Rothbard argumenta que o Estado não “justa” possuir seu território. Ele afirma que “a nossa teoria da apropriação” da criação da propriedade privada “é suficiente para demolir quaisquer pretensões por parte do aparelho de Estado”, e assim o problema com o estado é que ele “, afirma e exerce um monopólio compulsório de defesa e de tomada de decisão final sobre uma área maior do que um indivíduo é propriedade justamente adquirida. “[op. Cit., P. 171 e p. 173] Há quatro problemas fundamentais com seu argumento.

Primeiro, ele assume a sua “apropriação” teoria é uma teoria robusta e libertário, mas também não é o caso (ver seção F.4.1 ). Em segundo lugar, ignora a história do capitalismo. Tendo em conta que a distribuição atual da propriedade é tanto o resultado de violência e coerção como o estado, seu argumento é falho. Isso equivale a pouco mais do que uma “concepção imaculada da propriedade” sem relação com a realidade. Terceiro, mesmo se ignorarmos essas questões e assumir que a propriedade privada poderia ser e foi legitimamente produzido pelos meios Rothbard assume, não justifica a hierarquia associada a ele como as gerações atuais e futuras da humanidade têm, efetivamente, foi excomungado da liberdade por os anteriores. Se, como Rothbard argumenta, a propriedade é um direito natural ea base da liberdade, então por que a muitos sejam excluídos do seu direito de primogenitura por uma minoria? Em outras palavras, Rothbard nega que a liberdade deve ser universal. Ele escolhe propriedade sobre liberdade enquanto anarquistas escolher a liberdade sobre a propriedade. Em quarto lugar, isso implica que o problema fundamental com o Estado não é, como os anarquistas têm continuamente estressado, sua natureza hierárquica e autoritária, mas sim o fato de que ele não é dono justamente o território que pretende governar.

Pior ainda, a possibilidade de que a propriedade privada pode resultar em mais violações da liberdade individual (pelo menos para os não-proprietários) que o estado de seus cidadãos foi implicitamente reconhecida por Rothbard. Ele usa como exemplo hipotético de um país cujo rei é ameaçado por um movimento crescente “libertário”. As respostas do rei por “emprego [ing] um estratagema ardiloso”, ou seja, ele “proclama seu governo para ser dissolvido, mas pouco antes de fazê-lo, arbitrariamente as parcelas fora da área de terra inteira de seu reino para a” apropriação “de si mesmo e seus parentes . “Ao invés de impostos, seus súditos agora pagar o aluguel e ele pode” regular a vida de todas as pessoas que presumem a viver em “sua propriedade como lhe aprouver. Rothbard, em seguida, pergunta:

“Agora, o que deve ser a resposta dos rebeldes libertários para este desafio pert? Se eles são utilitaristas consistentes, eles devem se curvar a este subterfúgio, e resignar-se a viver sob um regime despótico, nada menos do que o que tinham lutado por tanto tempo . Talvez, de fato, mais despótico, pois agora o rei e seus parentes podem reivindicar para si próprio princípio do direito absoluto de propriedade privada, um absoluto que não poderia ter ousado afirmar antes dos libertários. “[op. Cit., P. 54]

Deve ir sem dizer que Rothbard argumenta que devemos rejeitar este “estratagema ardiloso” como um con como a nova distribuição da propriedade não seria o resultado de “apenas” meios. No entanto, ele não conseguiu perceber como seu argumento solapa as próprias alegações de que o capitalismo pode ser libertária. Como ele mesmo afirma, não só o proprietário do imóvel tem o mesmo monopólio do poder sobre uma determinada área, como o Estado, é mais despótico, pois baseia-se no “direito absoluto da propriedade privada”! E lembre-se, Rothbard está argumentando em favor de “anarco”-capitalismo (“se você tiver o capitalismo desenfreado, você terá todos os tipos de autoridade:. Você terá autoridade extremo” [. Chomsky, entender o poder, p 200]). O problema fundamental é que a ideologia cega de Rothbard-lo para o óbvio, ou seja, que o Estado ea propriedade privada produzem relações sociais idênticos (ironicamente, ele opina a teoria de que o estado é dono de seu território “faz com que o Estado, assim como o Rei do Oriente Idade, um senhor feudal, que, pelo menos teoricamente, possuíam toda a terra em seu domínio “, sem perceber que isso faz com que o capitalista ou landlord um rei e um senhor feudal dentro de” anarco “-capitalismo. [op. Cit., p. 171] ).

Um grupo de anarquistas chineses apontou o óbvio em 1914. Como o anarquismo “tem a oposição à autoridade como princípio essencial”, os anarquistas pretendem “varrer todos os sistemas do mal da sociedade atual, que têm uma natureza autoritária”, e assim “a nossa sociedade ideal” seria “sem latifundiários, capitalistas, dirigentes, funcionários , representantes ou chefes de família “. [citado por Arif Dirlik, Anarquismo na Revolução Chinesa, p. 131] Só isso, a eliminação de todas as formas de hierarquia (política, económica e social) que haja uma verdadeira anarquismo, uma sociedade sem autoridade (an-Archy). Na prática, a propriedade privada é uma importante fonte de opressão e autoritarismo no seio da sociedade – há pouca ou nenhuma liberdade sujeito a um proprietário ou dentro da produção capitalista (como Bakunin observou, “o trabalhador vende sua pessoa e sua liberdade por um determinado tempo” ). Em contraste com os anarquistas “,” anarco-capitalistas não têm nenhum problema com os proprietários e fascismo fábrica (ou seja, o trabalho assalariado), uma posição que parece altamente ilógico para uma teoria que se autodenomina libertária. Se fosse verdadeiramente libertária, seria opor a todas as formas de dominação, não apenas estatismo (“Aqueles que rejeitam o autoritarismo vai exigir permissão de ninguém para respirar. The libertário … não é grato para obter permissão para residir em qualquer lugar em seu próprio planeta e nega o direito de qualquer um para fora da tela partes dele para seu próprio uso ou regra. “[Stuart Christie and Albert Meltzer, Comportas of Anarchy, p. 31]). Esta posição ilógico e contraditório flui do “anarco»-capitalista definição de liberdade como ausência de coerção e será discutido na seção F.2 em mais detalhes. O irônico é que o “anarco-capitalistas” implicitamente provar a crítica anarquista da sua própria ideologia.

Claro, o “anarco»-capitalista tem outro meio de evitar o óbvio, ou seja, a afirmação de que o mercado vai limitar os abusos dos proprietários. Se os trabalhadores não gostam de seu governante, em seguida, eles podem procurar outro. Assim hierarquia capitalista é bem como os trabalhadores e inquilinos “consentimento” para ele. Enquanto a lógica é, obviamente, a mesma coisa, é duvidoso que um “anarco»-capitalista iria apoiar o Estado só porque seus súditos pode sair e se juntar a outro. Como tal, este não aborda a questão central – a natureza autoritária da propriedade capitalista (ver secção A.2.14 ). Além disso, esse argumento ignora completamente a realidade do poder econômico e social. Assim, o “consentimento” argumento falha porque ignora as circunstâncias sociais do capitalismo, que limitam a escolha de muitos.

Os anarquistas têm sustentado que, como classe, os trabalhadores têm pouca escolha além de “consentimento” para a hierarquia capitalista. A alternativa é ou extrema pobreza ou a fome. “Anarco-capitalistas” descartar tais alegações, negando que existe tal coisa como poder econômico. Pelo contrário, é simplesmente a liberdade de contrato. Os anarquistas consideram tais reivindicações como uma piada. Para mostrar o porquê, precisamos apenas citar (mais uma vez) Rothbard sobre a abolição da escravatura e da servidão no século 19. Ele argumentou, com razão, que os “órgãos dos oprimidos foram libertados, mas a propriedade que tinham trabalhado e eminentemente mereciam possuir, manteve-se nas mãos de seus antigos opressores. Com poder econômico mantendo-se assim em suas mãos, os antigos senhores em breve encontraram-se mestres virtuais mais uma vez, do que agora estavam livres arrendatários ou trabalhadores agrícolas. Os servos e escravos tinha provado a liberdade, mas tinha sido cruelmente derivado de seus frutos. “[op. Cit., P. 74]

Para dizer o mínimo, os anarquistas não conseguem ver a lógica nesta posição. Contraste isso com o padrão “anarco»-capitalista alegação de que, se as forças de mercado (“trocas voluntárias”) resultam na criação de “rendeiros e trabalhadores agrícolas”, então eles estão livres. No entanto, os trabalhadores despossuídos pelas forças do mercado estão exatamente na mesma situação social e económica como o ex-servos e ex-escravos. Se o último não tem os frutos da liberdade, nem fazer o primeiro. Rothbard vê o óbvio “poder econômico”, em último caso, mas nega que no primeiro (ironicamente, Rothbard demitido poder econômico sob o capitalismo, na mesma obra. [Op. Cit., Pp 221-2]). É apenas a ideologia de Rothbard que o impede de chegar à conclusão óbvios – as condições econômicas idênticas produzem relações sociais idênticas e assim o capitalismo é marcado por “poder econômico” e que a única solução é “anarco»-capitalista simplesmente “mestres virtuais”. dizer que o ex-servos e ex-escravos eram realmente livres para escolher e, conseqüentemente, Rothbard estava errado. Pode ser desumano, mas pelo menos seria coerente!

Perspectiva de Rothbard é estranho ao anarquismo. Por exemplo, como anarquista individualista William Bailie observado, sob o capitalismo não é um sistema de classes marcado por “uma classe dependente industrial de trabalhadores assalariados” e “uma classe privilegiada de riqueza açambarcadores, tornando-se cada vez mais distinto do outro, como o capitalismo .. avanços “Isso virou propriedade em um” poder social, uma força econômica destrutiva de direitos, uma fonte fértil de injustiça, um meio de escravizar os despossuídos “Ele concluiu:”. Sob esse sistema igual liberdade não pode obter “, observa Bailie que o “mundo industrial sob condições capitalistas” moderno ter “surgido sob o regime de status” (e assim “lei feitas privilégios”), no entanto, parece improvável que ele teria concluído que um tal sistema de classes seria bom se tivesse desenvolvido naturalmente ou o estado atual foi abolida, deixando que a estrutura de classes intactas. [Os anarquistas individualistas, p. 121] Como discutimos na seção G.4 , anarquistas individualistas como Tucker e Yarrows acabou reconhecendo que mesmo o mais livre concorrência tornou-se impotente contra as enormes concentrações de riqueza associados com o capitalismo corporativo.

Portanto, os anarquistas reconhecem que a “livre troca” ou “consentimento” em circunstâncias desiguais irá reduzir a liberdade, bem como o aumento da desigualdade entre os indivíduos e classes. Como discutimos na seção F.3 , a desigualdade vai produzir relações sociais que se baseiam na hierarquia e dominação, não a liberdade. Como Noam Chomsky afirmou:

“Anarco-capitalismo, na minha opinião, é um sistema doutrinário que, se alguma vez implementada, levaria a formas de tirania e opressão que têm poucos colegas na história humana. Não há a menor possibilidade de que a sua (na minha opinião, horrível ideias) será implementado, pois destruiria rapidamente qualquer sociedade que fez esse erro colossal. A id1eia de “livre contrato” entre o poderoso e seu vassalo faminto é uma piada de mau gosto, talvez valha a pena alguns momentos em um seminário acadêmico explorar as conseqüências de (na minha opinião, um absurdo) idéias, mas nenhum outro lugar. “[Noam Chomsky sobre Anarquismo, entrevista com Tom Lane, 23 de dezembro de 1996]

Claramente, então, por seus próprios argumentos “anarco”-capitalismo não é anarquista. Isso deve vir como nenhuma surpresa para os anarquistas. Anarquismo, como uma teoria política, nasceu quando Proudhon escreveu que é a propriedade? Especificamente para refutar a ideia de que os trabalhadores são livres quando a propriedade capitalista obriga-os a procurar emprego por latifundiários e capitalistas. Ele estava bem consciente de que, em tais circunstâncias propriedade “viola a igualdade, os direitos de exclusão e de aumento e liberdade pelo despotismo … [e] tem perfeita identidade com o roubo.” Ele, obviamente, fala do “proprietário, a quem [ o trabalhador] vendeu e entregou sua liberdade. “Para Proudhon, a anarquia era” a ausência de um mestre, de um soberano “, enquanto” proprietário “é” sinônimo “com o” soberano “para ele” impõe sua vontade como lei, e sofre nem contradição nem controle. “Isto significa que” a propriedade engendra despotismo “, como” cada proprietário é o senhor soberano dentro da esfera de sua propriedade. “[O que é propriedade, p. 251, p. 130, p. 264 e pp. 266-7] Também deve ser salientado que a obra clássica de Proudhon é uma longa crítica do tipo de apologética para Rothbard propriedade defende privadas para salvar sua ideologia de suas contradições óbvias.

Assim, ironicamente, Rothbard repete a mesma análise como Proudhon, mas tira as conclusões opostas e espera ser considerado um anarquista! Além disso, parece igualmente irônico que “anarco”-capitalismo em si “anarquista” chama enquanto baseando-se nos argumentos de que o anarquismo foi criado em oposição. Como mostrado, “anarco”-capitalismo faz tanto sentido como “anarco-estatismo” – um paradoxo, uma contradição em termos. A idéia de que “anarco”-capitalismo garante o nome de “anarquistas” é simplesmente falso. Só alguém ignorante do anarquismo poderia manter uma coisa dessas. Enquanto você espera teoria anarquista para mostrar que este seja o caso, a coisa maravilhosa é que “anarco-se” o capitalismo faz o mesmo.

O Ancap é um capitalista extremista que aceita a opressão do patrão e que não aceita o estado – porque o estado atrapalha essa livre opressão com impostos e leis trabalhistas. Esses ancaps, por defenderem o fim do estado, se auto-intitulam “anarquistas”… ignorando completamente a coerção que há na relação de trabalho capitalista. Os ancaps dizem que se as pessoas aceitam ser exploradas então isso não deveria ser considerado como exploração.

Não é de admirar Bob Black argumenta que “[t] o demonizar autoritarismo estatal, ignorando idêntico embora contrato consagrada arranjos subservientes nas grandes corporações que controlam a economia mundial é o fetichismo no seu pior.” [“The Libertarian tão conservador”, The Abolição do Trabalho e Outros Ensaios, pp 142] para a esquerda-liberal Stephen L. Newman faz o mesmo ponto:

“A ênfase [de direita] libertários lugar na oposição entre liberdade e poder político tende a obscurecer o papel de autoridade em sua visão de mundo … a autoridade exercida nas relações privadas, no entanto – na relação entre empregador e empregado, para . instância – reúne-se com nenhuma objeção …. [Isto] revela uma insensibilidade curioso para o uso da autoridade privada, como forma de controle social Comparando autoridade pública e privada, bem podemos perguntar: dos [de direita] libertários: Quando o preço de exercício de sua liberdade é terrivelmente alta, que diferença prática existe entre os comandos do Estado e aqueles emitidos por um empregador? … embora reconhecidamente as circunstâncias não são idênticas, dizendo descontente permite que eles estão sempre livre para sair seus postos de trabalho não parece diferente, em princípio, a partir de dissidentes políticos dizendo que eles são livres para emigrar. “[Liberalismo em Ponta Wit, pp 45-46]

Como Bob Black apontou, libertários direita argumentam que “” pode-se em empregos menos mudar. Mas você não pode evitar ter um trabalho – assim como no estatismo pode-se, pelo menos, alterar as nacionalidades, mas não pode evitar a sujeição a um Estado-nação ou de outra Mas a liberdade significa mais do que o direito de alterar mestres “[op.. . Cit., P. 147] As semelhanças entre o capitalismo eo estatismo são claras – e por que razão “anarco”-capitalismo não pode ser anarquista. Para rejeitar a autoridade (o “ultimate poder de decisão”) do Estado e abraçar a de proprietário do imóvel indica não apenas uma postura altamente ilógico mas em desacordo com os princípios básicos do anarquismo. Este apoio de todo o coração para o salário direitos de propriedade e de trabalho capitalista indica que “anarco-capitalistas” não são anarquistas, porque não rejeitar todas as formas de Archy. Eles obviamente apoiar a hierarquia entre patrão e trabalhador (trabalho assalariado) eo senhorio eo inquilino. O anarquismo, por definição, é contra todas as formas de Archy, incluindo a hierarquia gerada pela propriedade capitalista. Para ignorar a Archy óbvio associado com a propriedade capitalista é altamente ilógico e tentar descartar uma forma de dominação que flui de propriedade “apenas” ao atacar o outro, porque ele flui da propriedade “injusto” não está vendo a madeira para as árvores.

Além disso, devemos notar que tais desigualdades de poder e riqueza precisa “defender” daqueles que estão sujeitos a elas (“anarco-capitalistas” Reconhecemos a necessidade de polícia privada e tribunais para defender a propriedade de roubo – e, anarquistas adicionar, defender o roubo e despotismo associado com a propriedade!). Devido ao seu suporte de propriedade privada (e, portanto, autoridade), “anarco”-capitalismo acaba mantendo um estado em sua “anarquia”: ou seja, um estado privado cuja existência seus proponentes tentam negar simplesmente por recusar-se a chamá-lo de um estado, como um avestruz escondendo a cabeça na areia. Como um anarquista tão justamente colocá-lo “,” anarco-capitalistas “simplesmente substituiu o estado com empresas de segurança privada, e dificilmente podem ser descritos como anarquistas como o termo é normalmente entendido.” [Brian Morris, “A Global Anti-Capitalismo”, pp . 170-6, Estudos Anarquistas, vol. 14, n. 2, p. 175] Como discutiremos mais detalhadamente na seção F.6 é por isso que “anarco”-capitalismo é melhor descrito como o capitalismo “privado do Estado”, pois não haveria um equivalente funcional do Estado e seria tão enviesada a favor da elite proprietária, como o existente (se não mais). Como Albert Meltzer colocá-lo:

“O bom senso mostra que qualquer sociedade capitalista pode dispensar um ‘Estado’ … mas não poderia prescindir de governo organizado, ou uma forma de privatização, se havia pessoas acumulando dinheiro e outros que trabalham para acumular para eles. A filosofia de “anarco-capitalismo” sonhado pelo “libertário” Nova Direita, não tem nada a ver com o anarquismo como é conhecido pelo movimento anarquista adequada. É uma mentira … Patently capitalismo desenfreado … precisa de alguma força à sua disposição para manter os privilégios de classe, seja do próprio Estado ou de exércitos privados que acreditam é na verdade um Estado limitado -. isto é, aquele em que o Estado tem uma função, para proteger a classe dominante, não interfere com a exploração, e vem o mais barato possível para a classe dominante A idéia também serve a um propósito … uma justificativa moral para a consciência burguesa em evitar impostos sem se sentir culpada por isso “[Anarquismo:.. Argumentos a favor e contra, p. 50]

Para os anarquistas, esta necessidade do capitalismo para algum tipo de estado é surpreendente. Para “Anarchy sem socialismo parece igualmente impossível nós [como o socialismo sem anarquia], pois em tal caso, não poderia ser outro que não a dominação do mais forte, e, portanto, pôr em marcha de imediato a organização e consolidação dessa dominação , que é a constituição do governo “[Errico Malatesta, Errico Malatesta: His Life and Ideas, p.. 148] Por isso, o “anarco»-capitalista rejeição da crítica anarquista do capitalismo e os nossos argumentos sobre a necessidade de igualdade, eles não podem ser considerados anarquistas ou parte da tradição anarquista. Para os anarquistas, parece bizarro que “anarco-capitalistas” quer se livrar do estado, mas manter o sistema que ajudou a criar ea sua função como um defensor da propriedade da classe capitalista e os direitos de propriedade. Em outras palavras, para reduzir o estado puramente a sua função como (apto para usar a palavra de Malatesta) gendarme da classe capitalista não é um objectivo anarquista.

Assim, o anarquismo é muito mais do que a definição do dicionário comum de “nenhum governo” – que também implica ser contra todas as formas de Archy, incluindo aqueles gerados pela propriedade capitalista. Isso fica claro a partir das raízes da palavra “anarquia”. Como observamos na seção A.1 , a palavra anarquia significa “sem governantes” ou “contrárias à autoridade.” Como o próprio Rothbard reconhece, o proprietário do imóvel é o governante de sua propriedade e, portanto, aqueles que a usam. Por esta razão, “anarco”-capitalismo não pode ser considerada como uma forma de o anarquismo – um anarquista real deve, logicamente, opor-se à autoridade do proprietário do imóvel, juntamente com a do Estado. Como “anarco”-capitalismo não explicitamente (ou implicitamente, para que o assunto) chamada para arranjos econômicos que vai acabar o trabalho assalariado ea usura não pode ser considerado anarquista ou parte da tradição anarquista. Enquanto os anarquistas sempre se opuseram capitalismo “,” anarco-capitalistas têm abraçado e devido a isso abraçar a sua “anarquia” será marcado por relações baseadas em subordinação e hierarquia (como o trabalho assalariado), não a liberdade (de admirar que Proudhon argumentou que “propriedade é despotismo” – que cria relações autoritárias e hierárquicas entre as pessoas de uma forma semelhante ao estatismo). Seu apoio à “livre mercado” capitalista ignora o impacto da riqueza e do poder sobre a natureza e os resultados das decisões individuais no mercado (ver secções F.2 e F.3 para uma discussão mais aprofundada). Além disso, qualquer sistema de (econômico e social) poder exigir um força para mantê-lo e “anarco»-capitalista sistema de competir “empresas de defesa” será simplesmente um novo estado, reforçando o poder capitalista, os direitos de propriedade e de direito.

Assim, o “anarco»-capitalista e anarquista têm diferentes pontos de partida e de extremidades opostas em mente. Suas reivindicações de ser anarquistas são falsas, simplesmente porque eles rejeitam tanto da tradição anarquista como fazer o pouco que pagam lip-service para não-anarquista na teoria e na prática. Não é de admirar Peter Marshall disse que “alguns anarquistas aceitaria dos anarco-capitalistas” para o campo do anarquismo, uma vez que não compartilham a preocupação com a igualdade econômica e justiça social. “Como tal”, “anarco-capitalistas”, mesmo que eles fazem rejeitam o Estado, poderia, portanto, melhor ser chamado libertários de direita ao invés de anarquistas. “[exigir o impossível, p. 565]

 Estado ou não Estado, eis a questão: Anarquistas, neoliberais e Foucault!

Neoliberais e anarquistas têm uma paixão comum: para ambos, a liberdade do indivíduo é o valor supremo. Por definição, os anarquistas não gostam de pertencer a coletividades, comunidades e grupos. Eles têm em comum uma antipatia (se não um ódio) pelos poderes instituídos, do Estado às igrejas, passando pelas torcidas, os partidos, os clubes etc. Fora esse sentimento comum, eles preferem pensar cada um por conta própria.
Mas, embora haja mil maneiras de ser anarquista, existe uma grande distinção que talvez seja legítima.
Há os anarquistas clássicos, que a esquerda gosta de incluir em suas fileiras. Grosso modo, eles acham que o fim do Estado e de todas as igrejas (por exemplo) criará uma nova sociedade de homens livres e pares. Tradicionalmente, esses anarquistas, por serem alérgicos ao poder dos partidos e dos Estados pretensamente “revolucionários”, foram usados e, no fim, massacrados por seus supostos “companheiros” comunistas e socialistas (como aconteceu na guerra da Espanha).
E há os anarquistas que são hoje chamados de anarco-capitalistas, que a direita gosta de incorporar. Os anarco-capitalistas não sonham com uma sociedade radicalmente nova, eles apostam que a economia de mercado seja capaz de se contrapor ao Estado e aos poderes instituídos, de forma a substituí-los e torná-los desnecessários.
O que se ganharia com isso? Os anarco-capitalistas acham que, em matéria de liberdade, ser consumidor é um jeito relativamente pouco custoso de ser cidadão. Isso, sobretudo nas últimas décadas, em que o consumo tende a não ser massificado. Ou seja, a ideia anarco-capitalista é que, se deixássemos o mercado regrar nossa sociedade, nossa vida seria menos controlada e regrada do que ela é agora, pelo Estado e outros poderes.
Pergunta: sem o Estado, quem nos protegeria contra os abusos do mercado? É bom não esquecer que os anarquistas, em tese, se protegem sozinhos: se você não gosta de delegar poder a uma instituição, seja ela qual for, deve estar disposto a fazer polícia e justiça com suas mãos (é por isso, aliás, que o movimento libertário dos EUA sempre será fortemente favorável à livre circulação das armas).
Fato curioso, há uma similitude entre os anarco-capitalistas e os neoliberais. Mas é melhor explicar um pouco, porque (sobretudo se formos “progressistas”) nossa visão dos neoliberais é distorcida.
Os liberais clássicos, tipo Adam Smith, querem preservar a liberdade do mercado dentro de qualquer sistema político.
Para os neoliberais de hoje, o mercado poderia (ou deveria) substituir qualquer sistema de governo a ponto de torná-lo desnecessário.
Há duas maneiras de entender essa ideia. Uma consiste em pensar que os neoliberais querem nos entregar de mãos atadas às grandes corporações e à sedução de sua propaganda. A outra consiste em pensar que os neoliberais são extremamente próximos dos anarco-capitalistas: querem que o mercado nos liberte, ou melhor, imaginam que o mercado seja a forma de organização social mínima, a que controla menos a nossa vida.
Capitalismo de Estado

Capitalismo de Estado

Para quem se deu a pena de ler Friedrich Hayek (que talvez seja o maior pensador do neoliberalismo –vários livros em português, publicados pelo Instituto Ludwig Von Mises), a resposta que faz mais sentido é a segunda.
Ou seja, há uma séria proximidade entre neoliberais e anarco-capitalistas. Essa proximidade consiste numa paixão comum pela liberdade do indivíduo como valor que não pode nem deve ser alienado em favor de entidade coletiva alguma.
Um sociólogo francês, Geoffroy de Lagasnerie, tenta há tempos defender uma leitura atenta dos autores neoliberais (para ter uma ideia da polêmica, um artigo dele de 2011, no “Le Monde”, http://migre.me/eSa0S).
Em 2012, De Lagasnerie publicou um livro crucial sobre Michel Foucault, que acaba de ser traduzido, “A Última Lição de Michel Foucault” (Três Estrelas).
O livro mostra o irrefutável: em seu último seminário (“O Nascimento da Biopolítica”, Martins Fontes), Foucault (um ícone da esquerda) leu, apresentou e (pasme) levou a sério os pensadores neoliberais (Hayek, em particular). E não foi uma loucura de última hora. Ao contrário, o interesse de Foucault pelos neoliberais não deveria nos escandalizar.
Aliás, qual seria o escândalo? Aparentemente, a ideia de que, para o bem ou para o mal, o neoliberalismo é também uma grandiosa defesa da diversidade e da liberdade do indivíduo –fato que não podia deixar indiferente o maior pensador anarquista do século 20, Michel Foucault.

O QUE É ANARCOCAPITALISMO (ANARCOMIGUXISMO)???

O Anarcocapitalismo é a versão moderna do Feudalismo. Atualmente anarcocapitalistas formam um grupo de defensores de uma seita que prega um Capitalismo sem Estado. Para os ancaps o Estado é como um bicho-papão, um ser de outro mundo, uma mistura de Darth Vader com Gargamel que só quer sugar as energias de todos os seres humanos, por isso eles devem se livrar do jugo estatal, sem nenhuma regulação e sem impostos, retornando ao mundo primitivo onde todos tenham liberdade para fazer o que quiserem, até que um dono de terras mais poderoso monte seu próprio Estado e comece tudo de novo.

Onde é adotado?

É bem verdade que o anarcocapitalismo é um sistema que só existe na imaginação de economistas membros das escolas Austríaca e de Chicago. Porém, a Somália é o país que mais se aproxima do ideal. Alguns defendem que o sistema é o que mais traz progressos a esse país desde que foi adotado por lá com a queda do frágil Estado Somáli. Claro que não contam os rebeldes da Somalilândia e seu novo estado, claro que não, esses são apenas fazendeiros executando seu direito de propriedade. De qualquer modo, o anarcocapitalismo traz resultados muito melhores à Somália do que a social-democracia em relação à pobre e atrasada Suécia.
Outros locais que também contam com modelos AnCaps que fariam o pessoal do Liber ter orgasmos múltiplos são as favelas latino-americanas, principalmente as do Rio de Janeiro. A admiração pelo modelo fluminense é tão grande que alguns líderes do partidão leia-se Juliano Torres chegam a recitar Marcelo D2 no chat do grupo. São completamente contra a ocupação das favelas pela polícia, pois isso violaria o direito de propriedade dos empresários locais.

História

Com o excesso de migração de bárbaros para o centro político do Império Romano e a corrupção excessiva do Estado Romano, serviços essenciais começaram a falhar e a população começou a correr para o campo. Quem não podia pagar foi morto e quem podia fez um contrato vitalício com os coronés da Europa Medieval. Seus jagunços protegiam os refugiados e estes trabalhavam em troca, iniciando assim o primeiro sistema econômico onde todos os serviços públicos, inclusive a segurança, eram privados.
Não durou muito tempo até que tais fazendeiros medievais declarassem suas terras como ducados, condados, marquesados, ou seja, novos Estados, porém o tempo que durou foi um sucesso total para o anarcocapitalismo.
Com o Renascimento alguns pensadores começaram a tentar resgatar toda a antiga cultura socialista romana, porém um deles, Marl Karx, propôs resgatar também a antiga religião pré-pós-romana, onde o Deus Mercado era o ser onipotente que de tudo dava conta.
Assim Karx lançava seu best-seller “O Manifesto do Partido Anarcocapitalista”, que não agradou ao público e foi um fracasso de vendas, sendo assim eliminado pelo mercado.
Porém, anos depois alguns alunos do curso de Economia da Universidade Federal da Áustria e da Universidade Estadual de Chicago, tais como Raiéqui, von Misantropo, Rottenbardo e Miltinho Fédimem decidiram levar adiante as ideias de Karx. Assim surgiriam diversas organizações políticas de base anarcocapitalista, tais como o Partido Hippie Americano e o Partido dos Pedófilos da Holanda. Mas é claro que os Neo-feudalistas Mad Max Austríacos trouxeram suas próprias contribuições às ideias de Karx. Von Misantropo, por exemplo, criou a Praçalogia, a doutrina segundo a qual pais podem exercer seu livre empreendedorismo levando suas filhas e filhos para praças privadas para servirem a homens desejosos de empregar livremente seu dinheiro em diversão e sacaneiragens. Outro grande defensor da Praçologia é o grande pensador Cazalberto das Nódena, pois essa doutrina é uma piada pronta e sem graça. Rottenbardo, outro ilustre representante do miguxismo, desenvolveu a revolucionária ideia de que os pais podem livremente deixar filhos indesejados ou deficientes mentais e físicos morrerem de fome. Também não podemos deixar de mencionar a grande Ayn Randoida, a qual, se não faz parte do Neo-Feudalismo austríaco, é uma grande inspiração para os miguxos, que agradecem diariamente por terem a chance de exercer o direito de levarem seus patrões nas costas, como a grande Mulatlas.
Atualmente, além da Somália, o anarcocapitalismo é seguido também por adolescentes jogadores do RPG Dungeons & Dragons, ambientado na Idade Média. Fãs do sistema anarcocapitalista medieval, eles pretendem criar um partido político e se utilizar do horário político e do fundo partidário para derrotar o Maligno Dr. Estado e trazer uma nova era de total felicidade e harmonia a todos os povos.

Liber

Trata-se do partido mais recente fundado no país. É a única solução brasileira pra quem tem aversão aos conceitos de direita/esquerda. O partido apresente a seguinte fauna e flora
* Fracassados: São pobres, da periferia de alguma grande cidade, que colocam a culpa de seu fracasso pessoal no Estado. Se não conseguem alguma coisa, jogam a culpa no governo. Não perdem a esperança de que, com trabalho duro e muita lambeção do solado dos patrões, um dia poderão ter seu próprio gado humano para desfrutarem livremente.
São famosos miguxos fracassados gente como Operário Titika, Bruninho Churrasqueiro, Baby Fraga e Breninho Pé de Chinelo.
* Utilitaristas: auto intitulam-se assim embora não tenham nada a ver com a filosofia utilitarista. São basicamente nerds punheteiros.
* Estudantes de Psicologia: são os palhaços do partido. Só servem para fazer os outros rirem, com tiradas sensacionais, como por exemplo: “Stalin e Reagan são a mesma coisa”.
* Lúcidos: também conhecidos como minarquistas, não querem a extinção do Estado, mas apenas reduzi-lo ao mínimo possível; quer dizer, reconhecem a importância das forças de segurança pública quando se faz necessário descer a ripa em trabalhadores insatisfeitos ou estudantes exaltados. Únicas pessoas no grupo que possuem vida sexual ativa.

Outros anarcocapitalistas famosos

*Playssons – São a favor da liberdade de ir para night, e não abrem mão de gastarem sua grana com futilidades. O que mais seriam se não anarcocapitalistas?
*Jeremias José – O mais proeminente anarcocapitalista do sertão. Leitor assíduo do Instituto Mises Brasil e forte defensor do direito de dirigir ou andar bêbado pelas ruas. Estuda também, em seu ferro-velho (com artigos impressos do IMB, fornecidos por seus membros como gesto de caridade), métodos e modelos econômicos para retirar o imposto das bebidas alcoólicas. Defende também a autorregulação dos bares e botequins de esquina, que vendem churrasquinho de rato gato. Afinal, o Estado não pode interferir no livre empreendedorismo, mesmo que isso mate os clientes.
*Elias Maluco – Um famoso anarcocapitalista carioca, fervoroso ativista do legítimo direito do cidadão a portar armas para defender sua propriedade.
Herdeiro do Complexo do Alemão, usou suas autodefesas o quanto pôde para repelir invasores que queriam reprimir seu negócio particular, um simples estabelecimento de prostituição infantil. Segundo o Maluco, nenhuma das crianças estava no negócio contra a sua vontade, sendo ele autor de um “crime sem vítima”, pois o trabalho exploratório, se é voluntário, é sempre justo. Foi delatado por Tim Lopes, a quem teve que matar em legítima defesa.
Mais tarde, Elias foi capturado pelas tropas da tirana Benedita da Silva, enjaulado e privado de sua liberdade pelo interventor Estado do Rio de Janeiro.
*Os Milicianos – No Rio de Janeiro, foram precursores na defesa das comunidades com direito a se autoregularem e criarem/contratarem o serviço de segurança que desejarem. Assim a questão da livre-concorrência é resolvida já que se duas milícias quiserem “proteger” uma mesma região, elas brigarão entre si até que a mais forte e capaz derrote a outra e ofereça seus serviços ao preço que bem entender. Está regulado o Mercado!
*Dâniel Fraga – Um nerd jurássico do final dos anos 1980 e um vlogger inútil do Youtube, a exemplo de Cauê Moura e Silas Malafaia, o que o tornaria mais uma pessoa ordinária nesse mundão veio sem portera. Ele realmente acredita que o Estado deveria acabar e todos nós deveríamos abraçar o livre mercado e idolatrar a Mão Invisível, Divina Providência, apesar de ser um pobre fodido o qual foi sustentado a vida toda com dinheiro do Estado Malvadão.
*César Maia – Membro do Partido dos coroné dos legítimos proprietários de terras também é um entusiasta desse sistema, declarando seu total apoio às “autodefesas comunitárias”
*PCC – Organização que se esbalda em regiões que se encontram em liberdade em relação ao Estado Malvadão. A organização paraestatal garante a humildade, lealdade e o procedimento entre os criminosos sem precisar de polícia, justiça ou esmola do Leviatã do Inferno. Busca garantir seu monopólio da força onde antes grupelhos ou indivíduos se arrebentavam numa guerra privada

8 comments to “Anarco Capitalismo – Anarco-Capitalistas”
  1. Pingback: Economia Anarquista - Como seria a economia no Anarquismo?

  2. Pingback: Dois séculos atrás, os anarquistas imaginaram um mundo sem chefes, leis ou políticos. Hoje, a tecnologia está tornando esse sonho - ou pesadelo - mais próximo do que você imagina

  3. Pingback: História do Anarquismo

  4. Você é um curioso, ignorante, parei de ler na metade do texto! Lógico que anarcocapitalismo não tem nada de anárquico, que não seja apenas o conceito Anarco sobre o Comércio contra regulação do Estado. Fora isso, é lógico que ele é CAPITALISTA PURO! E não há forma racional mais justa que o livre mercado para melhor rendimento monetário, melhor qualidade nos produtos, serviços e menor preço.

  5. Pingback: Anarco-Transumanista ou Anarco-Transumanismo | Anarquia | Anarquismo | Anarquista - Tudo o que você precisa saber sobre Anarquia no Anarquismo/Anarchism! Organização On-Line, Ação Off-Line!!!

  6. Pingback: AnarcoTranshumanismo ou Anarco-Futurismo

Deixe uma resposta